Terça-feira, 3 de Janeiro de 2012
Quem tramou o Euro?

Muito se escreverá sobre quem tramou o Euro entre 2010 e 2012.

Os Americanos, sempre desejosos de manter a sua hegemonia, dirão uns.

Os Chineses, pois são os novos donos do mundo e só eles têm agora esse poder, dirão outros.

Os malvados especuladores, que num dia não muito longínquo vão aproveitar a fraqueza da moeda única e atacá-la consecutivamente, dirão outros ainda.

Os comerciantes egoístas, que na ânsia de lucros cada vez maiores foram aumentando cada vez mais os preços nos últimos tempos, dirão outros por fim.

Mas não.

Quem matou o Euro foi quem fui incumbido de o defender. De lutar por ele. De o proteger de todos os perigos. O seu tutor: o BCE

 

Atente-se nesta notícia.

Texto da notícia:

O BCE anunciou hoje ter comprado 462 milhões de euros de dívida soberana na última semana do ano, mais do que na semana anterior mas, ainda assim, longe dos valores recordes já atingidos.

Na semana anterior ao Natal, a autoridade monetária tinha comprado 19 milhões de euros em dívida, valor que foi agora superado largamente. 
Contudo, os 462 milhões de euros em compras na última semana do ano revelam-se bem inferiores a outras aquisições feitas pelo BCE. Em operações anteriores, as compras chegaram aos 3 ou 5 mil milhões de euros e, no início de Agosto, a autoridade monetária chegou mesmo a desembolsar 22 mil milhões de euros numa única semana.
O total de dívida pública no balanço do Banco Central Europeu (BCE) atinge, assim, os 211,5 mil milhões de euros
A instituição lançou o seu programa extraordinário de compra de dívida em Maio de 2010, para ajudar a baixar as taxas de juro das obrigações dos países periféricos do euro no mercado secundário. Na altura, o francês Jean-Claude Trichet estava à frente da instituição sedeada em Frankfurt. O novo presidente, Mario Draghi, deu continuidade ao programa, que tem gerado várias divisões internas dentro do banco central e já levou mesmo à saída de dois altos responsáveis alemães da instituição.

Se nos estatutos do BCE, este era proibido de comprar dívida estatal, acham que isso era por acaso?

O que acontece se ele viola essa regra e compra dívida estatal... nesta escala? (Têm noção do que são 211 500 000 000€?)

Quando o número de Euros em circulação cresce desta maneira, o que é que acham que acontece ao seu valor/poder de compra?

 

A moeda única exigia disciplina orçamental.

Sem ela, a dívida multiplicou-se.

Com esta multiplicação, o BCE acabou a comprar a dívida.

Com esta compra, o Euro está fraco.

Muitos temem pelo seu futuro. Só espero que a culpa não morra solteira  ou acabe nos ombros de quem não a teve.

Para criar uma nova moeda forte, não basta deixar cair a fraca: é preciso perceber o que a tornou fraca.

 

PS: O Euro ainda não morreu e ainda pode ser salvo. Não sei é se há vontade para isso e sinceramente cada vez vejo mais laxismo de quem deveria dar a carreira para o defender. A continuar assim, em alguns anos...

 

Draghi, o homem que enterrou o Euro 



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 01:00
link directo

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.