Sexta-feira, 3 de Abril de 2009
Mas é que não deixam o homem em paz! IRRA!

A empresa da mãe do primeiro-ministro, que está a ser investigada no âmbito do Freeport, surge envolvida num processo de corrupção na Câmara da Amadora, o qual abarca outras figuras relevantes do PS.

A equipa que está a investigar o caso Freeport suspeita que José Paulo Bernardo Pinto de Sousa, primo do primeiro-ministro, possa ser o parente que o arguido Charles Smith acusa de ter sido o receptor das ‘luvas’ alegadamente entregues a Sócrates para conseguir o licenciamento do projecto de Alcochete.

José Paulo Bernardo está também referenciado num outro processo, que desde 2001 corre no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), onde se investigam indícios de tráfico de influências, corrupção, financiamento a partidos e branqueamento de capitais, e que tem como figura principal o actual presidente da Câmara da Amadora, Joaquim Raposo.(...)

http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Sociedade/Interior.aspx?content_id=131046

 



uma psicose de jfd às 17:40
link directo | psicomentar

15 comentários:
De Nélson Faria a 3 de Abril de 2009 às 18:54
Não se compreende toda esta obsessão pela família Sousa Pinto.


De Luis Melo a 4 de Abril de 2009 às 18:14
Sócrates finalmente prometeu, e cumpriu. É verdade, para espanto de muitos… Sócrates tinha ameaçado com processos os jornalistas que escreveram sobre o Freeport, e cumpriu. Depois das pressões ao MP aqui está a pressão à imprensa.

João Miguel Tavares, colunista do Diário de Notícias, foi processado pelo primeiro-ministro por ter escrito: “Ver José Sócrates apelar à moral na política é tão convincente quanto a defesa da monogamia por parte de Cicciolina”.

João Miguel Tavares respondeu com nível: “Agradeço a atenção que o senhor primeiro-ministro me dedicou de que não me acho merecedor”.

E o artigo de Fernanda Câncio sobre pressões? Ridículo. Será que a senhora não vê, que na posição em que está, não devia falar destas coisas? Por mais que seja bem intencionada, será sempre vista como sendo parcial. E portanto, assim sendo, não tem os resultados que a própria deseja. Será que a senhora é tão ceguinha que não vê isto?


De Paulo Colaço a 5 de Abril de 2009 às 00:37
Jorge, jorge: apenas coincidências!
O facto de "toda a gente" que rodeia Sócrates estar a ser alvo de suspeita jornalística (mãe, tio, primo) é apenas uma enorme coincidência...
certo?

|

De jfd a 5 de Abril de 2009 às 09:54
Claro! É a aura do senhor! :) Atrai este tipo de atenção!

| |

De Paulo Colaço a 5 de Abril de 2009 às 10:29
raio de sina...

|

De Anónimo a 6 de Abril de 2009 às 00:21
A semana foi marcada pela evolução no Caso Freeport, não só os que pretendem linchar Sócrates na praça pública mudaram de estratégia, como Manuela Ferreira Leite, Jerónimo de Sousa e Louça parecem ter achado ser a altura de mudar o discurso. A mais afoita foi Manuela Ferreira Leite que achou oportuno lançar uma proposta que condena o enriquecimento ilícito, desenterrando uma velha proposta, ainda mais velha do que a da privatização da Segurança Social. Parece que as pressões, intimidações e insinuações avulsas do senhor Palma levaram o senhor Jerónimo de Sousa e Louça a mudar de posição, talvez porque sentirão grandes afinidades com o magistrado do sindicato.

De qualquer das formas Sócrates deve ter gostado da evolução, se os que aparentam estar dentro do processo aproveitaram uma conversa de café para lançar um grande espalhafato em torno de supostas insinuações é porque o que sabem não dá para incriminar Sócrates pela via judicial, resta-lhes recorrer a golpes menores golpes menores. A estratégia até prece boa, mas revela pouca inteligência, evidencia que alguns dos nossos sacerdotes e justiceiros das magistratura não só não têm provas como ainda confiam menos na justiça que fazem do que os muitos portugueses que são vítimas da sua incompetência.

A partir de agora os magistrados terão ter muito cuidado com os almoços que combinam ou com o que dizem à mesa, deverão abster-se de comentar qualquer assunto público e muito menos qualquer processo. Correm o risco de um dos comensais ou alguém que estava na mesa ao lado ir contar o que ouviu ao senhor Palma. Horas depois está tudo na comunicação social e entregue o competente pedido de audiência ao Presidente da República, que raramente vê o Jerónimo de Sousa mas passa a vida a aturar os seus emissários.

Se no caso Freeport todos sabemos tudo e mais alguma coisa, até as conversas de café dos magistrados, já no caso BPN parece que os segredos estão bem guardados ou. o que é mais provável, parece há menos gente interessada em que os podres da elite do PSD cavaquista venham a público, nem o senhor Palma sabe o que dizem os magistrados durante os seus almoços. Os segredos do BPN estão tão bem guardados que ninguém sabia das actas das reuniões da Sociedade Lusa de Negócios, veio depois a saber-se que um cuidadoso Rui Machete as tinha guardado na Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento. Por este andar as actas dos congressos do PSD ainda vão parar aos cofres dói Atlético!

Bem, aqui fica a sugestão aos magistrados do Ministério Público, quando não quiserem que as suas conversas venham a público vão almoçar à Fundação Luso-Americana ou então falem do BPN porque nesse processo ninguém está interessado.

|

De Nélson Faria a 6 de Abril de 2009 às 11:51
Eu acho que deviamos dar a mesma atenção ao caso Freeport que damos ao BPN: inquérito parlamentar JÁ!

Mas acho que o PS não quer

|

De Guilherme Diaz-Bérrio a 6 de Abril de 2009 às 14:46
Embora, caro anónimo, julgo que se está a esquecer de um pequeno pormenor:
No caso da FLAD e no caso do BPN não está envolvido o nome do Primeiro-Ministro eleito com maioria absoluta da República Portuguesa!.

Por mim, julgue-se tudo! Doa a quem doer, caia que tem de cair! Se cair uma geração, temos pena... esta "paz podre" já começa a tresandar!

Agora, o que não podemos continuar a ter é um Primeiro-Ministro sobre o qual recaem suspeitas de corrupção! Alias, o melhor que ele tinha a fazer era dizer: resolvam isso rapidamente, proponho-me como arguido e agora, esclareçam rapidamente o assunto para poder ir a eleições. Não é a processar comentadores, jornalistas e jornais/televisões enquanto se diz vitima que "campanhas negras" que lá vai!


De Anónimo a 6 de Abril de 2009 às 15:34
É claro que não está envolvido o PM, mas está envolvido um conselheiro da primeira figura do estado. E isso também é grave...

|

De jfd a 6 de Abril de 2009 às 15:36
Já dissertamos imenso sobre isso aqui no blog.
Não me recordo de ver o anónimo opinar sobre isso.

PALHAÇO.

|

De Anónimo a 6 de Abril de 2009 às 16:09
jfd

os palhaços só tem piada quando em parelha. Já só faltas tu para sermos uma parelha.


De Anónimo a 6 de Abril de 2009 às 16:11
jfd

Ou é impressão minha ou doeu-te a ferida


De Anónimo a 6 de Abril de 2009 às 16:30
O anónimo não dissertou sobre o assunto pois só ontem caiu de paraquedas neste sítio que não conhecia, mas depois de ler alguma coisa, já deu para perceber as intenções dos residentes.
Contra o PS, marchaaaaar, marchaaaar.

|

De Paulo Colaço a 6 de Abril de 2009 às 16:47
Nesta matéria, caro anónimo, não se marcha contra o PS: marcha-se a favor da seriedade que o Estado impõe a quem o administra.

|

De jfd a 6 de Abril de 2009 às 16:48
Então tens desculpa, se é que é verdade.
Vai lá ler e depois falamos.
Se fizeres uma quote do que eu já disse sobre o assunto, tens pontos extra!


Comentar post

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.