Domingo, 15 de Julho de 2007
Vai trabalhar, malandro!

"Uma funcionária pública, Maria do Carmo Rocha, auxiliar de acção educativa na Escola Secundária Augusto Gomes, em Matosinhos, a quem foi diagnosticado quatro tumores foi obrigada a regressar ao trabalho, ou melhor, a permanecer esticada numa cama, durante um mês, dentro de um gabinete na própria escola." in JN

A polémica em torno das juntas médicas parece não ter terminado. Aos 6 casos já divulgados pela comunicação social, veio-se juntar mais este que revela o estado em que o nosso país mergulhou.

Face a tudo isto e depois de uma recomendação do provedor de justiça, as juntas médicas (só agora!) passarão a ser constituídas apenas por médicos!! Até agora, as juntas médicas eram constítuídas por dois médicos e presididas por um director de serviços.

E a pergunta que coloco é a seguinte: era necessária a intervenção de Nascimento Rodrigues? Ou o autismo deste governo não lhe permite assimilar questões tão elementares como a dignidade da pessoa humana?


uma psicose de Margarida Balseiro Lopes às 16:39
link directo

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.