Sexta-feira, 5 de Julho de 2013
Resumo da semana política

A palhaçada já vai longa, mas a desmontagem do circo fica mais cara que a retocagem dos artistas. Por isso, siga a banda.

Vitor Andrade, coordenador de Economia no Expresso, no Facebook



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 21:34
link directo | psicomentar

Terça-feira, 19 de Março de 2013
Oposição em Portugal é alternativa?

Não.

Fica uma sondagem do JN para demonstrar o problema em Portugal.
E isto não é porque o governo governe bem ou cumpra escrupulosamente o programa eleitoral com que foi eleito: é simplesmente porque a oposição em Portugal… é má de mais. Infantil, irrealista, presa a o passado e vazia de ideias. Seguro, Jerónimo e os casal do Bloco são os melhores garantes da viabilidade do actual governo. Falta uma oposição séria, realista e credível que obrigue o governo a fazer as necessárias reformas nos diversos ministérios que a comodidade faz empurrar para a frente (privatizações, cortes de despesas estruturais, taxação das PPPs, …). E a maioria silenciosa neste momento não tem em quem votar.

Oposicao alternativa



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 03:27
link directo | psicomentar | psicomentaram (4)

Sábado, 15 de Setembro de 2012
de "bom aluno" a país ingovernável?

o actual governo foi eleito para aplicar medidas de correção das contas públicas por forma a garantir o financiamento da economia. os credores têm assim uma garantia de que os seus empréstimos serão pagos e, em última análise, voltarão a confiar e financiar o país. 

 

até sexta feira passada, Portugal era dado como um caso de sucesso europeu. o exemplo de um país que reuniu consenso político e social em torno de um programa de ajustamento financeiro para recuperar credibilidade junto dos seus credores. num ano foi possível reunir consenso entre os partidos políticos do arco da governação e entre os parceiros sociais. políticos, sindicalistas e empresários permitiram manter a paz social. éramos, por isso, um exemplo. e esse era o nosso maior activo político perante os parceiros europeus e as instituições que nos financiam. 

 

na sexta feira passada o governo desbaratou o maior activo político que detinha por uma medida que assumiu como sua, que representa uma mísera receita de 500 M€, e que conseguiu reunir a oposição de todo o país. uma vez mais o consenso de políticos, economistas, sindicalistas e patrões, porém, desta feita, contra o governo. notável. 

 

o anúncio de sexta feira mergulhou a coligação governamental numa crise política gravosa para o país e uniu a oposição, permitindo ao PS desvincular-se do acordo político em torno do memorando da troika. ao assumir a baixa da TSU como uma medida sua, Passos permitiu a Seguro chumbar o orçamento de estado. uma infantilidade política que, naturalmente, desagrada a Portas e ao CDS. 

 

mas não foi apenas o apoio popular que o governo perdeu na sexta feira. foi, também, o argumento da falta de alternativa política. ao assumir como sua a medida do aumento da TSU para os trabalhadores e a descida para as empresas por forma a aumentar a competitividade das empresas, abriu a porta à discussão política. argumentar agora que não há alternativa política ao orçamento do próximo ano é uma imbecilidade e um tique autoritário de quem receia o debate por falta de preparação. quem toma uma medida desta gravidade tem de estar preparado para debatê-la e defendê-la perante a opinião pública. 

 

hoje, o povo está na rua de uma forma muito expressiva. as imagens aéreas que as televisões difundiram são claras. o mar de gente que aderiu a esta demonstração de indignação está para lá da capacidade de mobilização de partidos ou sindicatos. resta a Passos Coelho recuar. bem sei que está convencido de que não deve governar para agradar à população, li essas declarações infelizes num jornal qualquer. mas que não tenha a ilusão de que pode governar contra as pessoas. se tiver essa ilusão, ficará para a história como o primeiro ministro que transformou um "bom aluno" num país ingovernável, à semelhança da Grécia. 



uma psicose de Rui C Pinto às 18:59
link directo | psicomentar | psicomentaram (8)

Sexta-feira, 23 de Março de 2012
XXXIV Congresso do PSD - Em Directo



uma psicose de PsicoConvidado às 22:03
link directo | psicomentar

Segunda-feira, 12 de Setembro de 2011
Uma 1ª Opinião sobre PPC

Fica mal a mim avaliar PPC e o Governo PSD/PP. Sou militante, paricipei na campanha, e insisto todos os dias em como este governo é melhor do que o de Sócrates, mesmo que por vezes não concorde com algumas medidas concretas *cof* como o aumento de impostos *cof*.

 

Assim, fica aqui a opinião do Ministério dos Negócios Estrangeiros Alemão.

 

 

Resta saber se o PS não trava "a abertura manifestada pelo Governo português para a introdução de um travão à dívida".

Espero que não. Já prejudicaram suficientemente o futuro de Portugal e espero que desta vez ajam responsavelmente.



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 06:35
link directo | psicomentar | psicomentaram (20)

Sábado, 21 de Maio de 2011
Esclarecedor


uma psicose de Miguel Nunes Silva às 14:39
link directo | psicomentar | psicomentaram (8)

Quarta-feira, 6 de Abril de 2011
PSD = Estado Social Possível ; PS = Falência

 

Em 2009 o PS prometeu mais e mais e mais Estado Social.

Já a Economia Mundial estava a contrair, Portugal anunciava mais gastos sociais.

 

MFL alertava: não há dinheiro, há que ser realista

Os Portugueses não a ouviram.

 

Agora, Faliu.

Hoje, fez bem: reconheceu humildemente que precisava de ajuda.

Mas o dia de hoje não aconteceu por acaso. Era previsível.

A minha avó sabe: quem gasta, gasta, gasta... entrega-se aos usuários.

Durante todo este tempo, fez mal: quem dá o que não tem, não terá para quando fizer falta.

 

Curiosamente, foi pouco tempo depois da banca ter fechado a torneira.

"Ah e tal, foi prova de que há um cartel na banca"

Bem, a banca gosta de receber juros. Mas se uma entidade deixa de conseguir pagar, é função da banca zelar pelo dinheiro dos aforradores. Já falhou antes e ainda bem que não voltou a falhar. Cartel? O alinhamento é por necessidade, não porque decidiram todos não ganhar dinheiro e, numa onda de falta de ganância, recusaram-se a cobrar juros "usuários".

 

E agora?

Hoje garantiu-se que não há ruptura de tesouraria.

Dentro de momentos seguem-se as medidas para começar a pagara dívida Socrática.

O sonho do "Estado Social" levou-nos a isto.

 



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 22:04
link directo | psicomentar | psicomentaram (7)

Sábado, 25 de Setembro de 2010
A Envergonhada Neutralidade

 

O governo e a oposição têm que se entender e têm que o fazer rapidamente.

 

 

 

Como Português e como apoiante do PSD no entanto, não posso deixar de notar que muitos dos intervenientes que a público vêm opinar, o fazem sempre com um certo distanciamento que passa como objectividade, mas não é. Vêm a público falar da necessidade de 'resolver os problemas do país', sempre sem irem ao busílis e admitirem os gravosos erros do governo na matéria. Cavaco Silva, Jorge Sampaio, a liderança do PS e mesmo Passos Coelho, todos têm - apesar dos seus atributos e conquistas - a mácula de num momento ou outro terem colaborado com José Sócrates mais do que necessário, mais do que requerido pelo quadro institucional. Não vou entrar em pormenores porque estes são conhecimento público.

 

A verdade é que agora temos uma crise profunda alicerçada na irresponsabilidade que os entendimentos pontuais e auxílios circunstanciais com Sócrates acabaram por incentivar. José Sócrates não foi um líder que subiu a pulso, não foi um intelectual que tivesse sido proposto para liderar pelos seus atributos superiores, não, ele é sim um animal político para quem qualquer jogo circunstancial e respectivas manobras políticas de bastidores são o oxigénio do qual ele se alimenta. Infelizmente para as personalidades que eu já citei, ninguém foi capaz de antever - ou não foi capaz de se importar - com as consequências de beneficiar e facilitar a ascenção de alguém sem sentido de estado, para o cargo mais importante na gestão do país.

 

Peço apenas que tenham isto em mente quando finalmente sentarem governo e oposição sob o mesmo tecto na discussão do orçamento. Isto porque todos já sabemos que a queda deste PM está fora de causa devido à crise - entre outros motivos...



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 14:27
link directo | psicomentar | psicomentaram (8)

Sábado, 13 de Fevereiro de 2010
Rangel, O Candidato Nacional

 

 

Paulo Rangel é o candidato ideal para o PSD mas sobretudo para o país.


 

Não o é por ser jovem mas sim porque tem o perfil adequado para representar o partido perante os Portugueses.

Rangel tem vitórias no seu currículo, não vitórias “internas” mas sim vitórias nacionais. Tem também currículo nacional, tendo sido secretário de estado e ainda líder da bancada parlamentar.

 

Através da sua campanha bem sucedida nas eleições europeias, Rangel conseguiu uma vitória esmagadora contra a descredibilização da política, contra o PS e contra os conflitos internos do PSD.
Foi na altura em que a política tinha mau nome que Rangel se filiou no partido. Ele inicia a sua actividade como quadro competente, e não como animal político fazendo carreira com o partido. Ganhou ao PS que vivia o auge da sua maioria absoluta e ainda sem o resultado catastrófico da sua governação à vista. Venceu a pressão de Pedro Passos Coelho para uma vitória fácil, numa altura em que as sondagens eram desfavoráveis ao PSD.

 

Rangel tem ainda a vantagem de representar uma política séria e consequente, que não teve a oportunidade de brilhar como devia por culpa de circunstâncias adversas, mas que se provou estar correcta, nos últimos meses.

Tal como Ferreira Leite, Rangel tem sentido de estado e poderia facilmente integrar ou mesmo liderar um governo. Rangel tem vitórias concretas, outros não, Rangel não fragilizou o partido com movimentações fratricidas, Passos Coelho por exemplo, sim.

 

Daí que Rangel seja a escolha óbvia para a unidade do partido mas também para possivelmente formar governo se as circunstâncias o exigirem.

 

Mais uma coisa: não me choca que Rangel tenha hesitado antes de se candidatar. Apenas demonstra que é sensato. A ponderação é algo que tem sido elogiado a Obama e de facto, a determinação de Sócrates foi mais detrimental que benéfica. Para além de que depois de se comprometer com um projecto (Parlamento Europeu) não poderia abandoná-lo sem pelo menos hesitar. A ponderação num partido como o nosso é de louvar, e está em grande contraste com a determinação perpétua…

 

Aquilo que é importante é que os militantes votem com a sua consciência e sentido de responsabilidade, e não por medo de quem possa depois das eleições, “andar por aí”...
 



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 12:34
link directo | psicomentar | psicomentaram (37)

Sexta-feira, 18 de Dezembro de 2009
O CAMINHO PARA O FUTURO DO PSD (II)

                                             

 

Finalmente, o bom senso e a lucidez começam a dominar as hostes sociais-democratas. Escrevi, há cerca de um mês, que, face às circunstâncias do partido e ao momento decisivo para o seu futuro que estamos a viver, não nos podemos precipitar para a realização de novas eleições, sem que estejam garantidas as condições mínimas de unidade e estabilidade para a próxima liderança. É preciso saber que caminho o partido deve trilhar. Que projecto defende para o país. Urge que, respeitando as saudáveis divergências entre os militantes, o partido consensualize um conjunto de princípios e valores fundamentais que nos mobilizem e unam para enfrentar com convicção os desafios que nos esperam. É isto que os portugueses nos exigem. Temos de estar à altura. Só assim confiarão em nós e no projecto político que nos personalizamos. 

 

Neste sentido, o apelo lançado hoje, no semanário SOL por Pedro Santana Lopes, reflecte que os militantes do partido, bases e os chamados "barões", sabem que acicatar ódios viscerais ou alimentar vinganças pessoais só conduzem à degradação institucional do partido mais português de Portugal. E é fatal para a democracia portuguesa - a oposição a Sócrates ficará concentrada nos extremos do sistema partidário.  

 

Seria positivo que o candidato que prepara a sua candidatura, com máquina e operacionais no terreno, há dois anos ininterruptamente, que exigiu a Ferreira Leite a maioria absoluta e a Rangel a vitória em plena campanha eleitoral, tivesse a coragem e a decência de se pronunciar sobre a realização de um Congresso para discutir ideias. A construção do nosso futuro começa agora. Já hoje. Não podemos esperar mais. Se for necessário recolher as assinaturas para a convocação do Congresso, então, podem contar comigo. Creio que podem contar com a grande maioria dos militantes sociais-democratas.

 

Sei que para alguns "pseudo-novos de Benfica", um Congreso para discutir ideias e projectos é uma ideia estranha e assustadora. Que pode estragar os seus projectos pessoais. Pois, não se pode discutir aquilo que (até agora) demonstram não ter - ideias e um projecto político para o país. Mas, o futuro do PSD e de Portugal está acima de qualquer interesse ou projecto pessoal de poder.

 

Deixo, pois, aqui mais uma vez o apelo para que Passos Coelho responda se é ou não favorável à realização de um Congresso pelo futuro.  O seu silêncio será ensurdecedor - e não se esconda no silêncio até à convocação de eleições (pois, se andou a fazer uma campanha paralela enquanto o partido se batia contra o PS, por que não fala agora? Por motivos estratégicos? Porque sabe que o seu conteúdo político é tão pouco que não aguenta tanto tempo de pré-campanha?).   Veremos, pela atitude,  se este" jovem" quarentão de Benfica está à altura da responsabilidade que é liderar o PSD. Por acção ou por omissão...



uma psicose de João Lemos Esteves às 11:00
link directo | psicomentar | psicomentaram (5)

Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2009
PASSOS PERDIDO - RETRATO DE UM CANDIDATO

                                            

 

Domingo, dia 6 de Dezembro de 2009. Dia horriblis para Passos Coelho: confirmou-se a sua falta de peso político e capacidade para congregar  e liderar o PSD. A sua entrevista passou, em termos mediáticos, despercebida. Com uma excepção: a crítica que faz a Marcelo Rebelo de Sousa. COnclusão: Passos Coelho para se afirmar precisa de recorrer, em termos desprimorosos, ao nome do Professor. À escala nacional - para além da realidade específica da vida interna do partido -  Coelho é  politicamente pouco relevante. Da sua entrevista, devidamente dissecada, não fica uma única ideia relevante para o futuro do país.É um conjunto de ideias feitas, frequentemente pela negativa - o que não se deve fazer. É pouco. Muito pouco para quem almeja ser o líder da oposição - e muito provavelmente ser o próximo Primeiro - Ministro de Portugal.  Mais curioso é verificar que quando Passos Coelho afirma algo pela positiva , limita-se a recuperar as principais bandeiras de Ferreira Leite: suspender as obras públicas de grande dimensão, prioridade é reduzir a despesa (o nosso jovem com mais de 40 anos nem diz como),  regionalização sim, mas não agora; atrair capitais internacionais (como? - não responde). Ora, estas ideias representam o cerne do programa da actual direcção do PSD que os portugueses rejeitaram nas últimas legislativas!

 

Por outro lado, Passos vitimiza-se de ser vítima de uma coligação negativa contra ele. O problema, todavia, é que ele não se consegue afirmar pela positiva. Isso é que é grave e o deveria incomodar. O problema é que Passos Coelho não revela a lucidez necessária para perceber que as suas contradições (e o tempo revela-as cada vez mais) diminuem a sua margem de manobra política. Há poucos meses, era a favor de entendimentos pontuais com o PS - agora, já admite votar contra o orçamento de Estado. Declara guerra aos velhos do Restelo e critica o passado recente do partido. Certo, mas será que Passos Coelho é capaz de se livrar da tutela político/programático/ideológica de Ângelo Correia (que foi o que lajudou a levar Menezes aos píncaros e depois o deixou cair) e de Mira Amaral? - duvidamos nós legitimamente. E Miguel Relvas, verdadeiro tenente que prepara as suas tropas no terreno, dado como seu fiel apoiante, não é uma figura importante do barrosismo, do tal passado recente? E o seu "liberalismo à portuguesa" - como apelidou uma jornalista - está escondido, à espera de melhor oportunidade? Sobre Passos, nada se sabe. É uma incógnita. Só há uma certeza: a única mudança que conseguirá protagonizar será uma mudança de estilo. Paradoxalmente, essa é a sua força - não ter  convicções permite-lhe andar ao sabor das circunstâncias, das conveniências do momento. Passos Coelho já o percebeu -logo,  aposta mais na forma do que no conteúdo.

 

Concluindo, a força de Passos é a imagem, a sua eventual e treinada telegenia, a boa imprensa que o apelida de jovem e renovação, sendo ele um produto do cavaquismo (não sendo um cavaquista - até aqui as contradições se revelam). Ideias? Zero. Convicções? Nenhuma. Ora, tal perfil, tal percurso faz-me lembrar alguém. Já descobriram? José Sócrates. Os seus percursos políticos são idênticos e pertencem, sensivelmente, à mesma geração. Será que queremos apresentar ao país uma laternativa política liderada por uma espécie de Sócrates 2? O PSD merece mais do que uma versão adocicada e não autêntica de Sócrates...  

 

 



uma psicose de João Lemos Esteves às 01:25
link directo | psicomentar | psicomentaram (40)

Quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2009
A ver vamos!

 

Lisboa, 12 Fev (Lusa) - O ex-candidato à liderança do PSD Passos Coelho desejou hoje vir a estar "no tempo certo, com as ideias certas" e considerou que as suas ideias "são muito adequadas aos tempos que estamos a passar".

Durante um discurso num almoço promovido pelo American Club de Lisboa, Pedro Passos Coelho defendeu que nos actuais tempos de crise é preciso "não se calar e não ter medo de perder votos e de dizer coisas que possam não ser tão simpáticas, tão agradáveis nos primeiros tempos, mas que as pessoas percebam que são genuínas e autênticas".

"Se isso acontecer, bem, então teremos de esperar que os que tiverem a sorte de estar no tempo próprio com as ideias certas possam ser recompensados por isso", completou. "Eu espero que no tempo certo um homem possa fazer a diferença", reforçou o social-democrata.

No final do almoço, questionado pela comunicação social se estava a referir-se a si próprio quando fez estas declarações, Pedro Passos Coelho respondeu que "estava a falar em geral, como é evidente".

"Mas, se tivesse que fazer um desejo a mim próprio quanto ao tempo e às ideias, espero que sim, espero que se algum dia me vir numa situação dessas que esteja no tempo certo com as ideias certas. Acho que todos desejamos que isso nos aconteça", acrescentou.

Interrogado se este é o seu tempo, Passos Coelho disse que "o tempo dirá". Quanto às ideias, considerou: "As ideias que venho defendendo são muito adequadas aos tempos que estamos a passar".

No final do almoço a organização anunciou que o próximo convidado do American Club será o também ex-candidato à liderança do PSD e candidato do partido à Câmara Municipal de Lisboa, Pedro Santana Lopes.

IEL.

Lusa/Fim



uma psicose de jfd às 20:32
link directo | psicomentar | psicomentaram (10)

Quinta-feira, 1 de Maio de 2008
É a vez do futuro!!!
Pedro Passos Coelho é candidato a Presidente do Partido Social Democrata.
Assisti à apresentação da sua candidatura. Foi uma apresentação sóbria, com uma mensagem convicta. Assenta em valores que me fizeram acreditar na mensagem de esperança, renovação e de futuro.
Não menosprezando o grande passado do nosso mui amado partido, centrou-se no que aí vem. As suas declarações estão amplamente divulgadas, e já foram debatidas por todos os pundits do costume. Os dados estão lançados!
Eu apoio o PPC. E apoio porque gostei de ouvir o seguinte:

"Sou um reformista e sou um liberal, não sou de direita nem sou de esquerda, acredito nas pessoas e na sua iniciativa e acredito que são as empresas que criam riqueza, que criam emprego e que criam valor, não é o Estado que cria riqueza e que cria valor"

Explicando...

”Sou um liberal; sou um homem que acredita na democracia liberal. Sou um reformista porque sou contra o imobilismo. Sou solidário; acredito que a sociedade não pode ser uma selva com a lei do mais forte"

Sobre o Estado...

”(...)tem um papel regulador essencial e insubstituível na produção de bens públicos: aquilo que nenhum privado oferece e que no entanto é necessário para toda a gente, é para isso que existe o Estado".

Sobre a Autoridade...

Defendo que o exercício do poder democrático deve ser claro e determinado na defesa do no bem comum. Rejeito, sem hesitar, todo e qualquer autoritarismo»

E para mim, a cereja em cima do bolo...

” Quero uma liberdade responsável, onde cada um possa viver com a consequência das suas decisões. Esta candidatura vai falar de liberdade, com liberdade.

PPC acredita também na meritocracia, acredita que um Governo se compõe com os melhores, com os que detêm as ideias, com os que se preocupam.

Tudo isto, para mim, é parte da Visão que antecede a Estratégia que deverá delinear um programa de um novo PSD; Um Partido virado para o reformismo, para o liberalismo humanista com consciência social, tudo muito bem e realisticamente doseado.

Como poderia eu, não estar em linha com este pensamento?
Segue o meu voto de confiança e que não seja defraudado. Os Líderes existem, porque os militantes existem :P E que esta campanha tenha isto sempre presente!

Para as outras candidaturas desejo as maiores felicidades, e que continuem a dignificar o grande partido que nos une!

E como já (bem) disse anteriormente;

Para mim, é tempo de dar lugar aos novos. Novas ideias, novos pontos de vista, novas formas de pensar e viver o PSD.
Por mais que me custe deixar de votar em A ou B. Sempre os terei no lugar especial que merecem. Mas agora, com licença; É a vez do futuro.
Tenho dito!


uma psicose de jfd às 00:45
link directo | psicomentar | psicomentaram (116)

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.