Segunda-feira, 22 de Agosto de 2011
Mais educação, menos sistema

Neste post do André Azevedo Alves tropecei na evidente prova de ineficácia do nosso sistema educativo: 

Este é apenas um caso e nenhuma realidade demasiado complexa dele deve ser extrapolada, tanto mais que este caso particular representa, por extremo, a incapacidade do sistema educativo lidar com o insucesso escolar. É muito fácil manifestar o choque com a óbvia incapacidade desta criança frequentar o 8º ano de escolaridade, mas não nos deve chocar menos perceber que o actual sistema é incapaz de gerar uma solução para esta criança. É fácil defender que este aluno deveria ter sido reprovado ano após ano e possivelmente frequentar a 2ª ou 3ª classe, mas será muito difícil defender que essa solução serviria o seu interesse. É evidente que esta criança não tem lugar no sistema e, prova disso, a única solução é excluí-la, promovendo a sua transição até que conclua a escolaridade obrigatória.
Este caso obrigou-me a recuperar uma entrevista de Isabel Alçada, à época Ministra da Educação, que considerei provocadora mas que trouxe, corajosamente, à discussão todo o modelo educativo. Vale a pena rever: 

É utópico ambicionar o fim dos chumbos? Não, utópico parece defender o chumbo como benefício à progressão do aluno. O argumento mais comum de quem rejeita a ideia do fim dos chumbos é o de que promoveria o facilitismo. Ora, o facilitismo é a única solução que o sistema actual dispõe para ajudar os alunos com insucesso escolar a concluir a escolaridade obrigatória. As famílias sabem-no. Um aluno com insucesso que reprove duas ou três vezes vê imediatamente facilitada a progressão até completar a escolaridade obrigatória, porque a sua frequência no sistema introduz ineficiência. 

É inevitável, a prazo, que se assuma a retenção como último recurso e apenas em casos onde há apoio por parte da família à semelhança do que já é feito lá fora. Este é o primeiro passo no combate ao facilitismo e às progressões administrativas. Mas não chega: o sistema terá necessariamente que evoluir da simples avaliação de conteúdos para a formação cívica e a aquisição de competências. Esta necessidade é muito reclamada no Ensino Superior onde os professores se queixam repetidamente da indisciplina dos alunos, das suas graves dificuldades em lógica e oratória.

 

O sistema de ensino actual é ineficaz. Limita-se a dar às crianças, durante 12 anos, conteúdos que muitas vezes lhes vêem a servir pouca utilidade. Por outro lado, não há qualquer esforço na sua educação para a vida em sociedade, para a integração cívica, para a prática de desportos ou hábitos preventivos de saúde, para fomentar a sua capacidade de expressão. Muito menos serve de aferição de competências na medida em que a única competência avaliada é a capacidade de memorização, como provou o aumento imediato das faltas como consequência da introdução das provas de recuperação. Perante a possibilidade de ver as suas faltas justificadas mediante a aprovação em exame de conteúdos, não surpreende que muitos desistam de frequentar as aulas, tanto mais que todos sabemos que uma franca percentagem de alunos recorre a explicações para colmatar as suas necessidades educativas.

O sistema actual não tem soluções para o insucesso e por isso investe num sistema penalizador, ainda que muitas vezes não se pergunte se essas penalizações servem de correctivo ou antes incentivo... 



uma psicose de Rui C Pinto às 15:45
link directo | psicomentar

6 comentários:
De André Miguel a 22 de Agosto de 2011 às 21:56
Excelente análise.
Acrescentaria apenas que nada disto, infelizmente, nos deveria surpreender. Numa sociedade tipicamente socialista como a Portuguesa, onde os indivíduos são, à partida e desde o inicio da escolaridade, todos tomados por iguais, não são de esperar outros resultados que não os actuais. O sistema de ensino devia considerar as diferenças do indivíduo, para a partir daí resultar numa maior liberdade, quer para docentes, quer para discentes; pois é mesmo por aí que se adquirem as competências, a cultura geral e a formação cívica, ao invés da mera memorização de conteúdos, na sua maioria, sem aplicação prática, que redundam em programas desfasados da realidade.

|

De Rui C Pinto a 23 de Agosto de 2011 às 18:19
André, julgo que sintonizou perfeitamente a minha ideia e concordo em absoluto com o que diz.

|

De jfd a 23 de Agosto de 2011 às 15:32
Sei que é um tema muito caro ao autor e parece-me bem sustentada a sua opinião.

Apenas gostaria de dizer, num dia em que mal mudo para a SIC N na hora de almoço e vejo quem? o famoso sindicalista vitalício dos professores a reclamar mais para a sua classe, que pouco leio de reflexões deste género por parte da dita classe.

Porque será?

|

De Rui C Pinto a 23 de Agosto de 2011 às 18:28
Eu percebo o que dizes. Mas parece-me que esta discussão tem sempre que distinguir entre interesses corporativos e interesses dos utentes... ;)

Eu julgo que os Professores estarão dispostos a reformas que melhorem o sistema de ensino. Quanto à sua própria avaliação e progressão de carreira já não tenho tanta certeza...

|

De Ricardo Campelo de Magalhães a 23 de Agosto de 2011 às 22:53
"É fácil defender que este aluno deveria ter sido reprovado ano após ano e possivelmente frequentar a 2ª ou 3ª classe, mas será muito difícil defender que essa solução serviria o seu interesse."

lol
Obviamente essa solução serviria melhor o seu interesse. Por tantos motivos que nem sei se vale a pena enumerar...

|

De Rui C Pinto a 24 de Agosto de 2011 às 12:05
Não te posso obrigar a nada! ;)

|

Comentar post

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.