Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

Diz Miranda Calha: paralisar o TGV é suspender Portugal

Paulo Colaço, 14.09.09

Este dirigente do PS, tão cego a defender o chefe, proferiu a maior barbaridade política desde que Almeida Santos tentou justificar a recusa da margem sul como localização do novo Aeroporto de Lisboa.

 
O PS quer o TGV mas nada fez para diminuir os problemas de interioridade.
O PS quer TGV, mas a ligação entre as duas maiores cidades portuguesas cessa à uma da manhã (expressos ou comboios).
O PS quer TGV mas há serviços férreos a fechar por ruína nas linhas.
 
Eu sonho com um País que não tem de parar apenas porque escurece, sonho com um País com bancos abertos às 4 da manhã ou expressos non-stop entre Lisboa e Porto.
 
São formas de manter a economia a rolar, pessoas a trabalhar, mercadorias a circular. Formas de manter o País vivo.
 
Suspender Portugal é não ver que há duas velocidades neste País: a de Lisboa (e talvez Porto) e a de Portalegre, onde quem lá quer ir ao fim-de-semana em transportes públicos tem de fazer uma jigajoga das antigas.
 
O PS pensa em TGV porque alguém lhe deu ordem para isso. Se pensasse em Portugal, suspendia (isso sim) o seu governo.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.