Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

Incoerências...

Rui C Pinto, 06.01.11

É com muita ironia que vejo o cidadão Manuel Alegre (e parte do Partido Socialista) exigir a um cidadão que prove a sua inocência depois de terem andado a berrar aos sete ventos contra a proposta de um seu ilustre militante (João Cravinho) de combate à corrupção por implicar o princípio da inversão do ónus da prova...

 

Então agora o cidadão Cavaco Silva tem de provar, perante um tribunal mediático, que é inocente num cenário fantasiado por um seu concidadão? Cenário esse que resulta de um exercício incoerente e maniqueista motivado por puro desespero eleitoral.

 

É relevante? Eventualmente será. Um candidato presidencial tem o dever de transparência para com os seus concidadãos. Mas disso não podem acusar Cavaco Silva. O assunto é transparente como água. Comprou acções de uma sociedade não cotada, isto é, fez uma aplicação financeira e teve o seu retorno. Comprou a 1 euro, vendeu a 2,4 euros. Tomara eu desses negócios! Alguém suspeita que tenha havido compadrio, compra de favores, compra de influências políticas? Se alguém as tem, fique com elas para si. Também eu desconfio que as vizinhas limpam os pés no meu tapete para não sujar o delas, mas é um martírio que guardo para mim e tenho de viver com ele. Agora, não lembra ao diabo, que lhes vá bater à porta pedindo que provem que não limpam lá os pés... Mais, a informação que Manuel Alegre exige a Cavaco Silve é conhecida, foi publicada a seu tempo pelo Expresso (em 2009, vejam bem!!!). Por tudo isto, esta situação é de lamentar profundamente mas é sobretudo indecorosa para Manuel Alegre. Eu, pela minha parte, sinto-me confrangido por esta campanha.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Rui C Pinto 06.01.2011

    Acho que não há direito em enxovalhar o nome de uma pessoa cavalgando uma questão populista, porque se está em desvantagem nas sondagens... Isto é uma selvajaria...

    É claro que cada um tem a liberdade de equacionar as amizades do senhor. Mas isso é demasiado valorativo... Depende da vivência de cada um. Ora podes ter meia dúzia de amigos trafulhas e pensar, "espera lá, é injusto meterem-me no mesmo saco...", ora podes ser mais moralista e pensar "diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és". O que me diverte é que Cavaco tem como seus acompanhantes muitos desses moralistas da direita conservadora que fazem esses julgamentos o tempo todo e agora têm que fazer um exercício de fé de que apesar do cheiro a esturro, não se esqueceram do frango no churrasco...
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.