Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2011
Alegre, o Hipócrita

 

 

 

 

"Se alguém é um Presidente da República de facção, chama-se Cavaco Silva, que tomou posição ao ameaçar com uma crise política"

 

 

É preciso ter-se muita lata para num dia se ser apoiado por Jorge Sampaio e no outro acusar Cavaco (o candidato que Ramalho Eanes apoia, já agora) de ser faccioso.

 

Não foi ele que se candidatou "contra a direita"? O tal "bloco conservador" ?

 

É preciso ter lata...



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 18:33
link directo | psicomentar

Terça-feira, 19 de Outubro de 2010
Um dilema (pouco) Alegre

 

Muitos têm dado a sua opinião sobre o que entendem sobre este Orçamento do Estado! Muitos... mas não Manuel Alegre!

 

Este silêncio de um candidato à mais alta magistratura do país é comprometedor!

 

Para alguém que sempre anunciou a sua candidatura como "suprapartidária, mas não neutra" demonstra agora que se encontra preso às posições opostas dos partidos que o apoiam. Por um lado o BE que vai votar contra este OE, do outro o PS que é seu autor!

 

Foi Alegre que acusou Cavaco de ser conivente com vários compromissos, mas é ele quem se encontra agora amarrado a uma teia tão densa, espartilhado entre os compromissos com o BE e o PS, tendo de evitar qualquer irritação de ambas as partes, perdido na confusão ideológica que sempre o caracterizou!

 

O que se pretende de um candidato presidencial é que tome posições firmes, concretas e transparentes, apresentando orientações através de um programa claro baseado na realidade. Que no meio da tribulação seja a voz da moderação e do equilíbrio, alertando sempre para o que está mal e evidenciando os bons exemplos... nunca se remetendo ao silêncio quando se trata de uma questão de importância nacional.

 

Esta candidatura é de facto neutra, porque Alegre não se sabe para onde virar...

Esta candidatura passou rapidamente de suprapartidária para infrapartidária, porque Alegre se sucumbiu aos interesses dos partidos que o apoiam...

 

Não é este o Presidente que Portugal precisa!



uma psicose de Paulo Pinheiro às 12:28
link directo | psicomentar | psicomentaram (6)

Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2010
Alegre?! Alegre. Alegre ...

 

 

Que Manuel Alegre será o mais forte rival de Cavaco Silva nas próximas eleições já é bem claro. Mas é de pasmar que ninguém inquira o porquê...

 

O que oferece Alegre ao país? Já governou ele alguma coisa? Sabemos que foi deputado e militante mas experiência de governação? Nenhuma... Nem uma secretariazita de estado? Nada...

Edita algumas publicações no seu tempo e pouco mais embora a sua biografia oficial refira que "(...) participa esporadicamente no I Governo Constitucional de Mário Soares (...)", algo notável para alguém que nunca foi capaz de acabar a licenciatura...

 

É de louvar que a sociedade civil promova candidaturas de fora do mundo político mas se a experiência de trabalho é exigida a todos os recentes licenciados (que em muitos casos apenas a podem adquirir com estágios ou trabalhos não remunerados) porque não aos candidatos? 

Ora, para além dos seus dotes literários e da sua vida de militante, que tem ele a oferecer ao Portugueses? Poderíamos dar o benefício da dúvida, até porque as melhores ideias podem vir das pessoas e áreas mais insuspeitas, mas na verdade Alegre não tem uma única proposta concreta.

 

Sempre que procedemos ao exercício de conceber uma presidência Alegre, vemos as nuvens negras a avançarem no horizonte:

 

Alegre diz que se quer opor ao "bloco conservador" e que a direita quer monopolizar o poder executivo mas na verdade Alegre concretizaria isto mesmo para o PS (nem sequer para a esquerda), já para nem falar que um Presidente deve falar pelo Estado e por todos os cidadãos e não apenas pelos que não são "conservadores". Mas será que o Sr. Candidato não percebe que se está a assumir como tendencioso?

 

Nunca é bom sinal quando alguém se apresenta como contraposição mas que tem Alegre a oferecer de positivo? Oferece "(...) uma alternativa, de esquerda, mas também daqueles que não se conformam e que querem ver renascer a esperança em Portugal". 

 

Não é concebível proposta mais estéril e demagogicamente barata mas adiante, que tem ele a dizer da principal bandeira da actual Presidência - a economia?

"(...) citou Jorge Sampaio para dizer que há mais vida para além do orçamento".

 

Ou seja, em oposição ao programa de Cavaco de "cooperação estratégica" com o governo, e de vigilância e supervisão sensata a potenciais erros do executivo - Estatuto dos Açores, endividamento nacional - Alegre adivinha-se como um Presidente belicoso, qual elefante na loja de porcelana da política Portuguesa, sem sequer tendo a consciência de que o próprio Sampaio - tarde e a más horas - veio alertar para o problema da dívida, como que à procura de redenção.

 

Se um Sampaio indolente deixou o despesismo guterrista levar o país para o pântano, então que podemos esperar de alguém que numa altura em que o Estado Português bate recordes de endividamento, e na mesma semana em que as agências de rating penalizam Portugal, decide re-anunciar aos Portugueses que há vida para além do défice?...

 

Seria difícil que alguém que conta com o apoio do Bloco de Esquerda tivesse a mínima credibilidade mas mesmo depois de dado o benefício da dúvida a única conclusão a tirar é que Alegre não é nem nunca será ..."presidenciável".



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 18:48
link directo | psicomentar | psicomentaram (15)

Sábado, 19 de Setembro de 2009
Fashion-victims!

Há coisas fantásticas. Uma delas são as modas políticas.

 


 

Colecção Legislativas 2009/2013: "Asfixia Democrática"


Toda a gente o diz. A expressão "Asfixia democrática" está na moda. Ainda hoje vinha no metro e ouvi uma menina a perguntar à mãe o que significava. (A mãe é que não tinha fashion-sense e só soube explicar com um "são coisas de adultos")


Começou com Manuela Ferreira Leite que lançou a expressão no tópico da saída de Manuela Moura Guedes do Noticiário de Sexta-feira da TVI. "quando há um sentimento no país de que existe verdadeiramente uma asfixia democrática [...]"


Seguiu-se o PS, que não poderia resistir ao desafio da oposição, a implicar com a governação de Jardim na Madeira e a falar sobre o afastamento de Pedro Passos Coelho pela líder do PSD.


Como Louçã não queria ficar para trás na nova "trend", também decidiu juntar-se à malta. "A primeira asfixia democrática foi quando, no tempo de Cavaco Silva, se controlavam os telejornais da RTP"


Com o caso das escutas à Presidência da República, o PSD voltou a revindicar a moda como sua (recordem-se que foi Rangel quem criou o conceito nas Celebrações do 25 de Abril em 2006) e a demonstrar a sua supremacia no mundo da haute-couture política.


Mas tal como numa verdadeira guerra entre a Versace e a Gucci, o PS lançou-se logo com Manuel Alegre a afirmar que  “A lógica do Estado mínimo traz consigo uma lógica de asfixia social e esta sim traz asfixia democrática”.


Aguardamos mais detalhes da Fashion TV mas até lá apontem aí: Asfixia democrática! Um must-have da nova colecção Primavera/Outono 2009!


:

uma psicose de Essi Silva às 23:05
link directo | psicomentar | psicomentaram (23)

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.