Terça-feira, 30 de Agosto de 2011
Está explicado...

 

Fonte: The Economist (Sim, sim, eu sei, essa revista Anglo-Saxónica Conservadora cheia de Porcos Liberais e Capitalistas ;))

 



uma psicose de Guilherme Diaz-Bérrio às 11:59
link directo | psicomentar

4 comentários:
De IT a 30 de Agosto de 2011 às 12:27
Já conhecia o 'boneco' e está muito engraçado, talvez desgraçadamente porque seja um modo hilariante de dizer a verdade. Há quem seja adulto (no BI/CC) mas infantil (em idade mental) e acredite em fadas e seja, como as crianças, IRRESPONSÁVEL.

O pior é que os "mestres do coro" não são melhores -e sem elites não há res publica que prevaleça.


De Bruno Duarte a 30 de Agosto de 2011 às 12:35
Guilherme, esta imagem fará "acordar" muitas mentes!

O euro não acabará, resta é saber quanto tempo mais vamos todos (os restantes 15) continuar a "obedecer" às vontades de Alemães e Franceses!

Digo eu, principalmente os Franceses.....que pouco ou nada fazem para dar, antes para retirar da Europa!


De jfd a 30 de Agosto de 2011 às 12:55
Inês eu não sou irresponsavel. Mas tenho fé.


De IT a 30 de Agosto de 2011 às 14:50
O JFD acredita em fadas? :) Uau, que confissão!

Eu só sou maluquinha por Templários. Nobres... cavalo branco... -ai, ai :) Já não se fabricam rapazes desses aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii.


Comentar post

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.