Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

Tango só em Buenos Aires! - II

Essi Silva, 14.07.10

 

Não é deputado, mas dá umas dicas

 

Passos Coelho não é deputado. E como tal, não poderá participar no debate sobre o Estado da Nação desta Quinta-feira.

Mas não é isso que o impede de apontar os principais problemas estruturais que devem ser reflectidos, já que consistem na:

 

1. Degradação das funções de soberania - a falta de isenção no que toca à Justiça e Segurança, por exemplo.

2. Desemprego estrutural - Porque o Estado que nos tem governado tem falhado "nas políticas de qualificação, pela falta de flexibilidade no sistema económico, as políticas de mau investimento público e fraco investimento privado e de baixo retorno"

3. Pobreza endémica - graças à esquizofrenia de subsidiar tudo e todos de forma igual

4. Dívida pública e externa no limiar da insustentabilidade - por causa de uma certa "esperteza saloia"

5. Falta de consistência estratégica nas apostas externas - porque é preciso pensar mais a longo prazo que a curto.

 

 

São boas contribuições. Mas até Soares dos Santos afirmou, que a nossa maior dificuldade, é a falta de credibilidade dos políticos e dos órgãos de soberania.

E portanto qualquer mudança implica que mais que aparência, vejamos o projecto realizado e viável. Estamos fartos de promessas. Queremos acção.

 

Orgulhosamente sós

 

Querem distância? Assim a têm! «Bastaram os resultados das políticas que adoptámos para ouvirmos responsáveis do Governo a regressarem há nove meses atrás. Eis que agora já não precisam de ninguém, nem de Bruxelas, nem dos outros países da UE, nem do PSD»

Passos Coelho aprendeu que não se pode dar a mão ao Governo, porque este não quer partilhar nem o poder, nem os louros.

 

Acho irónico Francisco Assis ter desvalorizado a suposta "ameaça" do líder do PSD. Afinal de contas, quem não o faria, quando se está convencido que mesmo com um icebergue à frente, o barco não vai ao fundo?

 

Numa conclusão breve: Vi um líder do PSD que quer levar o PSD às urnas por achar que é uma solução melhor que a socialista. Vi que a lição que Mário Soares nos dera, se repetiu e nos relembrou porque é que não confio em socialistas, mas que PPC pareceu reter a lição. E acima de tudo, vi um líder que quer liderar um país e se distanciará da asfixia pela qual o Governo socialista nos está a fazer passar.

É isto que espero de Passos Coelho. E é isto que quero que passe das palavras ao papel e do papel à realidade.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Diogo Agostinho 15.07.2010

    Caro Rui,

    Lamento que considere jocoso o comentário de que a Argentina, País onde fica a cidade mencionada no título do post e para onde nos mandam dançar o Tango, tenha avançado com o casamento homossexual.

    A meu ver faria mais sentido comentar que teria sido uma tirada ao lado. Mas jocosa? Respeito a sua opinião.

    No que diz respeito aos ataques do Blog a Passos Coelho. Devo dizer-lhe que tenho visto críticas e elogios. Que este blog não se mova contra ninguém, nem se junta a favor de outro algúem. Não alimentamos memórias nem de Manuela Ferreira Leite nem de outro qualquer político.

    No que diz respeito ao estratego máximo, devo informar-lhe que por estas bandas a estratégia é muito clara: Liberdade e Debate de ideias. É a nossa grande estratégia e cada um usa como entende.

    Mas agradeço a visão e comentários, esta casa também é sua caro Rui.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.