Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

Grândola Vila Morena

Essi Silva, 20.09.10

Terra da fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti, ó cidade

 

Nietzsche preconizava que Deus estava morto. Que nós o matámos.

O capitalismo está a morrer. E está a morrer às nossas mãos.

 

Já Marx preconizava que o fim do capitalismo seria com taxas. De facto, a ideia de taxar mais de acordo com o rendimento é directamente importada do Manifesto.

 

Mas não acham que estão a levar isto longe demais?

Pensem comigo: o capitalismo mal ou bem, faz a economia girar. Se somos mais taxados, se pagamos mais impostos, se somos obrigados a ir ao privado porque na verdade quase que pagamosn impostos para respirar, de que serve trabalhar mais?

É que já ouvi colegas meus a dizerem que vieram para Direito para ganharem dinheiro. Bem estúpidos são eles. No fundo, por mais que ganhem, metade do salário deles é taxado simplesmente por trabalharem, depois vem o IMI ou a renda, as contas da electricidade e da água com impostos, o preço da creche e do colégio privado (porque o público é só para os miseráveis - tipo eu já agora), do lar da sogra, do seguro de saúde que cubra as dores no dedo mindinho e já agora os impostos dos morfes, mais vale não serem ricos (!) e terão tudo à borla. (ou quase, a diferença também é pouca).

 

Toda a gente se esquece que a classe média, a burguesia, tem sido o motor dos Estados desde sempre, ou é só impressão minha?

 

Com impostos, taxas, emolumentos e whatever, que são alterados a uma velocidade luz e que cada vez mais pesam nos orçamentos dos portugueses, para que serve trabalhar?

 

Realmente estamos a matar o capitalismo. A matar a Economia.

Crise! Se estou em crise não vou ao cabeleireiro. Se o cabeleireiro não tem clientes, vai para o desemprego. Daí acontece uma das duas: ou se torna mais um peso morto para o Estado Social, ou faz biscates num país em que cada vez mais pessoas estão na mesma situação que ele. E aí?

Aí tem alguns trocos. Mas trocos para quê? Para comprar uns pães e leite e ocasionalmente um bifinho. O mercado pára porque não hám quem compre.

Ah sim. Também pode emigrar. E daqui a menos de 10 anos, a única população activa que temos no país são os ladrões e violadores.

 

Aparentemente andamos numa limpeza social. É que em Portugal andamos a exterminar os ricos. E os quase ricos também. Só que os quase ricos e alguns dos ricos (classe média) fazem o mundo girar. E assim pára tudo. E depois? É o Governo que vai alimentar a Economia ao comprar 10 mil toalhas? Ao oferecer ao povo vidro da Marinha Grande?

Ou a patrocinar a mudança de instalações das unidades fabris para a Roménia de forma a podermos comprar sapatos e roupa a 1€?

Olhem, eu quero ser pobre! A sério. Assim não tenho que fugir aos impostos, já que é o que este tipo de políticas incita.

 

Bem me parecia.

E que tal pararmos de brincar com impostos e com a vida das pessoas e deixarmos de lhes cobrar o ar que respiram? Era capaz de ser porreiro.

Se não acharem porreiro, bem, viva o RSI, o Subsídio de Desemprego e o Estado Social!!! (e já agora a livre circulação de bens, pessoas e capitais).

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.