Quinta-feira, 12 de Janeiro de 2012
no céu faz sol. na tv faz chuva

 

Às 11:40 desta manhã foram desligados os emissores de Palmela, Alcácer do Sal, Melides e Sesimbra que fizeram a caixa mágica mexer durante todos estes anos, lançado para a chuva aqueles que, não aderindo a uns serviços pago de televisão por cabo, também não compraram o equipamento que lhes permite continuar a ver televisão.

 

Foram feitas inúmeras críticas à implementação deste sistema em Portugal, por acarretar ainda mais custos para manter um serviço que na prática se apresenta igual (apenas 4 canais. Em Espanha foram oferecidos mais canais com o propósito de integrar os info-excluidos na sociedade da comunicação). A falta de informação também foi um problema pois a informação detalhada foi em massa distribuída pela Internet ou presencialmente, o que exclui uma boa fatia da população portuguesa, especialmente a mais isolada tecnologicamente e que devia ser por isso especialmente protegida.

 

A PT realizou também chamadas telefónicas de esclarecimento, mas como qualquer pessoa que já tenha lido a ficha técnica de uma sondagem ou que seja provida de senso comum sabe, o telefone está muito, mas muito longe de cobrir 100% da população portuguesa. No próprio sítio online que a PT divulga, a informação disponibilizada pode ser facilmente classificada como demasiado técnica para um público-alvo que, mesmo com a escolaridade mínima, sofre de graves problemas de iliteracia.

 

Tudo isto poderia ser um entrave menor à entrada da Televisão Digital Terrestre em Portugal, mas quando estamos a falar em desligar o passatempo da maioria da população Portuguesa, especialmente daquela que já não tem capacidades físicas ou económicas de procurar outra fonte de informação e entretenimento, estes problemas deveriam ter sido ou bem acautelados antes ou impedido agora que a TDT tentasse entrar hoje nas casas dos portugueses.

 

O presidente da PT, Zeinal Bava recusa que exista qualquer conflito de interesses pelo facto da PT ser a empresas responsável pela instalação do sistema de TDT e, simultaneamente, providenciar um serviço pago de televisão. É curioso que quando entramos no sítio online da TDT, a primeira frase com que nos deparamos é “A partir de Janeiro, se não tiver TDT, não vê televisão”. A segunda, uma pergunta feita durante o processo de avaliação da nossa situação é “Tem TV paga?” e quem tem, problemas não terá.

 

Hoje na cerimónia de lançamento da TDT, Miguel Relvas reforçou a importância do um dos objectivos da TDT: “que seja um serviço universal, que chege a 100% dos portugueses” e que a valorização tecnológica contribua para uma maior coesão social e cultural do País. Objectivo falhado, resta-nos a garantia de melhor qualidade de imagem para os mesmos de sempre. Mais do que o lançamento da TDT, esta foi a cerimónia do desligar de milhões de televisões em Portugal.

 

 

Vendo esta imagem do sítio da TDT, ficamos a saber que nos vão oferecer a bola que salta para a bancada ou uma bailarina a esvoaçar pela sala de estar fora
 


uma psicose de Beatriz Ferreira às 15:40
link directo

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.