Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

A Mesquita da Infâmia ?

Miguel Nunes Silva, 16.08.10

 

 

A 'Cordoba Initiative' é um projecto de alargamento de um centro cultural islâmico no quarteirão do 'Ground Zero' em Nova Iorque. Entre as novas instalações estará uma mesquita que será independente do centro cultural.

 

Nos EUA instalou-se a polémica total com republicanos e democratas, conservadores e liberais em grave divergência sobre o assunto. A polémica tem polarizado os dois lados da questão: uns acreditam no absoluto constitucional da liberdade religiosa e defendem com unhas e dentes a construção da mesquita, outros acreditam ser uma afronta às famílias das 3000 vítimas do 11/9 e à América.

Fareed Zakaria, editor da Newsweek autor conceituado e apresentador de um programa na CNN, decidiu devolver um prémio que havia recebido da Anti-Difamation League em protesto pela posição da ADL - uma organização de protecção das liberdades cívicas - contra o projecto.

 

As mais altas personalidades políticas têm vindo a público expressar opiniões sobre o assunto, desde Sarah Palin ou Michael Bloomberg até ao Presidente Obama.

 

Se é verdade que nenhuma lei proíbe o controverso projecto e que as liberdades cívicas se devem defender a todo custo, não é verdade também que ele será altamente contra-producente para a tolerância religiosa nos EUA?

 

Dennis Miller, um artista Americano, escreveu há dias no Twitter: 'That Muslims can build a mosque at the WTC tells you everything about America. That they WILL build it, tells you everything about Islam'

6 comentários

  • Imagem de perfil

    Miguel Nunes Silva 16.08.2010

    O problema José, é que tu e muitas pessoas estão a tentar encontrar uma justificação lógica, e não deviam.

    O Islão ficou conotado com terrorismo por culpa própria. Claro que há terroristas de outras denominações mas o problema é que um número desproporcional deles é muçulmano.

    Isto tem muito a ver com o facto de as sociedades islâmicas serem bastante intolerantes por terem sido atiradas das trevas para a pós-modernidade da globalização.

    Independentemente das muitas explicações sociológicas, o Zé e o Joe não são académicos e não se interessam nem têm tempo para compreender todas as nuances.
    Nem nos iludamos a pensar que se alguém se armar em professor e lhes tentar explicar, que eles estejam dispostos a ouvir.
    A verdade é que o público Americano é islamófobo - e a Europa vai pelo mesmo caminho. É uma verdade incontestável.

    Tendo isto em mente, a questão é se é uma boa ideia avançar com o projecto. Qual é a consequência da construção da mesquita? Torna os Americanos - que já são islamófobos e paranoicos anti-governo - mais ou menos tolerantes.

    A resposta é só uma: se a mesquita for em frente, ela exacerbará os ânimos.

    Daí que eu apele a que se olhe para além do racionalismo iluminado. Não é uma questão de direito, não é uma questão de lógica. É uma questão de senso comum.
    Por muito que não gostemos, uma mesquita naquele sítio vai mexer com as sensibilidades das pessoas.
    Na minha humilde opinião, se se pode contruir noutro sítio, para quê insistir?

    Penso que a tolerância ecuménica seria mais bem servida se o projecto não avançasse.
  • Sem imagem de perfil

    José Pedro Salgado 16.08.2010

    Bem, antes de mais Miguel, lamento mas não posso aceitar as tuas premissas.

    Dizer que "o Islão" tem culpa de ficar conotado com terrorismo parece-me uma generalização descabida:

    - em primeiro lugar, personificas toda uma cultura, qual Leviatã, como se fosse dotada de algum género de autonomia: "o Islão" não faz nada, não expressa autonomamente a sua vontade independentemente de pessoas, passadas, contemporâneas e futuras;

    - em segundo lugar, ao falares do "Islão", reduzes toda essa cultura incrivelmente variada dividida e complexa e os grupos que a constituem a uma unidade indivisível: o que pode resultar academicamente, mas me parece uma base muito perigosa para se falar de seres humanos;

    Também não posso concordar contigo que exista necessariamente uma diferença assim tão significativa entre a quantidade de terroristas que são muçulmanos e os que não são. Aliás, a questão quanto a mim até se deveria colocar num âmbito mais geral das pessoas que justificam violência ou mal aos outros com a sua religião, ou com algum género de mandato divino.
    De uma forma ou de outra, acho que podes concordar comigo que não há números fiáveis nem de uns nem de outros, e que o máximo que podemos dizer é que os extremistas islâmicos têm, hoje em dia, maior atenção. Por isso podemos dizer que são mais eficazes no objectivo de espalhar o terror.
    De qualquer forma, mesmo se a maioria das pessoas violentas do mundo fossem muçulmanas, isso não é significativo. Relembro-te o meu exemplo dos homens. O facto de duas características humanas aparecerem muitas vezes em comum (violência e outra) pode ser indicativo, pode ser um indício, mas não indica causalidade. E mesmo como indício, teria de se esforçar muito para superar um indício mais forte do contrário, que é o facto de a maioria dos muçulmanos não ser violenta.

    Já que algumas sociedades islâmicas são caracterizadas por serem intolerantes, estamos de acordo. Só não concordo com a razão que apontas, porque existem bastantes sociedades com diversos fenómenos de intolerância que não foram “tiradas das trevas para a pós-modernidade da globalização”.

    Quanto ao resto do teu texto, adoptas uma postura que, para alguém como eu, se torna contraditória. Isto porque, por um lado, o que estás a dizer é verdade. Existem pessoas que preferem morrer a pensar, e muitas vezes são essas opiniões que sobressaem, não só porque são extremas, mas também porque estão de acordo com a “mob mentality” – já não sei quem era que dizia que nenhum de nós é tão estúpido como todos nós.
    O que isto tem de contraditório é que, por um lado, não está necessariamente errado. O que estás a fazer é reduzir todas as pessoa na rua ao menor denominador comum no qual baseias as tuas conclusões sobre as acções a tomar. E isto é aquilo que qualquer bom comentador político deve fazer: reflectir as opiniões através de um mecanismo intelectual que está ligado ao pulso da sociedade. Ser um pouco o grilo falante da classe política, se quiseres. Por outro lado, tens o problema de seres um decisor que tem de fazer escolhas não tendo somente em conta o que é a escolha da maioria (o menor denominador comum), mas também tendo em conta o que é melhor para o todo, inclusive aqueles que estão contra os Zés e Joes da maioria que, por serem muitos, não têm necessariamente razão.

    E, antes que me chamem anti-democrático e fáscizoide, deixem-me lembrar-vos que a definição de democracia é o governo da maioria tendo em conta os interesses da minoria – hoje em dia assegurada pela vertente representativa. Aquilo que eu não defendo é a ditadura da maioria.
  • Imagem de perfil

    Miguel Nunes Silva 17.08.2010

    1 - 'Dizer que "o Islão" tem culpa de ficar conotado com terrorismo parece-me uma generalização descabida'

    É tão descabida como os Europeus ficarem conotados com imperialismo...

    2 - '"o Islão" não faz nada, não expressa autonomamente a sua vontade (...)'

    Sim e não. É verdade que não é um compacto monolitico mas também é verdade que todos os países islâmicos partilham uma mesma moral e preconceitos. A homofobia por exemplo é latente em TODOS os países islâmicos de uma maneira que não é em todos os países cristãos.
    Na ONU - para dar um outro exemplo - os países islâmicos votam em bloco (e são 60) em tudo o que envolva Israel.

    3 - 'reduzes toda essa cultura incrivelmente variada dividida e complexa e os grupos que a constituem a uma unidade indivisível'

    Sim bom, a caixa de comentários do blog não é propriamente o sitio mais adequado a nuances cientificas.

    Reduzo se se justifica. Como todos os países islâmicos demonstram preconceitos específicos, não vale a pena ignorar a característica que os une: e que não é económica, nem étnica, nem geográfica mas sim cultural...


    4 - 'De uma forma ou de outra, acho que podes concordar comigo que não há números fiáveis nem de uns nem de outros, e que o máximo que podemos dizer é que os extremistas islâmicos têm, hoje em dia, maior atenção'

    Estava a concordar com tudo até chegar a este ponto.

    Lamento mas não é verdade José. Tu encontras muitos terroristas internos mas em termos de terrorismo internacional, o terrorismo islâmico é o principal. Não vês terroristas cristãos, comunistas, etc a andar pelo mundo e a fazer explodir pessoas.

    Não é - eu lamento informar-te - uma questão de atenção mediática. São os números brutos que falam.

    5 - 'E mesmo como indício, teria de se esforçar muito para superar um indício mais forte do contrário, que é o facto de a maioria dos muçulmanos não ser violenta.'

    Ai o politicamente correcto...

    José, o problema do Islão não é esse. É ÓBVIO que nem todos os muçulmanos são violentos. É ÓBVIO que apenas uma minoria muito pequena se radicaliza ao ponto de matar.
    Mas o problema é que nós os ocidentais temos a mania da tolerância e na precipitação de apelarmos à tolerância e evitarmos um choque de civilizações depois do 11/9, comparámos o Islão à Cristandade ao dizermos: os maus são uma minoria, os bons são a maioria.

    Tomara que a questão fosse assim tão simples. Na verdade, as sociedades islâmicas são muito intolerantes. Muito poucos seguem Bin Laden mas muitos aprovam a moralidade das suas acções.

    José, pessoas como tu têm que se perguntar de onde é que vêm os problemas do Islão com o mundo. Eu tentei entrar nessa temática problemática no post em que te respondi. Tu não podes esperar racionalismo objectivo ou tolerância religiosa de uma civilização que não passou pela Reforma ou pelo Iluminismo (espero que não vás depois dizer-me que o Islão já foi tolerante no passado. mas se o fizeres eu explico as coisas mais a fundo) e isto não sou eu a defender que o devem fazer mas simplesmente a explicar porque há SÉRIOS PROBLEMAS de coexistência entre o Islão e o resto do mundo.
    Mas que os há, há e não devemos escondê-los simplesmente porque é politicamente incorrecto discriminar contra outras culturas.

  • Sem imagem de perfil

    José Pedro Salgado 17.08.2010

    1 - Há tão somente a pequena diferença de o "imperialismo" ter sido uma acção largamente apoiada por Estados. Mas, se quiseres dizer que se chegam a certos exageros pelo complexo de culpa pós-colonial, estou de acordo.

    2 - Aqui estás, na verdade a responder-me ao 3. O que eu estava a dizer é que o Islão não é autónomo. Não se desliga das pessoas o constituem. Isto é importante para impedir uma 'demonização' do Islão: tem os defeitos das pessoas que o constituem.

    3 - Mas a questão também passa pela perspectiva que essas pequenas nuances permitem. Só o facto de permitirem que não se olhem para o Islão como um bloco indivisível já ajuda a acabar com a perspectiva dos 'maus' fazerem parte de um bloco indivisível. Sobretudo, ajuda-nos a afastar a mentalidade de uma perspectiva de 'nós contra eles'.

    4 - Ah, mas eu não duvido que em termos de terrorismo internacional, os extremistas islâmicos estejam na vanguarda, mas isso não predispõe o Islão particularmente para o terrorismo - quando muito para uma espécie de terrorismo. Mas se existem números que provam isso, gostaria de vê-los (e não é um desafio, gostaria mesmo de vê-los porque não conheço).

    5 - Não se trata de politicamente correcto. Acredita que eu abomino o politicamente correcto e os sentimentos de culpa liberal/pós-colonialista injustificados tanto como qualquer pessoa. Eu não espero "racionalismo objectivo ou tolerância religiosa de uma civilização que não passou pela Reforma ou pelo Iluminismo" tal como não espero das que por eles passaram, porque, mais uma vez, as civilizações são feitas de pessoas, e as pessoas não são, por natureza, racionais ou tolerantes.

    O que eu não concordo é com esse argumento que pareces querer fazer de 'olho por olho' - nós não temos de ser tolerantes com eles porque eles não o são connosco. Eu diria que não temos de ser tolerantes com ninguém, mas que a tolerância não se pode basear numa perspectiva reaccionária. Nós devemos ser tolerantes com outras culturas porque acreditamos na mais-valia dessa tolerância, porque (e se) acreditamos que o mundo está melhor com uma cultura rica e variada, e porque achamos que a outra civilização tem tanto direito a existir quanto a minha.

    Eu concordo que existem problemas de convivência entre o Islão e o resto do mundo, e acho que os devemos enfrentar como eles são. Já estudei lei islâmica e tenho bem a noção da extensão da questão, e do motivo porque essas sociedades ficaram ontologicamente congeladas no tempo. O que eu acho é que existe uma política que nos permite lidar com isso sem fazermos de princípio que temos de lutar fogo com fogo.
  • Imagem de perfil

    Miguel Nunes Silva 17.08.2010

    1 - E no Islão existe a da'wa - proselitismo - que nem sempre tem sido pacificamente executada.

    Estado ou não, é irrelevante. Eu estou a falar de culturas e sociedades.

    2 - Sem tirar nem pôr.

    3 - Negar que existe um 'nós' e um 'eles', é negar a realidade.

    Aceito e compreendo que se apele à não discriminação, mas até acho falta de respeito não reconhecer as diferenças.

    Elas existem para o bem e para o mal. No caso das sociedades cosmopolitas e tolerantes, o Islão é diferente.

    Acho que estás constantemente a levar o politicamente correcto ao extremo, para não incorreres no pecado cívico ocidental da discriminação racial ou xenófoba.

    Não sejas tão paranóico José. Há amplo espaço para se reconhecerem diferenças objectivas sem se ser hostil para com outrém.

    4 - Não é o Islão por si só. Para mim é a sociedade islâmica e por razões históricas, culturais e até geográficas.

    Por exemplo: o facto de não haver tradição de estado-nação no mundo Árabe, possibilita muito mais movimentos beligerantes transnacionais.

    5 - 'O que eu não concordo é com esse argumento que pareces querer fazer de 'olho por olho''

    Eu?! Muito pelo contrário. Se assim fosse eu seria a favor da proibição das mesquitas como um todo. Aquilo que critico é a mesquita do WTC e nem nesse caso defendo qualquer tipo de proibição.

    Sim devemos ser tolerantes para com as outras culturas mas também temos direito aos nossos traumas.

    Se realmente pensas que advogo sermos tão intolerantes quanto eles, então é porque não compreendeste de todo, o meu raciocínio.

  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.