Quinta-feira, 18 de Outubro de 2012
O estado de uma Nação

 

Ando parva com as últimas notícias. 

Só se fala de crise, de impostos, de asfixia. Aquela que era a asfixia democrática de outrora, foi substituída pela asfixia fiscal.

 

O problema, é que o país não funciona se pensarmos só em impostos e contas matemáticas. A Justiça e a Saúde, não são pilares essenciais do nosso país? E quando não pudermos confiar em quem nos deve proteger e servir?

 

Como é que situações como esta, se sucederam?

 

"Perante a comissão parlamentar, o presidente do Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST), Hélder Trindade, denunciou que no Lusocord foram encontrados kits para recolha de sangue do cordão umbilical guardados junto a sanitas, embalagens fora do prazo de validade e processos clínicos armazenados sem condições. Segundo a Lusa, Hélder Trindade, que mostrou fotos para sustentar as denúncias, afirmou também que 21% das 8441 amostras criopreservadas se encontram contaminadas e que das 6618 que estarão em condições só cerca de 2000 deverão ser usadas. Também disse, a propósito das queixas da ex-directora acerca da falta de recursos humanos, que aquela recebia um vencimento de cerca de 12 mil euros por mês. Para além disso, levantou dúvidas sobre os montantes gastos com a estrutura."


Estamos num país de terceiro mundo, só pode. 


Ou esta?


"Lorosa de Matos conseguiu enganar duas vezes a Justiça. Em 2003, convenceu a família de Rui Pedro de que conhecia o paradeiro da criança – e o Ministério Público (MP), convicto de que tinha de se fazer tudo para resgatar o menino, conseguiu que lhe fosse concedida uma saída precária. Passou a fronteira e só sete anos mais tarde, depois de ter ludibriado duas magistradas com quem manteve um relacionamento, foi apanhado pelas autoridades.

Sónia Moreira e Sílvia Marques Bom, ambas procuradoras-adjuntas do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, acabam de ser acusadas de violação do sigilo profissional, falsificação de documento e abuso de poder, entre outros crimes, por terem passado dados pessoais de cidadãos e altos quadros da magistratura e da Polícia Judiciária (PJ) ao burlão, que se fazia passar por coordenador da Interpol."

 

As duas magistradas, uma delas apontada como uma "mulher solitária (?!) que passava as noites presa a chats da internet", cederam dados pessoais de cidadãos, permitindo ao arguido forjar identidades, entregou informações sobre os dados pessoais de dezenas de juízes e membros da PJ, sabendo a determinado ponto quem o arguido verdadeiramente era, uma delas até lhe emprestou 18 mil euros...!

 

É preciso estarmos num país muito distorcido quando até os nossos magistrados, se deixam enganar, por causa de solidão e amor! O Estado reflecte a qualidade das pessoas que o compõem. 

 

Ética no nosso país?

Deixem-me rir.

 



uma psicose de Essi Silva às 09:29
link directo

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.