Quinta-feira, 18 de Setembro de 2008
Porque é que eles não descem?

 

 

 

A BP aumentou hoje a gasolina em 1 cêntimo.

 
Quando comparamos o que acontece no mercado nacional com o resto da Europa, verificamos que cerca de 20 países da UE reduziram mais os preços dos combustíveis que Portugal.
 
O secretário-geral da Associação de petrolíferas, José Horta, explicou esta situação à Antena 1, garantindo que " as petrolíferas têm descido os preços,  mas os refinados não seguem sempre o crude. E diz ele, não temos visto descidas tão acentuadas nos refinados como no crude.
 
Com certeza. Mas surgem-me ,pelo menos, duas questões.
 
Se o preço praticado em Portugal é baseado na cotação dos combustíveis no Mercado Internacional, porque é que verificamos que as descidas em Portugal são das menores nos 27 países da União Europeia? 
 
Se a descida da cotação do crude  não influencia de forma linear e simultânea os preços dos combustíveis, porque é que acontece precisamente o contrário no mercado nacional, quando a sua cotação sobe?
 
Numa área que afecta de forma  determinante a vida de todos os portugueses,  porque é que este Governo se revela incapaz de nos garantir de forma clara e transparente que as regras do mercado funcionam?

 

A que interesses é que afinal responde?



uma psicose de Elisabete Oliveira às 15:53
link directo | psicomentar

19 comentários:
De Bruno Ribeiro a 18 de Setembro de 2008 às 17:03
Não te sei responder cara Beta! O que já de si é grave, uma vez que devia dizer-te claramente que o Governo da Nação responde ao interesse de todos os portugueses. Infelizmente, isso não é verdade. Pelo menos na minha opinião!

Neste caso, em relação aos combustíveis, já muito se falou. Depois, como é normal, a situação estabilizou e a histeria desapareceu, voltando tudo - preocupantemente - ao mesmo. ou quase. Agora, os preços voltam a subir e as carteiras voltam a sentir-se ameaçadas...

Numa coisa tens razão: quando é para aumentar a desculpa é sempre a mesma mas essa lógica não funciona no sentido inverso. Quer isto dizer que assistimos a uma mentira descarada por parte de alguém e isso deveria ser punido fortemente num país que pugnasse pelos direitos dos consumidores!


De Guilherme Diaz-Bérrio a 18 de Setembro de 2008 às 17:38
Vira o disco e toca o mesmo... esta discussão dura e dura e dura e dura.
(Para quem não me conhece, sim sou Porco Liberal Capitalista e venho "defender" a Galp... pela 1000000ª vez este ano).

Por amor de Deus, façam contas antes de se atirarem à goela da Galp!

[Disclaimer: este comment vai ser longo mas aguentem um pouco até ao final sff]

Como já referi em diversos comments a posts sobre combustiveis neste blog (e já foram bastantes as “lutas” na caixa de comments) o preço do Crude é uma (singular) de várias (plural) das componentes que entram na “formulação do preço” da gasolina (detesto esta expressão, mas fica aqui para clareza).

No processo de refinação existem vários custos que devem ser tido em conta para produzir um litro de gasolina refinada:
1. Preço da matéria prima – Crude Oil (já cá voltamos daqui a uns momentos)
2. Qualidade da matéria prima, e nesta matéria existem vários tipos de crude:
a) Light Sweet Crude oil, crude com muito baixo teor de enxofre, extremamente facil de refinar e, actualmente, com muito pouca oferta;
b) Heavy Sour Crude oil, crude muito mais “pesado”, com alto teor de enxofre, logo muito mais dificil de refinar. Note-se que 95 por cento do parque refinador MUNDIAL não tem capacidade de refinar este tipo de crude de forma a ter o mesmo custo que o anterior. Note-se também que este tipo de crude é hoje o mais comum. Por exemplo, a maior parte das exportações do Irão – segundo maior produtor da OPEC – são Heavy Sour, não são Light Sweet.
c) “Areias”, que tecnicamente não é crude, pelo que o processo de refinação tem de ser antecedido por um processo de “purificação”. Exemplos são o Canadá e a Planicie do Orinoco, na Venezuela. É um crude “extremamente” ineficiente e caro de explorar - +- 80 USD/barril util.
3. A margem de lucro, conhecida no mercado com “crack spread”:
Neste ponto existe um enorme mito – quanto maior o preço do crude, mais a refinarias ganham. ISTO NÂO È VERDADE! Para uma refinaria, um barril não é fonte de receita mas sim de custo!!!! (se fosse verdade, então a farinha com que o padeiro faz o pão também seria receita, e dúvido muito que essa cole em muitas cabeças). Para aqueles que estão a pensar “AHAH! Mas e os stocks? Galp compra a 100, mas quando refina já vale mais...ganham dinheiro aqui?”, a minha resposta é “efeitos de fluxo de caixa”. Pensem lá um pouco num conceito chamado “custo de reposição”. O dinheiro que ela aparentemente faz nos stocks vai sair quando tiver que “recomprar” stocks para gasolina futura. É um mero efeito de caixa, não é lucro. Por isso é que a taxa Robin Hood não é mais que um pagamento “adiantado” de lucros futuros, e não um “impostos sobre lucros extraordinários”. E já agora, nenhuma petrolifera gosta de ter stocks, ao contrário do que circula por ai.
Pensem lá um pouco comigo: temos uma loja que vende rebuçados e vendemos 100 rebuçados por mês. Por cada rebuçado em armazém temos de pagar custos de 0,10 centimos (mais explicações no ponto 4). Agora digam que razão têm vocês para ter mais de 100 rebuçados por mês em armazém?! Favor substituir rebuçados por barris e percebem o que quero dizer. [E neste ponto, referir que 65% das reservas da Galp são as “Reservas Estratégicas do País”, que a Galp é obrigada por lei a armazenar, pelo que a Galp está a ser taxada por uma “obrigação legal” que nada tem a ver com a sua “normal operação”].
4. Taxas de juro (no que diz respeito a inventários):
Quanto maior a taxa de juro, menor o incentivo para uma empresa – faça ela rebuçados ou gasolina – em manter inventários, dado que maiores taxas de juro aumentam os custos de armazenamento e aumentam as opções que uma petrolifera tem em criar poupança em vez de fazer inventário (que é um custo, by the way!)


De Guilherme Diaz-Bérrio a 18 de Setembro de 2008 às 17:38

5. Preços internacionais de gasolina refinada (NY Harbor Rbob para os EUA, Platts de Amesterdão para a Europa):
O mercado de gasolina é razoavelmente concorrencial (no que diz respeito à refinação) e, dado que é transaccionado em mercados de futuros muito liquidez, altamente arbitrado. Quer isto dizer que vender gasolina a preços mais baratos ou mais caros que a referencia internacional é tarefa próxima do impossivel, e os preços tendem a reflectir tanto a situação de stocks como os preços das refinarias mais “competitivas”. (e não, não é manipulado... o mercado é grande demais para ser movido por um só agente!)

Posto isto, vamos lá a um ponto da situação actual:
Se é verdade que o crude cai dos máximos, – há altura desta escrita transacciona nos 96.50 USD/barril em NY – queda esta fruto da redução dos consumos mundiais em 3 milhões de barris dia no primeiro semestre (no final de 2007, o mundo queria consumir 89 milhões mas a produção está “estagnada” nos 85 à cerca de 3 anos, e por cada 1 milhão de barris de excesso/quebra de procura o preço varia 15 USD/barril – elasticidade preço-procura) – também é verdade que os inventários nos EUA estão em minimos. Quando digo minimos refiro-me a existir falta de gasolina em bombas e já temos senadores a falar em “racionalização” (falo dos EUA porque eles divulgam semanalmente os dados dos stocks de gasolina, crude e gás natural – todos a cair para mínimos históricos de 20/30 anos, mas o panorama europeu é bastante semelhante [se não o fosse, bastava exportar barris de cá para lá e ficar com a diferença, logo os stocks dos dois lados do Atlantico tendem a ser iguais]).
Também note-se, que devido a alguns custos acima, as margens de lucro (“crack spread”) tem sido durante grande parte dos últimos 12 meses negativa. Sim, as refinarias têm PERDIDO dinheiro a refinar e vender gasolina. Não acreditam? Então vão lá abrir os resultados da Galp e vejam a quebra de lucros na rúbrica de Refinação e Venda, que desde 50% em 12 meses. Ou vejam lá as noticias – lá fora, porque por cá os jornais valem pouco – de que a Exxon Mobil (maior petrolifera do mundo) vendeu as suas refinarias e postos de venda porque, e passo a citar, “estava a ter enormes prejuizos com elas” (isto na altura do crude a 150 USD, entenda-se!).
Também note-se que além de todos os investimentos que a Galp tem de fazer no Tupi (Brasil) – que poderão argumentar “não tenho nada a ver com isso” – quando o crude, em 2007 subiu 70 por cento, os combustiveis só subiram 50 por cento. (Alias, subiram menos em Portugal que no resto da EU27, mas isso já não se cita). Advinhem lá quem “pagou” a diferença? Uma dica: não foi nem o Estado nem o consumidor final!



De Guilherme Diaz-Bérrio a 18 de Setembro de 2008 às 17:38
Por último, e para todos os que ainda julgam que os preços sobem mais depressa que descem, ou que não seguem os mercados internacionais, favor ver este gráfico (http://i535.photobucket.com/albums/ee360/gdb_02/gasolina1.png)

PMVP é o preço de venda médio ao público por cá, Platts é a referencia europeia em Amesterdão de preços de refinação à saida da mesma, Refinaria é o preço à saida da Refinaria da Galp e Brent(-2) é o preço do Brent ajustado duas semanas para trás. O ajuste é devido a um simples facto: quando compram crude, ou o vão buscar a Cushing, Oklahoma ou a Amesterdão. Dai ainda têm fretes e tempo perdido de modo a traze-lo para Portugal (Sines ou Matozinhos, barcos ou camiões-cisterna). Agora reparem lá como os preços se seguem quase como se fosse um espelho (para cima e para baixo!!!!!).

Repito de novo: por favor, façam contas... e se querem “queimar” alguém, culpem a OPEC, ou os “analistas” que durante anos enganaram meio mundo ao dizer que o “pico do petroleo” não existia!



De Paulo Colaço a 18 de Setembro de 2008 às 17:44
Olá Beta, em primeiro lugar, saudações especiais pelo teu primeiro post no Psico!
Seja o início de muitas discussões por ti lançadas.

Em segundo lugar, vou sair de mansinho e comentar apenas quando tiver mais tempo...


De Guilherme Diaz-Bérrio a 18 de Setembro de 2008 às 17:50
Já agora, peço desculpa pelo comprimento dos comments mas de 3 em 3 meses acabo a discutir isto no Partido/Jota...lol

Incluindo quando o meu "querido" presidente de secção decidiu num jantar, no último congresso do PSD, lançar a questão para o ar, passar-me a bola a mim, e deixar-me o resto da noite a explicar "formação de preços"... right, Né? ;)


De Ricardo Lopes a 18 de Setembro de 2008 às 20:58
Dá-lhe no PSICO, Elisabete!!! Afirma aqui a tua veia activista.
Que tal organizar um manif contra isto? Eu apoio, e não encho de gasolina o meu SMART (sim, porque o meu carrinho a gasóleo ainda não recuperou de Castelo de Vide). Mas só se a coisa for para fazer barulho aqui na Av. Conde Valbom, em Lisboa, porque ir para Arganil em protesto de bicicleta seria uma verdadeira estafa.


Mais a sério... força nesses posts aqui junto da malta psicótica.


De Guilherme Diaz-Bérrio a 19 de Setembro de 2008 às 09:07
Ah, e uma última nota:
É normal que as descidas sejam mais agressivas, percentualmente, num país onde os impostos sejam mais baixos. E as subidas idem (os combustíveis subiram percentualmente mais nos EUA porque têm muito menos impostos lá).

A Espanha só não terá sido tão agressiva na subida porque, durante a subida, baixaram os impostos sobre os combustíveis (ao passo que em Portugal esses impostos subiram, dado que um deles, IVA, é proporcional ao preço da gasolina à saída da refinaria).

Isto para explicar o porquê de cá descer mais devagar... também subiu mais devagar.

Quanto aos "activismos", sem objecção. Vamos é ser activistas onde devemos ser: que tal passar a andar de transportes públicos ou fazer car sharing pooling ? Que tal sermos activistas, e proactivos, na adopção de motores eléctricos no parque de "transportes públicos"? (que seriam rentáveis , acrescente-se)... infelizmente ai, já não se vêem activismos e manifestações.


De Nélson Faria a 19 de Setembro de 2008 às 16:04
Eu gosto sempre de fomentar uma boa discussão... principalmente quando não percebo nada do assunto ;) como é o caso da formação de preço dos combustíveis.

E por muito que argumentes Guilherme, continua a haver coisas aqui que não cheiram bem...

A GALP é demagógica quando aumenta o preço cada vez que o barril sobe e recusando-se a descer o preço quando este desce.


De Nélson Faria a 19 de Setembro de 2008 às 16:05
"Este" entenda-se, o preço do barril.

Parabéns Beta por trazeres um tema que me é tão caro, ainda que seja um ignorante empírico na matéria.


Comentar post

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.