Quinta-feira, 20 de Novembro de 2008
Menino guerreiro is back – parte … desculpem, já perdi a conta!

1.Santana Lopes está de regresso (pelo menos, para os mais ingénuos que alguma vez acreditaram que ele pudesse abandonar a política…). Pois é, o que há bem pouco tempo não passaria de uma mera anedota, capaz de pôr o mais céptico dos homens a esboçar um sorriso de troça e perplexidade, é hoje uma realidade consumada. E note-se que Santana não está de regresso apenas à política – poderá estar de regresso à Câmara Municipal de Lisboa.

 
2. Admito que para a actual direcção do PSD, nomeadamente para Manuela Ferreira Leite, Santana é a personalização de um autêntico pesadelo. Daí o incómodo da líder do PSD em abordar esta temática. Sejamos claros: a candidatura de Santana representa um sapo difícil de engolir na perspectiva da estratégia e pensamento de Ferreira Leite e seus séquitos mais próximos. Com efeito, as marcas características da actual presidente do PSD eram a seriedade, a credibilidade e a relutância à política-espectáculo. Todos nos recordamos do seu papel preponderante na crítica ao (des)governo de Santana. Ora, de repente, a cruzada anti-populista vai ser interrompida e – ironia do destino! – Santana e Ferreira Leite vão estar juntos, lado e lado, a tentar persuadir os eleitores lisboetas. As voltas que o mundo político dá…
 
3. Dir-me-ão que o nome de Santana ainda não foi oficialmente anunciado, que a hesitação de Ferreira Leite indicia um recuo estratégico. Nada disto me convence. Como se explicaria, então, que Santana deixasse de denunciar os esquemas concertados entre o Presidente Cavaco e a direcção do PSD para passar a elogiar efusivamente as virtudes de Ferreira leite, no seu espaço de opinião no SOL? Mudou de posição após reflexão profunda e esclarecida? Se fosse outra pessoa em causa, ainda poderia acreditar – com Santana, tais argumentos são pura música celestial. Desiludam-se aqueles que ainda acreditam que Passos Coelho, Morais Sarmento ou qualquer outro militante do PSD pode ser o escolhido: Lisboa é mesmo para o menino guerreiro.
 
4. Dito isto, devo acrescentar que acredito que Santana poderá vencer a maior câmara do país. De facto, os portugueses, de norte a sul, gostam sempre da redenção, do arrependimento – e Santana tem aparecido com um perfil completamente distinto, a criticar a vida social (acreditamos?), a fazer a apologia do lar, doce lar, a garantir que ficará em Lisboa até ao fim do mandato (os Lisboetas acreditam?). Por outro lado, António Costa tem pautado o seu mandato pela inércia, pela passividade. Nada de novo se fez, tudo se manteve. Assim, Santana poderá ser encarado, com as suas virtudes oratórias e de contacto com os eleitores, como uma nova fase, uma nova dinâmica para Lisboa. E se António Costa cometer o pecado capital de desvalorizar e ignorar Santana na campanha, ridicularizando-o, dando oportunidade a que este se vitimize (o que sabe fazer com mestria), então aí Santana tem a eleição garantida.
 
Veremos o que se irá passar em 2009. Advirto desde já que qualquer semelhança com Dezembro de 2001 será pura coincidência…
 
Psico-Convidado:
João Esteves


uma psicose de PsicoConvidado às 03:13
link directo

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.