Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

O Bloco de Direita

Rui C Pinto, 15.04.12

Na senda dos últimos dois posts do Ricardo, imbuí-me do espírito libertário de luta contra a limitação e castração das liberdades. Estas coisas contagiam. 

 

Recordei-me, imediatamente, do recente debate em Portugal sobre a adopção de crianças por casais homossexuais que acompanhou a votação na Assembleia da República. Durante várias semanas vi defender o superior interesse da criança contra o nefasto ambiente de uma família diferente... Neste assunto, a bitola do Bloco de Direita (de futuro refiro-me ao Bloco de Direita como um agregado à la Bloco de Esquerda de povo de direita que se mobiliza em torno de causas), prende-se com a necessidade de regulação. Já no que toca a evitar que as crianças sofram o efeito nocivo dos hábitos auto-destrutivos dos papás, o estado que se mantenha longe disso que os pais lá sabem o que é melhor para os filhos! 

 

A moral desta história é muito simples e toda a gente a conhece. A sociedade é um emaranhado de grupos que pretendem fazer valer os seus interesses sobre os demais, através do Estado. E, neste sentido, o Bloco de Direita não é diferente do Bloco de Esquerda.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Rui C Pinto 22.04.2012

    "Independentemente das famílias mudarem ou não é necessário haver uma definição do que ela é, e essa definição não pode ser establecida e mudada em função dos (supostos) ventos, deve ser estável, ser suficientemente larga para não se reduzir a uma minoria particular e deve ter fronteiras claras para evitar equívocos."

    As famílias mudam todos os dias. As pessoas vivem hoje em condições muito distintas daquelas em que viviam há 30 anos atrás. As definições não são definições se não definirem a realidade das coisas. É a este ponto que chega o absurdo do teu raciocínio. Pretendes limitar a realidade em função de uma definição teórica. É a rejeição total da política.

    "E essa definição tem de ser feita justamente em sociedade, e se houver gente que não se reconheça na definição geral deverá ter todo o direito de seguir a sua via (de momento que não prejudique outros, claro), tendo por única restrição ser impedida de se reclamar proprietário dos direitos e deveres que implica o estatuto definido."

    Portanto, o objectivo é muito claro e velhinho como a Sé de Braga. A definição tem de ser feita em sociedade (tradução por miúdos: a definição é feita pela maioria, rejeitando aquilo que é a definição de democracia...), e quem não cumprir os ditames daquela definição, temos muita pena mas está fora do consenso e deve arranjar uma terminologia diferente para aquilo que vive em casa. Sei lá, em vez de família talvez chamar-lhe gaymília ou monomília. Whatever, um nome qualquer que não família.

    "Toda a gente não tem direito à adopção, há pessoas que escolheram um modo de vida que as excluiu naturalemente de esse direito por isso não têm nenhuma reclamação a ter sobre este propósito."

    Exclui naturalmente?!?!?!?!!? O que é isto? Exclui naturalmente perante que leis?

    " Além disso esta espécie de "libertinagem" não passa de um método inaceitável operado por uma minoria rica, protegida e socialemente irresponsável para satisfazer aos seus caprichos. "

    Libertinagem?!?!?! Para a minha avó, libertinagem é a minha irmã sair com as amigas à noite com 23 anos de idade. Se queres definir leis em função da libertinagem vais-te enfiar num berbicacho para definir libertinagem. Para mim libertinagem pode ser tu masturbares-te a ver filmes pornográficos, por exemplo... Não vás por aí...

    "Nós estamos numa situação totalemente ridícula aonde é mais fácil divorciar e abortar por um simples sim ou não"

    Pois... Devia ser muito difícil eu divorciar-me de alguém com quem não quero partilhar o casamento... Devo ser infeliz para todo o sempre e fazer a vida da outra pessoa um inferno que é para aprender a da próxima vez não errar...

    "Quereis mais liberdade? Então sejam responsáveis!"

    Irresponsável e pouco democrático é querer impor aos outros uma visão do mundo feita à medida da nossa realidade.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.