Quarta-feira, 31 de Agosto de 2011
UV 2011: Dia 2

Porque me candidatei à Universidade de Verão?

 

André Couceiro

19 anos

Marinha Grande

 

Depois de ouvir todos os relatos fantásticos acerca das experiências dos meus amigos em anteriores edições da Universidade de Verão, tornou-se óbvia a minha vontade de participar na melhor formação política do país. Razão principal para me candidatar é a vontade de viver uma semana cheia de troca de experiências e conhecimento, quer por oradores com um vasto percurso académico e profissional, quer pelos colegas alunos que me irão enriquecer a nível cultural, intelectual e, provavelmente, mudar também a maneira de ver o meu futuro.

O facto de 100 jovens de grande potencial, altamente motivados, partilhando a mesma vontade de aprender, travar conhecimentos sobre todas as questões essenciais a nível politico-social ou sobre as suas experiências no associativismo é também um dos principais motivos do meu interesse em integrar esta "nata nacional".
Não pensando que a UV me vai abrir portas num mundo político que me fascina, o essencial é que esta vai ser uma experiência de vida marcante e capaz de mudar a forma como olho para as pessoas que me rodeiam, acabando por me dar uma perspectiva diferente da minha posição global.

 

 

António Roxo

27 anos

Lisboa

 

Na minha opinião, a Universidade de Verão constitui a melhor e mais completa formação política em Portugal e, como tal, a possibilidade de participar deve ser um objectivo de todos os militantes da JSD que pretendam um maior desenvolvimento pessoal e político. Foi com esta vontade de aprender que me inscrevi, uma vez que acredito que para alcançarmos melhores quadros políticos não podemos deixar de apostar na formação.

As expectativas eram grandes quanto a esta semana, uma vez que já conhecia um pouco o espírito UV através de opiniões de antigos alunos. Agora que aqui estou posso confirmar que o convívio é, sem dúvida, uma grande mais-valia da UV. No entanto, o espírito é de tal forma único que só experienciando é que podemos compreender.

Vale de facto a pena participar e deixo aqui um apelo para que todos os jovens militantes não fechem a porta a esta oportunidade única e desafiante.



uma psicose de Paulo Pinheiro às 15:02
link directo | psicomentar

7 comentários:
De David Soeiro a 31 de Agosto de 2011 às 15:56
Continuamos a ter hipotéticos futuros candidatos a PPC.
Mudem! Acordem! Isto vai naufragar! E grande parte da culpa é dos marinheiros que estão ao comando do barco.
Com todas as medidas em que os maiores sacrificados são o povo, este vai sair à rua e os poderosos não ficarão cá para contar como foi.


De Beatriz Ferreira a 31 de Agosto de 2011 às 17:07
David Soeiro, precipita-se ao dizer que estes moços querem ser o Pedro Passos Coelho. Cada um sabe de si e faz o que quer, mas a verdade é que a UV (sim, o post é sobre isso e não sobre divagações genéricas) limita-se a proporcionar um conjunto de ferramentas, conhecimentos e competências para fazerem mais e melhor na área que quiserem. Pode ser na sociedade da sua terra, pode ser na paróquia, pode ser na política. David Soeiro, precipita-se ao dizer que estes moços querem ser o Pedro Passos Coelho. Cada um sabe de si e faz o que quer, mas a verdade é que a UV (sim, o post é sobre isso e não sobre divagações genéricas) limita-se a proporcionar um conjunto de ferramentas, conhecimentos e competências para fazerem mais e melhor na área que quiserem. Pode ser na sociedade da sua terra, pode ser na paróquia, pode ser na política.

Há mais mundo para além de Pedro Passos Coelho.


De Beatriz Ferreira a 31 de Agosto de 2011 às 17:15
A visão que temos do mundo que nos rodeia é sem dúvida apurada na UV. Esta iniciativa não nos diz o que temos de fazer, sobre que temas temos de pensar ou os chavões que temos de utilizar, mas sim a pesquisar mais sobre os temas. Estimula a nossa capacidade de raciocínio e espírito critico. É um ritual de passagem fenomenal pelo qual todos deviam passar.
Fico muito feliz de ver que ex-uvianos souberam passar a mensagem e que por isso vocês cá estejam. Boa sorte!


De Bruno Duarte a 31 de Agosto de 2011 às 18:13
Cá está o "central" esquerdista incomodado com o sucesso e o mérito! Onde anda o k. ?

Queria só deixar uma palavra ao António Roxo, de facto a UV é boa e vale a pena para quem quer aprender.

É o melhor sitio para se sentir o espírito jsd e que todos os que puderem devem aproveitar!


De Bruno Duarte a 31 de Agosto de 2011 às 18:20
Ao André Couceiro, parabéns pela humildade.

Humildade que tanto é precisa na JSD, principalmente quando ainda se está a começar, quando ainda nem metade dos 12 anos de militância possível como militante maior da JSD se atingiu!

Era óptimo que todos os da tua idade e com menos de 24/25 anos fossem todos assim!

De facto, a política só abre portas na mente de alguns!


De IT a 1 de Setembro de 2011 às 14:03
...«Isto vai naufragar! E grande parte da culpa é dos marinheiros que estão ao comando do barco.»
Mas, mas... não foi o citado que disse que neste governo eram todos maçons, mais uns expatriados?

E como a outra parte de dita culpa poderá ser assacada ao Sócrates e & -que eram todos maçons... Bem a coisa começa a cheirar a teoria da conspiração e não fui eu que o disse!


De Beatriz Ferreira a 1 de Setembro de 2011 às 14:23
Opa, mas não têm mais nada que fazer se não desconversar? LOL


Comentar post

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.