Segunda-feira, 5 de Novembro de 2012
A Tirania da Classe Média

Como já foi escrito neste blogue - e fruto de esclarecimento obtido de fonte directa - o pensamento político de Manuela Ferreira Leite é tipicamente social-democrata e como tal a ex-Presidente do PSD defende a classe média como o motor da economia par excellence

 

Assim se explicam as críticas recorrentes a este governo e às medidas adoptadas - e que ao contrário do que é dito pelos media, não são críticas novas. Na perspectiva de Ferreira Leite as medidas governamentais para combater a crise devem incentivar a recuperação da classe média e não penalizar esta ainda mais.

 

Aqui eu divirjo da ex-Presidente porque eu vejo na classe média Portuguesa algo mais que o motor de crescimento Português. A classe média é um trunfo da nação Portuguesa e ajuda à sua estabilidade, mas para quem queira ser mais objectivo, esta classe é também a causa de muitos dos problemas do país. O crescimento desmesurado do aparelho de Estado, apoiado pela narrativa politicamente correcta esquerdista, foi causado pelos eleitores, cuja maioria perfaz precisamente a classe média. Este aparelho de estado tem beneficiado na sua forma obesa uma classe acima das outras e esta tem sido a classe média. Como já escrevi anteriormente, as classes altas não têm necessidade do sector social do estado e as classes baixas estão condenadas a um círculo vicioso de pobreza. Sim a escola e a saúde são 'universais' mas todos temos consciência de que essa universalidade serve mais uns que outros, que as escolas são todas públicas mas que as crianças de uns são transferidas para 'certas' escolas públicas e que outras não...

 

A verdade é que a classe média nos países do sul tem mantido o aparelho estado refém e a crise revelou tal controlo como apenas mais um dos esquemas de pirâmide que foram montados quando a liquidez abundava.

 

Por conseguinte as inevitáveis medidas de austeridade e a reforma (redutora) do sector social do estado são o único caminho a seguir e tanto o governo como a Troika têm razão em insistir em cortes. 

O que poderá ser posto em questão é o 'como', e não o 'quê'.



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 09:54
link directo | psicomentar | psicomentaram (4)

Segunda-feira, 20 de Setembro de 2010
Caro Vasco

 

 

 

Este é o mesmo argumento simplista que faziam quando eu falava de MFL.

 

Será que ninguém é capaz de compreender que uma política sem sonhos é uma política gestora com responsabilidade?!

 

O 'caminho possivel' era e é sairmos do buraco aonde nos metemos. ESTA é a política! Se querem os choques tecnológicos e os estados gerais que reflectem muito e criativamente concebem a receita para as maleitas nacionais através de mais obesidade governamental, então votem PS como têm feito nas últimas décadas.

 

A crítica às politicas do governo tinha em si implícita a política de fazer o contrário: de não incorrer em mais dívida, de não querer 'transformar' Portugal, de apenas querer criar sustentabilidade para o pouco que já temos antes de entrar em mais projectos megalómanos.

 

Eu sei que não é muito sexy prometer apenas sustentabilidade. Mas tal promessa afirma-se tão grande, tão ambiciosa e tão longínqua nos dias que correm, que qualquer um que a faça honestamente só pode ser um louco patriótico über-responsável, i.e. o perfil que - chamem-me louco - eu quero no meu PM !!!!!



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 15:11
link directo | psicomentar | psicomentaram (49)

Terça-feira, 29 de Junho de 2010
Reflectindo sobre a Psico-refeição com MFL

O privilégio de poder conversar abertamente com figuras políticas como Manuela Ferreira Leite é a possibilidade de se poder vislumbrar o seu pensamento. Ferreira Leite é uma figura muito lúcida no seu pensamento político, e como poucos em Portugal, a sua integridade ideológica passou quase incólume durante as últimas décadas de evolução política em Portugal.


No centro dos seus ideais está a classe média. Sem uma classe média, a Drª Ferreira Leite não acredita que um estado possa prosperar. A social-democracia para si exige um estado, e um estado forte mas não um estado morbidamente abrangente e centralizador. A experiência dos regimes socialistas demonstra que o aparelho estado é eficaz na diminuição do abismo social, mas nunca para cima. O aparelho estado consegue uniformizar por decreto as diferenças sócio-económicas mas é pouco eficaz na potenciação da sociedade para a prosperidade. Ou seja, o estado é desejável enquanto regulador mas não enquanto produtor. 

 

Para a ex-líder do PSD, a protecção sócio-económica do estado justifica-se apenas para as classes mais desfavorecidas. O estado social deve, para si, ser um estado social mínimo.

 

O período da liderança Ferreirista no PSD caracterizou-se por uma profunda divisão ideológica entre a oposição e o governo. Esta divisão não era apenas política mas também pessoal pois o perfil de José Sócrates e o de Ferreira Leite não poderiam ser mais diferentes. As medidas anti-crise e as medidas pós-crise que os governos Sócrates tomaram contaram sempre com a oposição acérrima de Manuela Ferreira Leite porque elas se destinavam a beneficiar camadas da população dependentes do governo e a taxar as camadas da população que sendo mais independentes, perdiam a capacidade de suportar qualquer retoma económica. Este modelo perdedor persiste hoje: o governo expande a abrangência fiscal para fazer face ao endividamento que foi liderado pelo sector público nas últimas décadas – responsabilidade primária dos governos PS.

 

A dicotomia dos governos gastadores e dos governos de poupança é velha mas o pecado das últimas décadas socialistas foi terem-se demitido da responsabilidade de fazer reformas que implicassem a contenção do sector-estado.

Na III República enquanto porta-estandarte da esquerda e dos ‘trabalhadores’ – justamente ou não – e enquanto parte do arco da governabilidade e detentor de sentido de estado, o PS tem tido a missão de fazer as reformas difíceis, as reformas defendidas ...pelo PSD. O PSD tem ao longo do tempo sido esvaziado da sua legitimidade de representante dos ‘trabalhadores’ e dos ‘pobres’ pela esquerda Portuguesa pelo que quando uma reforma particularmente difícil se apresenta, a norma e a tradição – em quase todos os países aonde o espectro político pende para a esquerda – ditam que o PSD pressione a partir da oposição e que um governo PS as leva a cabo, por ser insuspeito de defender o ‘patronato’.

 

A maior vergonha não é que o governo populista de Sócrates não tenha tido a coragem ou a responsabilidade de as fazer. A maior vergonha é que o PS centralizado, estagnado e podre não tenha deixado de apoiar incondicionalmente os governos Sócrates, sabendo ainda melhor que o PSD, da irresponsabilidade com que o país tem sido governado.

 

Manuela Ferreira Leite foi há poucos dias comparada a Francisco Sá Carneiro pela sua integridade e visão … e justamente!



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 21:34
link directo | psicomentar | psicomentaram (48)

Quarta-feira, 24 de Março de 2010
Até Sempre Grande Manuela!

 

Manuela Ferreira Leite despede-se dos militantes em vídeo no site do PSD

 

(foto roubada aqui)



uma psicose de Bruno Ribeiro às 12:17
link directo | psicomentar | psicomentaram (34)

Quinta-feira, 11 de Fevereiro de 2010
Há algo que não percebo ...

     Como é que ainda há quem defenda o governo?!!!

     Já não falo da populacão que coitados são uns iludidos, mas falo nos comentadores, nos pundits, nos ditos intelectuais. 

 

      Há um ano atrás Manuela era uma anedota, porque não dizia coisa com coisa, porque não tinha alternativas, porque lhe saiam umas gaffes, porque não unia o partido, porque era retrógrada e conservadora, etc. 

 

      Hoje, tudo aquilo que ela disse se confirma e tudo por que lutou prova a sua sensatez.      Ora vejamos:

 

 

  

       - Não era carismática ou boa com os média, mas hoje os paladinos da comunicação social têm os seus nomes na lama;

 

      - Não oferecia alternativas mas afinal nem as energias renováveis salvaram o país dos efeitos nefastos do endividamento, nem os mega-projectos salvaram o país do desemprego ou deram estímulo à economia. Hoje as políticas de austeridade que sustentava são mais claras e necessárias que nunca;

 

      - Saiam-lhe gaffes infelizes. Pois, mas quem falava por slogans e não dizia nada de concreto – para todos os efeitos mantendo-se alheado da obrigação dos governantes em prestar contas das suas políticas – tambem não se saiu melhor. Pelo contrário, faltou á verdade e ainda a procurou distorcer  (Confessem lá, senhores comentadores que hoje se roem todos por dentro; é ou não é verdade, que é preferivel alguém que seja franco e competente, do que alguém que fique bem na câmara e mande uns soundbites?);

 

      - Não unia o partido mas hoje aquele que é conotado como o “seu” candidato tem sérias hipoteses de ganhar a lideranca do partido nas próximas eleições;

 

      - Não unia o partido mas levou-o a várias vitórias eleitorais. É verdade que não venceu as legislativas, mas conseguiu fragilizar o governo do PS o suficiente para o forçar a negociar na aprovação do último orçamento; ah sim! E subiu o número de deputados do partido.

 

      - Era retrógrada e conservadora mas aonde estão afinal os casamentos gay? Não se vêem nenhuns e a própria lei corre o risco de ser considerada inconstitucional. 

 

 

      Mas que pena que tenho que no meu país, aqueles que escolhem não fazer circo, sejam mantidos fora do círculo mediático dos situacionisticamente in...

      Eu sei que não basta ter-se razão, mas que raios, em qualquer pais decente, a atenção devia agora privilegiar MFL e o PSD. Ela ainda não está fora! Ela está presente, toda esta catadupa de acontecimentos que lhe dão razão não estão a acontecer depois de ela ter saído há muito de cena!

 

Pudera que depois os Portugueses se lamentem de que os politicos são todos maus.

A atenção por parte dos media não tem por base o mérito...

 

      Vergonhoso!  



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 13:11
link directo | psicomentar | psicomentaram (5)

Domingo, 24 de Janeiro de 2010
Sentido de Estado

Manuela Ferreira Leite é um nome que não será porventura recordado pelas gerações vindouras mas que no entanto, ficará para a história do PSD e também para a do país. 

 

Ela foi a primeira mulher Presidente de um partido em Portugal mas sobretudo, a primeira a liderar um dos "dois grandes" da 3ª República.

Porém, mais importante do que os simbolismos, foi a sua determinação em não sucumbir à política espectáculo, numa altura em que o zeitgeist o ditava para todos os demais (Sócrates, Louçã, Portas).

Não se declarou a porta-estandarte de nenhum sonho nem prometeu o que não podia cumprir. Assumiu-se humildemente como uma gestora capaz e deixou o deslumbre dos programas omnipotentes e omniscientes, para outros.

 

Muitos acreditam que a sua seriedade foi levada ao extremo e que o abdicar da propaganda e da demagogia condenou o PSD a um resultado mediano. Mas os últimos meses vieram dar-lhe razão em muitas questões pelas quais foi crucificada na praça pública.

Na verdade Manuela Ferreira Leite foi penalizada por ter surgido antes do tempo. Ela encarna uma política mais séria própria de tempos mais civilizados, e se alguma crítica é justa é a de que ela não se apercebeu das limitações do país a que aspirava governar.

 

A próxima votação do orçamento rectificativo, a contar com os votos do PSD, consolidará Ferreira Leite como uma líder com sentido de estado. Pois é o orçamento em que o governo recua em grande parte do seu programa de campanha e é obrigado - sobretudo pelos seus credores, mas também pela pressão do PSD - a adoptar políticas austeras e fulcrais para a sustentabilidade do Estado Português.

Teria sido fácil para Ferreira Leite abster-se, dando assim fôlego populista ao partido, à oposição e ao eventual candidato que a irá substituir na rédeas do partido.

Mas sabendo de antemão a retórica barata e gasta, de que os extremos do parlamento vão fazer uso para atacar o "centrão", a líder do PSD preferiu apostar na estabilidade do país e do governo, demonstrando um sensato sentido de estado - por estes dias monopólio do Partido Social Democrata.

 

Teria sido fácil para a actual direcção, mudar de rumo durante a campanha eleitoral ou depois das eleições de modo a subir nas sondagens, através de tomadas de posição plásticas mais "populares".

Mas o rumo traçado como necessário ao país manteve-se e veio a ser provado como mais do que certo. Não só no "défice de liberdade" e na denúncia das políticas fracturantes com que o governo PS mantinha o país iludido, mas sobretudo na situação do endividamento externo nacional, que o escândalo Grego e a descida de Portugal nos ratings de fiabilidade vieram dramaticamente cravar, numa lista de prioridades que há muito os ignorava, mascarava ou deixava escondidos no verso do edital.

 

A psicologia faz a distinção entre as ameaças apercebidas instintivamente e as apercebidas logicamente. O medo de criaturas venenosas como serpentes é primitivo e faz com que todos os seres humanos evitem contacto com elas. O medo de engordar é lógico pois ainda que sabendo que podemos ficar obesos, a falta de temor imediato alimenta a falta de determinação a longo prazo.

Ferreira Leite possuía a força de carácter de que Portugal necessitava mas que os Portugueses envorgonhadamente preteriram a favor da banha da cobra.

Porquê? Porque os Portugueses são o povo do desenrascanço e não do planeamento.

 

Manuela Ferreira Leite falou honestamente e pagou por isso mas ainda que tal a deixe fora das crónicas mediáticas, o seu contributo para o país foi inestimável e por isso a memória da sua presidência merece ser perpetuada.



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 14:22
link directo | psicomentar | psicomentaram (13)

Sábado, 28 de Novembro de 2009
A Ética Católica e o Desequilíbrio Normativo

 

Há algum tempo atrás, vi uma palestra de Ayn Rand, proferida nos anos 60, em que ela explicava a dicotomia Capitalismo Comunismo ironizando que a “moral mística do altruísmo” é nefasta não só para a economia mas também para as liberdades individuais.

 

A ideia que Rand tenta fazer passar é que a moralidade não é um bom guia para a economia, que é uma ciência. A economia é amoral e enquanto ciência tenta apenas optimizar a produção, distribuição e consumo de bens e serviços. Nada impede que façamos o nosso melhor para ajudar os demais na nossa vida privada mas sacrificarmos a nossa performance económica em nome de princípios metafísicos é derradeiramente contra-producente para todos.

 

Nos países protestantes, a ética e a moral incutem isto mesmo na sociedade e o equilíbrio entre meritocracia e solidariedade é deixado ao governo bem como às IPSS.

 

 

O problema dos países de ética católica está em que existe um claro desequilíbrio filosófico pois tanto o governo como a sociedade professam o altruísmo moralizador. A doutrina social da Igreja inocula-o há milénios e o socialismo moderno pratica-o no executivo.

 

A consequência directa deste facto é que os valores levam a uma desresponsabilização geral da sociedade. Em Portugal não há condenados em grandes processos judiciais porque o direito português é excessivamente garantista. Também as carreiras políticas são longas já que todos têm direito a uma segunda oportunidade. Finalmente, a competitividade é fraca porque o empreendedorismo e o risco são vistos com maus olhos e como tal as universidades produzem empregados em vez de investidores, o processo legislativo produz rigidez (para protecção) laboral em vez de flexibilidade de mercado (leia-se investimento).

A quintessência deste desequilíbrio é o Partido Socialista. O partido que lutou pelas liberdades cívicas contra o Estado Novo e em cujos ideais a actual constituição mais se inspirou. O partido que se bate pelas causas progressivas mas cujos líderes são católicos. O partido que promete o modelo económico sueco mas cujos militantes privam com Chavez e Castro.

 

Na verdade, o socialismo é forte em países latinos precisamente porque a ética social deriva da matriz cristã-católica que prolonga valores medievais como a nobreza ou o auto-sacrifício em prol do colectivo.

 

A mentalidade cívica é incipiente no nosso país que em vez de pragmaticamente escolher o menor dos males na urna, prefere esperar pelo estadista carismático providencial, abstendo-se ou votando em branco. Ela é incipiente pois sistematicamente escolhe o sonho dos “Estados Gerais” ou do “Choque Tecnológico” – na vertente do “New Deal”, “Great Society” ou “New Frontier” – em detrimento da realidade.

 

Manuela Ferreira Leite disse “Prometemos apenas aquilo que sabemos poder cumprir”, Cavaco que “Portugal não pode continuar (…) a endividar-se (…) ao ritmo dos últimos anos”. No lado do PS, Jorge Sampaio afirmou que havia vida para além do défice e Sócrates que tínhamos que ser positivos.

 

O PSD falava para os cidadãos responsáveis, o PS falou para os Portugueses…

 



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 08:41
link directo | psicomentar | psicomentaram (46)

Terça-feira, 24 de Novembro de 2009
Representa Ferreira Leite a Esquerda do PSD?

 

Qual a opinião dos leitores?

 

Tenho-me apercebido de que existe uma corrente de opinião que acredita que Manuela Ferreira Leite e os que a rodeiam, estão à esquerda do partido e ao centro do espectro político.

 

É isto verdade? É possível caracterizar os Ferreiristas deste modo?



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 15:58
link directo | psicomentar | psicomentaram (14)

Quarta-feira, 16 de Setembro de 2009
M de Manuela, M de Mulher, M de Mudança

 

Não sou feminista. Nem daquelas pessoas que acredita que as mulheres são mais que os homens e que deveriam conquistar o mundo. Também não acho que o papel da mulher seja exclusivamente como mãe de família e como dona de casa. Não. Acho que as mulheres conseguem ter várias qualidades que os homens por vezes não têm e simultaneamente ser frágeis em assuntos em que os homens não são.


"Atrás de um grande homem está sempre uma grande mulher". Desde pequena que ouço esta frase. Desde pequena que decidi que não a quero para mim. Quero ser uma grande mulher e simultaneamente ter ao meu lado um grande homem, para que ambos consigamos trazer ao de cima o nosso melhor.

Lá fora temos Merkl, tivemos a Golda Meir, ou a dama de ferro Thatcher.


Cá temos Manuela Ferreira Leite. Um exemplo de seriedade e princípios, mas também de humanidade e esperança.


Tenho o maior orgulho em dizer que temos Mulheres com M grande no PSD. Mais um exemplo é Paula Teixeira da Cruz.

Não precisamos só de mulheres na política, mas mais algumas são sempre bem-vindas. Também não precisamos de quotas para mostrarmos que também andamos por cá.


Felizmente há Mulheres assim na política, líderes como MFL, que conseguem mostrar que também nós queremos lutar para Mudar Portugal!



uma psicose de Essi Silva às 20:57
link directo | psicomentar | psicomentaram (7)

Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2009
Um PSD que dá gosto!

Manuela Ferreira Leite ontem encontrou-se com empresários.

Como já havia dito o Paulo Colaço, a líder do PSD têm-se encontrado com vários sectores da sociedade e feito declarações de verdadeiro interesse e impacto.

Ontem falava-se de tesouraria e da falta de necessidade da clivagem artificial que está a ser imposta pelo Governo no discurso radical ricos vs pobres. Não desconsidero o problema; mas não nos termos em que José Sócrates está a colocar a questão.

O ataque que prevejo que venha a acontecer às minhas deduções é deveras inusitado e eu estou longe de ser rico, aliás, estou como a maior parte das pessoas da dita "classe média". O motor de Portugal.

 

Na sequência do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido, foram à pouco  anunciadas as medidas anticrise para as PME.

Isto sim é o PSD que me dá gosto. É o melhor do PSD a trabalhar.

Tenho todo o direito e dever de louvar o que é de louvar e chamar à atenção o que é de chamar à atenção. Com todo o respeito e responsabilidades devidos.

É assim que nos tornamos num partido melhor, mais perto das bases, mais perto do povo.

 

Segundo avança a edição desta quarta-feira do Público, as propostas do PSD passam por favorecer, através da redução da taxa social única, quem faz mais contratações sem termo e as PME`s que promovam um aumento do número de trabalhadores.

Para os jovens empresários, a líder do PSD tem previsto um regime fiscal mais favorável, sobretudo em sede de IRC, sendo que também os prazos para pagamento do IVA devem ser alargados, assim como os reembolsos deverão chegar mais depressa às empresas.

Segundo o Público, o PSD vai ainda propor a criação de uma conta corrente entre o Estado e as empresas, a qual deverá ser alvo de um acerto mensal entre débitos e créditos.

Para a Caixa Geral de Depósitos, Manuela Ferreira Leite defende uma reorientação da estratégia, a qual deverá passar por um maior apoio à capacidade financeira das PME`s exportadoras, em conduções de crédito mais favoráveis. (...)

 

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=12&id_news=373843">http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=12&id_news=373843



uma psicose de jfd às 12:53
link directo | psicomentar | psicomentaram (5)

Segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2009
"A História vai dar-me razão"

A líder social-democrata recusou esta segunda-feira comentar as declarações de Marcelo Rebelo de Sousa sobre a queda de popularidade da dirigente do PSD, declarando que não tem «nenhuma orientação política com base nas sondagens»

 

«Não sou comentadora, por isso não comento comentários», afirmou segunda-feira Manuela Ferreira Leite, quando questionada pelos jornalistas quanto às declarações feitas por Marcelo Rebelo de Sousa, que afirmou que a imagem da líder, cada vez menos popular, representa um problema para o PSD.

«O meu objectivo é o país, não são as sondagens. Não tomarei propostas com o objectivo de melhorar sondagens», declarou Ferreira Leite.

«Seja mais popular, ou menos popular, eu não tenho nenhuma orientação política com base nas sondagens. Só com base no interesse do país», sublinhou.

«Eu só falarei verdade aos portugueses», reiterou, afirmando que «a História» lhe dará «razão».

«A história vai-me dar razão e vai dizer quanto foi errada toda esta política do PS e aí as sondagens foram favoráveis», declarou.

Ferreira Leite falava aos jornalistas no final de uma reunião com a Federação da Indústria Têxtil e do Vestuário, na sede do PSD em Lisboa.

Este domingo, Marcelo Rebelo de Sousa declarou-se «preocupado», defendendo que «o que está a puxar o PSD para baixo, mostram as sondagens, é a imagem da líder e não vale a pena negar a evidência e dizer que o mal é das sondagens».

Segundo Marcelo, Manuela Ferreira Leite «tem vindo a degradar a imagem brutalmente», «por culpa dos conselheiros».

SOL
 

Oxalá assim seja!



uma psicose de jfd às 18:56
link directo | psicomentar | psicomentaram (9)

Quinta-feira, 8 de Janeiro de 2009
"De que tem medo o Primeiro-Ministro?"

Manuela Ferreira Leite desafiou, ontem, José Sócrates para um debate. Segundo a líder do PSD, "assistimos em poucos dias ao desmascarar das políticas prosseguidas pelo Governo nesta Legislatura" e, como tal, assente no pressuposto de que o seu partido tem apresentado alternativas e alertado para os erros do Governo, defende que este debate será uma forma de contrariar a postura do Governo que "usa a sua máquina de propaganda para deturpar ou encobrir as propostas do PSD".

 

Entretanto, Sócrates já mandou dizer, por Augusto Santos Silva,  seu mensageiro mais activo nos últimos tempos, que o Primeiro-Ministro "debate na Assembleia da República (...) todos os quinze dias" e que "não é uma responsabilidade do Governo o facto de a drª Manuela Ferreira Leite não ser deputada do PSD".

 

Em resposta, Aguiar Branco, pelo PSD, perguntou "De que tem medo o Primeiro-Ministro?". Eu, que já algumas vezes critiquei o actual Vice-Presidente do PSD concordo agora com ele e reforço a pergunta! É que me parece que este debate poderia não servir a MFL (debates não são o seu forte), poderia não servir a Sócrates (Economia é a especialidade da sua adversária) mas serviria pelo menos para os Portugueses verem esclarecidas algumas das suas dúvidas sobre quem escolher em 2009.



uma psicose de Bruno Ribeiro às 18:47
link directo | psicomentar | psicomentaram (16)

Sábado, 23 de Agosto de 2008
O Soneto e a Emenda
Carjacking, sequestros, assaltos à mão armada e homicídios marcaram, quase diariamente, esta época estival. O Ministro da Administração Interna vai anunciar novas medidas: casa roubada, trancas à porta.
No mesmo dia em que Menezes critica, duramente, o silêncio de MFL, a direcção laranja emite um comunicado a condenar a inoperância de Rui Pereira face a esta preocupante (e crescente) onda de violência. Pede a sua demissão.

Porque no te callas é o que muitos dirão das declarações de Menezes. Mas, e o comunicado, será oportuno? Será a demissão do MAI a solução para esta crise de violência?


uma psicose de Margarida Balseiro Lopes às 04:49
link directo | psicomentar | psicomentaram (18)

Domingo, 17 de Agosto de 2008
O dia depois de amanhã
Passaram quase três meses desde a eleição de MFL. No dia 31 de Maio era eleita a primeira presidente mulher dum partido do arco governativo, facto quase (e naturalmente) esquecido. Uma resposta clara e inequívoca à lei das quotas, ao PS e aos movimentos sexistas que estultamente têm menorizado o papel das mulheres na política.

Desde a eleição, o PSD subiu nas sondagens, afastando o PS da maioria absoluta.
Apesar de não ter contratado nenhuma agência de comunicação soube marcar a agenda política nacional. Certeira nas declarações que faz, a silly season trouxe alguma contenção nas aparições públicas, até porque será em Castelo de Vide a rentrée.

O seu discurso é ansiado pelos social-democratas, temido pelos socialistas e esperado pelos portugueses. Vêm aí tempos de mudança.


uma psicose de Margarida Balseiro Lopes às 04:24
link directo | psicomentar | psicomentaram (52)

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.