Sexta-feira, 3 de Setembro de 2010
UV 2010: Dia 4

O desafio desta vez foi o Centenário da República.

 

Uma quente e republicana tarde Uviana!

Os 100 anos da nossa República foram o mote para o trabalho de fundo da UV 2010, o que implicou que este ano nos lembrássemos mais cedo da memória da dita. Em bom rigor, diria que a maioria de nós, the post 70s, costumamo-nos lembrar da implantação da República apenas quando vamos ver se dia 5 de Outubro calha a uma terça ou a uma quinta. Este ano, porém, a coisa foi diferente.

Todos os grupos se deitaram ao trabalho para cumprir os objectivos do desafio de narrar as causas, os valores e as promessas não cumpridas da(s) nossa(s) República(s). Foi um recuar até ao 9º ano para (re)estruturar em forma de puzzle todas as peças dispersas que tínhamos na cabeça e um avançar determinado nos desafios do planeamento, gestão e negociação no âmbito do trabalho de equipa que tivemos de abraçar. It’s the people, stupid, pareceu-nos um slogan bem mais ajustado que a habitual perspectiva economicista.

Deu video, deu som, deu até teatro e coisas sérias ou menos sérias, mas todas interessantes. Deu ainda para aprender mais, ao confrontar a obra feita com a exigência do prof. Luciano Amaral e com a eloquência dos Uvianos ‘advogados do diabo’. Doeu um pouco, mas faz bem, diria o meu avô. Há sempre espaço para dar uma “melhoradela”, e acho que todos nós crescemos nesta quente, bem quente e republicana tarde Uviana.

 

Tiago Alves

 

 

A 5 de Outubro de 1910 Portugal assistiu a um golpe de estado perpetuado por um conjunto de cidadãos, na sua maioria do Partido Republicano Português, que destituiu a Monarquia Constitucional e implantou um Regime Republicano.

Sabemos que representavam uma minoria mas que expressavam uma revolta maioritária contra a subjugação do país aos interesses coloniais de outra nação, contra os gastos exorbitantes da família Real, contra o abuso do poder da igreja junto da população e uma aparente incapacidade de manter o país no mesmo desenvolvimento que as restantes nações desenvolvidas.

Hoje, ao comemorarmos os 100 anos desse momento, debatemo-nos com a dificuldade em valorizar Portugal, com um problema grave de déficit orçamental e com a incapacidade de manter o país nos mesmos índices de desenvolvimento que as restantes nações desenvolvidas.

É sério afirmar que, não tendo conseguido ainda atingir os propósitos motivadores dessa revolução, mantém-se a mesma convicção na validade dos princípios fundamentais que a nortearam.

É a vez da nossa geração dar o seu contributo!

Vamos Todos cumprir Portugal!

 

Mafalda Ascensão Cambeta

 

Nota da Autora: A Monarquia demorou cerca de 100 anos a consolidar Portugal e mais de 300 para projectar Portugal.

 



uma psicose de PsicoConvidado às 10:58
editado por Essi Silva em 12/12/2012 às 23:08
link directo

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.