Terça-feira, 9 de Outubro de 2012
Trabalho Sexual (também) é trabalho!

Há trabalhos fáceis e difíceis, há os cansativos e os revitalizantes, os bem e os mal pagos, os aborrecidos e os estimulantes. E todos devem ter direito a enquadramento legal, protecção e reforma!



uma psicose de Paulo Colaço às 17:25
link directo | psicomentar

5 comentários:
De Essi Silva a 9 de Outubro de 2012 às 17:34
Concordo PLENAMENTE. E dá jeito, no estado em que a Segurança Social está, haver mais gente a pagar lol


De Carlos Faria a 9 de Outubro de 2012 às 19:37
Num país onde o acesso à saúde e educação é totalmente gratuito para quem não tem capacidade de demonstrar rendimentos... tal quer dizer que as prostitutas lhes deu a vontade de pagar impostos e taxas moderadoras para ajudar quem trabalha e tem o salário da classe média?


De Pedro Carvalho a 10 de Outubro de 2012 às 00:30
De acordo.
Uma boa forma de aumentar o "bolo" de contribuições para o estado.

Assim sendo, no futuro poderemos dizer, que para combater a crise o Gaspar foi às Prostitutas.

|

De Essi Silva a 10 de Outubro de 2012 às 00:34
Ahahahha essa foi excelente: "o Gaspar foi às Prostitutas"

|

De Paulo Colaço a 10 de Outubro de 2012 às 00:40
AHAHAHAHA.
Pedro, belo trocadilho!

Meus caros Psicóticos, apresento-vos o Pedro Carvalho, Uviano de 2012.


Comentar post

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.