Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

Nuno Crato na Educação. Um grande "Gosto" facebookiano!

Beatriz Ferreira, 21.06.11

Ontem foi o dia do exame nacional de Português, avaliado como fácil e confuso pela generalidadedos dos alunos. Facilitísmo e caos foram obviamente palavras que nortearam o trabalho do Ministério da Educação e por isso, este mandato foi assim fechado com chave de ouro e trancado a cadeado com as prevaricações de Maria de Lurdes Rodrigues ao serviço desta casa.

O PSD apresenta o nome de Nuno Crato, matemático, investigador, mas antes de mais, professor e isso foi um facto que agradou à comunidade escolar.  O homem já deu aulas! Não é extraordinário!? Um Ministro da Educação que já deu aulas num liceu a pirralhos que trepavam pelas paredes, mandou fazer trabalhos de casa, corrigiu testes, foi a reuniões de pais, mandou o menino Manelinho cuspir a pastilha para o caixote. Fala a mesma linguagem daqueles que executam geralmente sem serem ouvidos. Talvez Crato possa criar um bom canal de comunicação.

 

Foi um conhecido, ouvido e respeitado crítico do modelo de avaliação proposto pelo anterior Governo. Para além da avaliação não ser isenta, os professores não estão em condições de serem avaliados quando não têm formação nem incentivos para melhorar. Para além disso, muitos professores ensinam sem terem aptidões pedagógicas para esta carreira e nem o modelo de avaliação, nem o processo de entrada de novos professores considera este facto. A valorização dos docentes é essencial para que estes se sintam bem com a sua profissão e não sejam bodes expiatórios dos paizinhos que não sabem dar meia dúzia de palmadas aos seus adoráveis rebentos.

 

Por último, Nuno Crato defende que as escolas deviam ter mais autonomia para escolher as metodologias e currículos pedagógicos porque cada comunidade escolar é diferente. Obviamente que o Ministério da Educação não domina a formula mágica para o sucesso escolar, mas continua a querer que as escolas funcionem claustrofóbicas em ciclos de reformas que destabilizam o seu trabalho e que promovem gastos surreais. Solidez e continuidade das políticas são fundamentais.

 

Estou muito satisfeita com esta aposta para o ME. São medidas que não só podem melhorar a arte de educar em Portugal, como ajudam a limpar a casa dos maus vícios. Este matemático ensina que se deve pensar antes de se tentar resolver um problema. A Troika ensina que se deve reflectir antes de se disparatar o dinheiro. Sem dúvida, uma boa aquisição!

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.