Sexta-feira, 25 de Novembro de 2011
O fiasco alemão?

[Aviso à navegação: segue-se uma explicação de Economia, logo, um post longo]

 

Na Quarta Feira, a Alemanha emitiu dívida pública em leilão. Um leilão que, a avaliar pela imprensa e comunidade de bloggers, falhou. "Um fiasco" disseram uns. "A Alemanha provou do seu próprio remédio", comentaram outros.

Se de Bloggers ainda aceito in extremis a reacção, em especial dos "não economistas", da imprensa (económica) já não. Esta demonstrou-se tão desleixada como sempre foi. Tinham obrigação de, ou saber como funciona um Mercado de Crédito, e a especificidade alemã, ou, como me ensinou o meu antigo director da revista Carteira, "Um jornalista quando não sabe, pega no telefone e arranja quem saiba e cita". [Tecnicamente ele era mais duro ainda, e exigia-me 3 fontes independentes, mas isso são outras conversas].

 

Os Países quando fazem emissões de dívida soberana, fazem-no em sistema de leilão, com a excepção de alguns países que também fazem "sindicancia" (como o Reino Únido, e já vamos ao quê e porquê mais abaixo). Até aqui tudo bem, e já tem sido largamente explicado. O que tem de ser explicado é que, um Banco Central, quando quer alterar uma taxa de juro (ou mais importante, mantê-la onde acha que ela deva estar) não pode simplesmente ditar admnistrativamente a taxa. Antes, fa-lo via "Operações em Mercado Aberto". E para o conseguir, o que um banco central faz é comprar ou vender Dívida Pública aos bancos. Quando se quer aumentar as taxas de juro, vende-se dívida pública aos bancos (que dão dinheiro em troca, reduzindo o dinheiro em circulação) e vice versa.

 

Especificidade Alemã?

 

Normalmente, os bancos centrais fazem isto a "descoberto". Ou seja, não têm as obrigações com eles. Têm antes uma "facilidade sombra" para o fazer, e depois ajustam contas com o Tesouro do país em questão. No entanto, se quiserem ver um banqueiro alemão a tremer, junte "Banco Central" e "Sombra" na mesma frase, e ele terá pesadelos que começam com a palavra "Weimar".

Logo, no caso Alemão, o Bundesbank fica sempre com uma parte da emissão para si. Isto é um pormenor importante de reter. Em primeiro lugar, não é monetização de dívida, porque o Bundensbank não paga ao Tesouro. Reserva é na sua conta um número de obrigações ("bunds"). Em segundo lugar, isto quer dizer que, face à definição tradicional, os leilões alemães "falham" sempre, devido ao valor reservado para o Bundensbank.

 

Business as unsual...

 

Isto não quer dizer que o Leilão de quarta feira não tenha sido preocupante. Apenas que não o foi pelas razões enunciadas. Não há contagio para a Alemanha. O que há é a constatação dum facto que se suspeitava há muito: o BCE está a perder a capacidade manter as taxas de juro onde quer, e o Budensbank está a tentar manter uma "última linha de defesa", de modo a que o BCE consiga operar normalmente. E para o perceber, é preciso entender um conceito: Repo Rate.

De modo a alterar a massa monetária, um Banco Central vende ou compra Dívida Pública. E para dar incentivos aos bancos a fazer a operação no sentido que quer, um Banco Central usa a Repo Rate. Ou seja, é a taxa usada para a troca "bunds" por "euros".

E aqui é que temos os problemas. É que, devido à crise, ninguém confia em ninguém no mercado interbancário europeu (o mercado que estabelece a taxa Euribor). Logo, não há empréstimos sem garantia, entre bancos. E a única garantia que toda a gente aceita, é a Bund Alemã. Isto quer dizer que, se o BCE quer manter as taxas de juro a <inserir aqui a taxa desejada>, já só tem um mercado funcional para o fazer. Porque é que é ainda não demos por nada? Duas razões: a dimensão enorme do mercado e a acção do Bundensbank.

Este está, de proposito, a acumular bunds em massa, de modo a conseguir manter a taxa de Repo sob controlo, e conseguir que o BCE consiga não perder o controlo da política monetária europeia. Em especial, quando as taxas estão encostadas a zero. Isto também aconteceu nos EUA, em 2008. A Reserva Federal, in extremis, ia perdendo o controlo sobre as taxas de juro.

Obviamente que o anúncio dos planos para as Eurobonds, antes do leilão, não ajudou. Mas no big picture do funcionamento do Sistema Monetário Europeu, foi uma gota no Oceano.

 

E o grave é que o Bundensbank está a ter de conservar uma fatia cada vez maior de Bunds de modo a manter o Mercado de Crédito alemão sob controlo e manter o BCE ao volante, com um acelerador e travão funcionais. A "especialidade" da Bund não está a ajudar, pois torna mais dificil aos Bancos que vão a leilão operar. Uma lição que o Reino Unido aprendeu, estando a vender parte da sua dívida ("Gilts") em "sindicancia", ou seja, da mesma forma que se faz uma introdução em Bolsa: quase directamente aos investidores, saltando o leilão.



uma psicose de Guilherme Diaz-Bérrio às 10:45
link directo | psicomentar

17 comentários:
De ogrilofalante a 25 de Novembro de 2011 às 14:59
Tudo isto não passa de um folhetim série C. Vamos esperar pelas cenas dos próximos capítulos!


De Guillaume Tell a 25 de Novembro de 2011 às 17:08
Qual é então a verdade David? Aponte lá os cenários para que poçamos discutir.

J'attends.


De jfd a 26 de Novembro de 2011 às 21:45
Ler para crer!


De ogrilofalante a 27 de Novembro de 2011 às 16:19
Alguns países excederam-se nas suas despesas. Depois, foi a dupla Merkel/ Sarko, egoístas e teimosamente empurraram a Europa para o estado em que está. Eles que esperem que irão provar do seu próprio veneno mais cedo que tarde.


De ogrilofalante a 27 de Novembro de 2011 às 20:01


De ogrilofalante a 27 de Novembro de 2011 às 20:02


De ogrilofalante a 27 de Novembro de 2011 às 20:19


De ogrilofalante a 27 de Novembro de 2011 às 20:28


De IT a 28 de Novembro de 2011 às 15:04
A Alemanha já está a preparar um cenário B -Herr Baron von und zu Guttenberg está em vias de recuperação. Esse mesmo o meu 'primo' bonitão :)
E ele não é da CDU é da CSU!
Agora é que a Europa fica ás direitas...

A sério: o capitalismo renano não é a palhaçada da Frau Doktorin Merkel.


De Guillaume Tell a 28 de Novembro de 2011 às 21:41
Aie, aie, aie David. Eu se era sí tornava-me libertário, visto o ódio que tem a tudo que é o poder político.

Vamos por partes:

1) http://ogrilofalante.blogs.sapo.pt/13919.html
O Ministro das Finanças está a dirigir as finanças de um país que perdeu toda a credibilidade. Um país em que se duvida, neste momento, que seja capaz de resolver os seus problemas e onde ainda se teme virem aparecer mais supresas orçamentais. Voltamos a falar em Junho.

2) http://ogrilofalante.blogs.sapo.pt/14256.html
Carlos Moedas disse "não ter dúvidas de que notas voltarão a subir quando mercados perceberem que PSD vai cumprir as metas de défice". A execução orçamental do PSD ainda está no seu início, e se cumprir efectivamente as metas (Junho será o exame) as coisas mudarão!
(Por amor de Deus, citar Pedro Silva Pereira!“As contas são inteiramente transparentes”, pois foram!!!
http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=78&did=9481)

3) http://ogrilofalante.blogs.sapo.pt/14493.html
E sob qual base pode afirmar isso?
Olhe para o ajudar a fazer as contas:
http://www.youtube.com/watch?v=gNu5BBAdQec
(http://www.youtube.com/watch?v=WdpEXX5tKAw&feature=related: esta até tem piada, onde está a contradição?)

http://www.youtube.com/watch?v=BDwSzZAYRMU
http://www.youtube.com/watch?v=A-5AiDrHsmI&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=ESDAbG_I124&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=K2szgnv-vVg&feature=related

3) http://blasfemias.net/2011/11/27/deja-vu-4/
O quê que isso quer dizer? O David acha que Víctor Gaspar é um futuro Salazar? Ou acha que o PSD vai conseguir a tirar o país do seu buraco?



Comentar post

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.