Quinta-feira, 2 de Setembro de 2010
UV 2010: Dia 3
Os textos para este 3º dia de UV são subordinados aos seguintes temas: a José Castela foi dado a escolher entre Carrapatoso e Lino Maia, a Isabel Capoulas foi atribuída a missão de escrever sobre o jantar com Leonor Beleza e não demos tema à Madalena Nogueira dos Santos.

 

Intenso. E motivador.

Por muito que os alunos de outras edições tenham revelado alguns detalhes, a UV só se compreende quando vivida na primeira pessoa. O stress dos prazos já está na ribalta, mas não consegue derrubar o interesse dos participantes pelas aulas sublimes e jantares intimistas. Esta terceira jornada - até à presente hora em que trabalhamos em conjunto, antes do jantar-conferência - foi preenchida por duas visões críticas sobre o nosso país: a dos números e a das pessoas.

Com Dr. António Carrapatoso, vimos um verdadeiro programa de Governo concentrado em avivar a economia portuguesa, tendo sob atenção vários dados bastantes esclarecidos numa visão economicista de quem é de destacar na área. Para encontrarmos o equilíbrio, a tarde foi recheada com a intervenção do ilustre Padre Lino Maia, que, pelo que fui ouvindo nos corredores, superou as expectativas de muitos alunos, que não esperavam uma apresentação resoluta em eliminar vários nevoeiros sobre as instituições de solidariedade social, e se debruçou na pobreza imaterial (que normalmente não é tão focada).

Trabalho e trabalho, mas há sempre espaço para o convívio e a diversão. Sem querer, já são múltiplas as histórias em volta dos estandartes, uma monitorização sobre o que é comentado na Intranet e, nas primeiras horas da madrugada, ainda dá para discutir mil e um assuntos para além dos que nos ocupam em plenário.

Eu até me demoraria mais a falar de todos os pontos positivos que já encontrei nesta experiência fantástica, mas... tenho três prazos a correr loucamente!

 

Madalena Nogueira dos Santos

 

 

Combater a exclusão social e a pobreza com a Social-Democracia

Como pode cada um de nós combater a pobreza? Como pode cada um de nós ajudar a reduzir a delinquência e por conseguinte a exclusão social? Como pode cada um de nós contribuir para um mundo mais justo?

Caros amigos, a resposta é simples… Sendo Social-Democrata.

O jovial e brilhante Pe Lino Maia, que tem dedicado a sua vida e obra às causas sociais, deixou-nos esta tarde o seu testemunho relativamente ao combate diário que tem pautado a sua acção social e cívica nos últimos anos. Como diz a sabedoria popular da cultura chinesa, se queremos ajudar um pobre com fome devemos dar-lhe uma cana e ensiná-lo a pescar ao invés de lhe dar o peixe de mão beijada. Ao reflectirmos nisto, conjugando essa reflexão com as palavras do Pe Lino Maia, facilmente entendemos que se combatermos estas causas sociais com uma aposta clara na educação e formação das crianças desde a nascença, uma educação com igualdade de direitos e oportunidades que permite a uma criança socioeconomicamente desfavorecida sentir-se menos mal no meio escolar, estaremos a contribuir em escala astronómica para que as crianças que se sintam sempre iguais, tratem sempre os outros como iguais. Igualdade de direitos como princípio essencial da social-democracia!

Por outro lado, há que ter consciência da existência de mais de 5000 instituições de cariz social em Portugal, que servem cerca de 386 mil necessitados, desde o bebé recém-nascido ao idoso, do toxicodependente ao portador de deficiência motora, do alcoólico ao órfão. É sabido também, que todas as instituições de cariz social sobrevivem ao invés de viverem, e alimentam-se da força inesgotável de um voluntário, que dá a sua vida em troco de um sorriso de alguém que encontrou através do seu voluntariado um caminho e uma esperança para a vida. Solidariedade como princípio essencial da social-democracia!

Não pretendo alongar-me mais, quero apenas pegar nas palavras do Pe Lino Maia quando diz que um mundo sem pobreza é mais justo, e que nos jovens (que de resto carecem nos corpos de voluntários das IPSS’s em Portugal) está a força e irreverência necessárias para servir os outros, para dizer que se cada um de nós, jovens sociais-democratas, praticarmos os princípios essenciais da Social-Democracia acima evocados, estaremos de forma efectiva não só a expandir a nossa fé ideológica como a combater na 1ª linha de ataque a pobreza e a exclusão social que se vive no nosso país.

“Vós sereis, de facto, construtores de um futuro melhor. Se combaterdes a pobreza estareis com certeza a contribuir para um mundo mais justo.” (Pe Lino Maia)

 

José Francisco Castela

 

 

Por um futuro melhor!

Ontem tivemos o privilégio de jantar com a Dra. Leonor Beleza, que nos apresentou o novo projecto da Fundação Champalimaud, realçando a importância da investigação científica na área da Medicina. Este novo projecto baseia-se na investigação científica no domínio do cancro e da neurociência.

Como estudante de Ciências Farmacêuticas, não poderia deixar de salientar o quanto é urgente a investigação científica nestes domínios. Isto porque, segundo a OMS actualmente morrem 24 mil portugueses por ano vítimas de cancro e estima-se um aumento de 34,5% (32 mil mortes/ano) para 2030. São números assustadores, para os quais o nosso sistema nacional de saúde não está preparado para responder, por isso é preciso fazer mais e melhor! É preciso investigar a evolução e compreender os mecanismos pelos quais a doença se desenvolve, de modo a transmitir mais informação aos nossos profissionais de saúde e descobrir novas formas de tratamento mais eficazes e mais seguras relativamente às que existem actualmente.

O relatório “Global Burden of Disease” da OMS relata a elevada prevalência das doenças neurológicas em todo o mundo, que correspondem a 1% de mortes e representam cerca de 11% das doenças existentes. A Depressão afecta cerca de 121 milhões de pessoas em todo o mundo, é uma das principais causas da incapacidade, cujo tratamento, relativamente dispendioso, requer um longo período de tempo e nem sempre é efectivo. É preciso encontrar alternativas!

Portugal precisa, a Europa precisa, o Mundo precisa de pessoas com a dignidade, a humildade e a determinação da Dra. Leonor Beleza que se dediquem a desenvolver projectos como este que visam melhorar a qualidade de vida da população, permitem-nos crescer e que nos conduzem a um futuro, muito melhor!

 

Mª Isabel Capoulas



uma psicose de PsicoConvidado às 08:56
editado por Essi Silva em 12/12/2012 às 23:08
link directo | psicomentar

14 comentários:
De Paulo Colaço a 2 de Setembro de 2010 às 09:03
Continuamos a dar voz aos alunos da UV 2010!


De Elsa Picão a 2 de Setembro de 2010 às 10:57
E que voz, Colaço!

Caros Madalena, José e Isabel tal como aos vossos colegas dou-vos as boas-vindas ao Psico.
Usem e abusem e apareçam mais vezes!

Com a UV em felocidade de cruzeiro, aceitar o desafio extra de partilhar connosco a vossa experiência é algo que só vos podemos agradecer a todos. Pois todos sabemos que o tempo não é elástico, embora por estes dias em Castelo de Vide todos gostassem que fosse:)

Os vossos textos foram uma agravél surpresa. Interessantes, acertivos, e com sentido de humor o que não é fácil com "prazos a correr loucamente" :)

continuação de bom trabalho.


De Diogo Agostinho a 2 de Setembro de 2010 às 11:39
E que voz mesmo Elsa e Paulo!

Caros muito obrigado pelo excelente contributo.

De facto, ler as palavras da Madalena sobre António Carrapotoso foi mais uma confirmação de que estamos perante um valor de enorme qualidade que ficaria muito bem num futuro Governo do PSD. Pessoa com vida, mundo, trabalhador, empresário, com visão. Fazem falta nos lugares de chefia. Fazem falta pessoas que acrescentem. O problema muitas vezes é o preço que se paga. A vida devassada.

José Francisco, que aula que assistiram. O Padre Lino Maia é de uma clareza e percepção da realidade (triste por vezes) que deixou excelentes recados e um testemunho que faz falta ao Partido. Partilho do entusiasmo de que a resposta aos problemas de pobreza e de dificuldades dos portugueses é o nosso Partido, é a Social Democracia. E devemos promover, divulgar e sensibilizar as pessoas para o tremendo trabalho que certas instituições fazem no dia-a-dia, como a Igreja!

Minha cara Isabel, muito obrigado pelo teu contributo e pelos números que nos deixaste. A morte de cancro é cada vez mais presente em todos nós, infelizmente, são poucos os que não conhecem ou até mesmo não convivem com estas doenças. É preciso uma força tremenda para apoiar e resistir. E como te compreendo nas palavras que deixas sobre a Dra. Leonor Beleza. Que pessoa sensível e extraordinária que é. Que falta faz ao nosso Partido.


De Sara a 2 de Setembro de 2010 às 14:43
Obrigada a todos mas em especial ao Zé Francisco a quem mando um beijinho especial.


De David Soeiro a 2 de Setembro de 2010 às 18:57
"Com Dr. António Carrapatoso, vimos um verdadeiro programa de Governo concentrado em avivar a economia portuguesa..."


Azar não ser nas finanças, pois os contribuintes talvez tivessem a sorte que este senhor teve de escapar ao fisco em mais de 700.000 euros...


De David Soeiro a 3 de Setembro de 2010 às 00:46
"...António Carrapotoso foi mais uma confirmação de que estamos perante um valor de enorme qualidade que ficaria muito bem num futuro Governo do PSD."


É melhor continuar na Vodafone, pois o seu currículo moral e de honestidade perante o fisco só poderá prejudicar o PSD.

|

De Essi Silva a 3 de Setembro de 2010 às 22:35
Bem, tendo em conta que por causa de 5 cêntimos, que deveriam ter prescrito e que foi provado que foram pagos ao fisco, a idoneidade moral e de honestidade de conhecidos meus foi posta em causa pelas Finanças, graças a Deus que na Justiça existe a figura de arguido.

By the way, ele provou que a dívida tinha sido paga e o fisco deu-lhe razão. Ora vejamos: http://dn.sapo.pt/inicio/interior.aspx?content_id=637806

|

De Isabel Capoulas a 3 de Setembro de 2010 às 10:27
Obrigada pelo comentário Diogo! Beijinho


De Madalena Nogueira dos Santos a 3 de Setembro de 2010 às 11:46
Pois bem, que não tenha o currículo mais apropriado para o associar àquilo que desrespeitou. Porém, há que reconhecer que bem conhece e bem estudou o assunto.
Mais, se o que dizes se confirma, é mais uma prova disso.
Esse mau uso não está correcto, claramente. Mas aprender os pontos de vistas objectivos que ele transmitiu não faz mal a ninguém ;)


De David Soeiro a 3 de Setembro de 2010 às 15:05
Esperemos que não tenhamos que dizer em Portugal aquilo que se diz no Brasil: ele rouba mas faz...


De Madalena Nogueira dos Santos a 3 de Setembro de 2010 às 17:00
Não me referia ao "faz", mas sim ao "estuda".


Comentar post

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.