Domingo, 21 de Setembro de 2008
Do que a JS precisa...

Sobre o casamento entre homossexuais.

 

-A JS critica a imposição da direcção da bancada socialista de chumbar as propostas do BE e dos Verdes, que permitiriam o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

 

-Também assegura que quer a consagração do instituto do casamento alargado aos casais gays, porque diz tratar-se de uma questão de direitos fundamentais. A tal Igualdade.

 

-Acrescenta ainda que o facto de a proposta do casamento entre pessoas do mesmo sexo “não estar inscrita no programa [eleitoral] do PS de 2005 de forma alguma justifica um voto contra” às propostas do BE e do PS.

 

-A mesma JS critica também o Bloco de Esquerda e “os Verdes” por terem agendado a discussão dos diplomas sem antes terem assegurado um consenso na Assembleia da República que permitisse a sua aprovação.

 

-E, pasme-se, anuncia desistir de agendar a proposta de legalização do casamento entre homossexuais para esta legislatura.

 

Cada vez mais me orgulho da minha JSD.



uma psicose de Margarida Balseiro Lopes às 19:11
link directo | psicomentar

16 comentários:
De Paulo Colaço a 21 de Setembro de 2008 às 19:25
Medrosos, cobardes, medricas. No fundo, mariquices!

Tanto peito feito para agora fugirem pela esquerda muito baixa...


De Daniel Geraldes a 21 de Setembro de 2008 às 19:43
É so fumaça!!! É só fumaça!!!!

P.S. não podemos ter orgulho nos nossos apenas e devido ao deslize dos outros.


De Margarida Balseiro Lopes a 21 de Setembro de 2008 às 19:53
Claro que não Daniel. Mas este tipo de notícias deixa claro as diferenças que existem entre a JS e a JSD.

Muito mais do que o "D": em muitas matérias, a JSD revelou a sua autonomia e liberdade para manifestar opiniões e tomar posições. E isso, a mim, enche-me de orgulho.


De jfd a 21 de Setembro de 2008 às 20:34
Atenção às alegrias com as desgraças dos outros. A falta de humildade pode-nos vir a dar azia em tempos futuros.


De Paulo Colaço a 21 de Setembro de 2008 às 21:52
Alegria? Desgraças? Humildade? Azia?
Explica-nos, Jorge.


De Luís Nogueira a 21 de Setembro de 2008 às 22:37
A JS é uma pura anedota. Tentam pegar em causas fracturantes para marcar posições, mas depois esquecem-se do que é a coerência ou o valor da palavra dada aos portugueses.

Uma vergonha!!!

Mas também não me admira que a JS tenha este comportamento, que se traduz na ausência clara do cumprimento da palavra. Pois ao fim ao cabo, só se limitam a seguir as práticas do seu secretário-geral do partido. Enfim...


De jfd a 21 de Setembro de 2008 às 22:47
Explicar o quê?

|

De Paulo Colaço a 21 de Setembro de 2008 às 22:51
Não percebi o teu comentário, Jorge.

|

De jfd a 21 de Setembro de 2008 às 23:05
Lamento. Fica para uma explicação ao vivo, recorda-me quando ocorrer,


De Tânia Martins a 21 de Setembro de 2008 às 23:42
À JS falta-lhe coerência, que é uma qualidade que predomina na JSD! Não acho que o tema seja de todo dispensável , até porque vejo necessidade de debater este assunto e de chegar a um consenso rapidamente! Mas a forma como a JS está a lançar o debate, está a ridicularizá-lo, está a tirar-lhe a credibilidade o que acho lamentável!


De João Marques a 21 de Setembro de 2008 às 23:48
Nada de surpreendente, mimetizam na perfeição, como sempre fizeram, as "virtudes" do PS.

A política do "deslarguem-me senão eu fujo" tem destas coisas.


Comentar post

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.