Terça-feira, 25 de Novembro de 2008
Northern Rock, versão tuga

Muitos portugueses estão neste momento a pensar o que é se passa com o Banco Privado Português (BPP), quais as semelhanças com o Banco Português de Negócios (BPN) e porque é que o Estado vai deixar o primeiro falhar, quando não deixou o segundo.
Note-se o seguinte, antes de mais: não são casos iguais! Muito pelo contrário. No BPN existiu fraude. Essa fraude causou um buraco de 700 mil milhões de euros, à altura da nacionalização. O BPP tem outro problema, nomeadamente a estrutura do seu balanço e foi a mesma coisa que já levou ao fundo vários bancos, entre os quais, o Northern Rock, no Reino Unido. Vou tentar ser o menos técnico possível a descodificar este “Northern Rock português”.
 
O que se passa é muito simples. O BPP tem um balanço total de quase 1,7 mil milhões de euros em activos. A suportar esses activos estão pouco menos de 200 milhões de euros de capital próprio. [Note-se que estou a usar os dados do primeiro semestre, pois decerto que a posição do banco hoje é pior]. Ou seja, por cada 10 euros detidos, 9 são de fontes externas. Nem é assim tão preocupante, não fosse um pequeno problema: o BPP não tem uma base de depósitos grande para se financiar. Apenas 3,8 euros, por cada 10 euros detidos, vêm de depósitos. O resto vem de empréstimos, muito provavelmente do mercado interbancário, ou seja: dívida de curto prazo. Ora, aqui reside um problema enorme: este mercado está parado em vários sectores e países (por exemplo, EUA e Reino Unido). Portugal não é excepção. O negócio costumava ser: pede empréstimo inferior a um ano, no mercado interbancário, para investir em activos de longo prazo, normalmente com risco. Ao fim de um ano, pede outro empréstimo, paga o primeiro com o segundo, e continua em jogo. Chama-se a isto fazer o “Rollover da dívida”. O grande risco é se o apetite do mercado por este tipo de empréstimos acaba. Ai, não é possível “rolar” a dívida, e tem de se vender activos para pagar ou assumir um rombo.
Infelizmente, os problemas não terminam aqui! O BPP não era um banco no sentido tradicional do termo. Eram mais um fundo de investimento (Hedge Fund, para ser honesto) que tinha uma licença bancária em Portugal. E isso vê-se bem no seu balanço: 950 mil milhões de crédito a clientes. Crédito normal? Não! O mais provável é: o cliente coloca um depósito de n euros, o banco concede um crédito para alavancar a posição, coloca o dinheiro na gestora de património, que está fora do balanço, e investe o dinheiro. Isto significa maiores ganhos para o banco e para os clientes em tempos bons. É também uma óptima receita para a bancarrota em tempos maus. Bastaria que, hipoteticamente, tivessem perdido 10% dos investimentos que fizeram para perder metade do capital próprio! Os mercados já perderam bem mais de 10%...
 
O mais provável é terem investido em activos de elevado risco (estou a pensar obrigações sobre hipotecas) e agora o Banco Central Europeu não as aceita para troca de liquidez, por serem... lixo! Daí a necessidade do aval do Estado: só com o Estado a dizer que se o BPP não pagar paga ele, é que o mercado financia o BPP. Contas redondas do vosso psico-convidado: o BPP deve ter perdido um terço do seu investimento (daqueles 950 milhões de euros). A única maneira de sobreviver a um choque destes seria fazer o dito “roll over da dívida” e aguentar a tempestade na esperança de que os investimentos recuperem. Na ausência disso, tem de vender activos ao preço actual, assumir as perdas e, no processo, ficar sem capital. Basicamente, andaram a brincar aos especuladores, e agora estão a observar o outro lado da medalha: a coisa tem riscos!
 
Deve ser salvo? Não! Não é um risco sistémico, na medida em que o desfazer das suas posições não representa um choque para o mercado. O único risco que poderá haver é destabilizar o mercado interbancário local português, onde os pequenos bancos normalmente se financiam. Depende do volume de transacções, mas como tudo em Portugal, esse mercado é tudo menos transparente. Competirá ao Banco de Portugal, no limite, gerir a liquidez para minimizar o impacto.
Quanto às semelhanças com o BPN, elas acabam nas primeiras duas letras! Não há! O BPN foi fraude, e ainda hoje estão para me explicar o porquê da nacionalização. Não havia risco para o sistema, os depositantes tinham a garantia do Estado até 50 mil euros de depósito. Foi puro aproveitamento político da situação. O que me leva a questionar a política do Terreiro do Paço, ou melhor, a coerência da mesma política! Parece-me que estão a fazer decisões ad hoc, consoante o banco é ou não um risco, e mais perigoso, consoante o aproveitamento político que podem fazer: no BPN protegeram o comum dos portugueses (que já estava protegido, mas isso não interessa nada ao caso!), no caso do BPP deixaram o grande capital comer as perdas... no mínimo, demagógico!

 

 

Psico-Convidado: Guilherme Diaz-Bérrio



uma psicose de PsicoConvidado às 17:48
link directo

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.