Segunda-feira, 23 de Setembro de 2013
Wir bleiben Kanzlerin

A vitória de Angela Merkel é uma vitória para Portugal mas a esquerda Portuguesa inquieta-se. Porquê?

1 - Porque é chato para a retórica das promessas de 'políticas de crescimento' que a Chanceler da Austeridade permaneça no cargo.

2 - Porque é inconveniente para quem tem de agradar a sindicatos de interesses dependentes do despesismo governamental, ver quem exige mais responsabilidade dos Portugueses ganhar influência.

 

Uma vitória de Merkel significa uma permanência mais curta da Troika em Portugal. Mas o país ganha também em autonomia no sentido em que ao continuarmos a ser NÓS os responsáveis pelas reformas, deixamos também de estar dependentes de 'resgates' externos e dinheiro estrangeiro.

 

É nestas alturas que se torna muito interessante ver quem se bate pelo interesse nacional e quem põe partidos e lobbies à frente da nação...



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 09:55
link directo | psicomentar

Segunda-feira, 12 de Novembro de 2012
Bem-vinda Srª Merkel

A nossa credora está cá hoje.

Pareçam ocupados.



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 13:28
link directo | psicomentar

Domingo, 4 de Novembro de 2012
D. Mário, o hipócrita

 

A hipocrisia desta criatura nunca me deixa de surpreender.


Então o senhor que levou Portugal para a Europa e que como tal teve que se comprometer com reformas profundíssimas incluindo uma revisão preparatória da constituição, com políticas europeias duríssimas como a destruição de grande parte da frota pesqueira Portuguesa, ou culturas agrícolas, o bobo da corte que foi de rabinho entre as pernas pedir por favor à Índia para retomar relações diplomáticas e económicas apesar de estas terem sido cortadas por um acto de agressão militar Indiano a Portugal condenado internacionalmente e que nem a hiper-falível e parcial ONU da Guerra Fria, aprovou - por falar em isolamento diplomático... - este mesmo senhor tem a gigante lata de dizer que este governo, ESTE, o mesmo que está à beira da bancarrota depois de décadas de governação socialista, ESTE GOVERNO é submisso?!!!!!!.... 

 

Sim, Sr. Soares, chamam-se credores, e sim somos submissos ...GRAÇAS A SI!!!



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 19:43
link directo | psicomentar | psicomentaram (4)

Terça-feira, 29 de Novembro de 2011
A Este nada de novo...

 É oficial: Berlim só salva o Euro depois de mandar nas contas dos Estados.

 

Ou porque é que acham que a Alemanha só salvava os países mesmo na última e foi deixando agudizar a crise até ao ponto máximo?

 

 



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 07:30
link directo | psicomentar | psicomentaram (17)

Terça-feira, 1 de Março de 2011
FEEF ou FMI?

 

A quem pensa "Bah, é o mesmo", gostaria só de salientar 2 ou 3 pontos que creio serem de relevo:

 

1. Com o FMI, é o fim do “Estado Social”, tão importante para o Marketing do PS: aquela instituição vai obrigar o Estado a pagar o que deve à banca e, como se pôde ver no caso Grego, isso implica fortes cortes na despesa. Com o FEEF, quem controla a atribuição do pacote é Klaus Regling, da Comissão Europeia (logo, próximo de Barroso). Com este "porreiraço", Sócrates terá maior influência nas medidas a tomar e os cortes serão menores.

 

2. Com o FMI, Sócrates terá de assumir a sua incompetência. Perde a face. E vê as suas contas auditadas, o que há que evitar a todo o custo (na perspectiva dele). Episódios como a Transferência do Fundo de Pensões da PT (o Estado leva 4000 Milhões ao Orçamento mas não contabiliza os encargos a que a partir daí está obrigado!) não serão mais aceitáveis. Com o FEEF, pode contar com a muito maior condescendência habituais da Comissão e do Eurostat, permitindo a continuidade da contabilidade "criativa" que tem vindo a praticar. E pode negociar silêncios e trocar favores, algo em que se sente peixe na água.

 

3. Sócrates ganhará uma bandeira. Já o ouço “Paramos o FMI! Foi em Portugal!”. Tudo marketing, pois o essencial (Portugal fez um esforço enorme para passar de um défice de 7.3% para um de 4.6% e nem quero pensar o que será necessário para passar a haver um pequeno superavit para nos permitir pagar alguma coisa da dívida) ficará na mesma. Mas depois de 2 países caírem, foi aqui que paramos o dominó da crise da dívida. WOW.

 

É por isso que me preocupa que, ao contrário dos casos Grego e Irlandês, os técnicos do FMI não nos tenham visitado em Fevereiro, mas apenas os da Comissão. A estratégia do PM para se manter no poder, onde ele se quer manter a todo o custo, está em curso. O país ficará com uma dívida monstruosa? Sim. O país terá um governo que nem os seus ministros apreciam? Sim. O país crescerá tanto na próxima década como na última (3º pior no mundo, atrás de Itália e Haiti, segundo Frasquilho)? Claro, pois nada foi feito e receita e protagonistas são os mesmos. Mas o país não interessa. Só a sobrevivência de Sócrates.



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 01:16
link directo | psicomentar | psicomentaram (25)

Domingo, 14 de Novembro de 2010
Portugal e a Europa ou a Europa e Portugal?...

Hoje, o eurodeputado Britânico Daniel Hannan escreve no seu blogue sobre a Irlanda.

 

Ele tira duas importantíssimas conclusões:

 

 

1 - A predominante opinião de que a Irlanda deve o seu milagre económico à UE está errada. A Irlanda desenvolveu-se sobretudo devido aos seus laços com o RU e os EUA e ao facto de falar inglês, o que ajudou imenso ao inserir a Irlanda como uma plataforma de sector terciário conectada aos seus companheiros anglófonos dos dois lados do Atlântico; isto tanto mais enfatizado pelo facto de que a maior parte dos fundos comunitários para a Irlanda vinha da PAC e era destinado à agricultura - sector em declínio e hoje marginal, também naquela república marítima periférica.

 

2 - A segunda conclusão que Hannan retira é que a Irlanda sai penalizada por pertencer à zona €uro. A Irlanda desenvolve a maior parte do seu comércio com países que não utilizam esta moeda e o custo de manter uma moeda que não pode ser desvalorizada é ver os fluxos comerciais afluírem ao semi-fraterno mas pobre enclave monárquico da ilha bem como à Grã-Bretanha.

 

Estruturalmente, a Irlanda difere substancialmente da Europa e vale a pena reflectir sobre qual seria hoje a orientação de voto dos Irlandeses num referendo...

 

Que lições tem Portugal a tirar? Nós estamos muito mais ligados à UE é claro e o nosso sector financeiro até conseguiu resistir à crise. No entanto, eu lembro que os mercados aonde as nossas empresas se refugiaram da crise foram o Angolano e o Brasileiro. É Timor que nos poderá comprar títulos da dívida, e a maioria dos votos que nos elegeram para o Conselho de Segurança da ONU vieram do terceiro mundo e não da Europa - aonde o nosso principal parceiro comercial Alemanha, não teve grandes pruridos em açambarcar os votos do bloco ocidental às nossas custas.

Em relação ao aspecto estrutural, Portugal é a quintessência do problema que levou à criação dos fundos de coesão. Se a Irlanda anda a contra ciclo, que dizer de nós?...



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 22:49
link directo | psicomentar | psicomentaram (1)

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.