Domingo, 9 de Maio de 2010
A Ética Católica e o Desequilíbrio Normativo (II)

Na antiga sociedade chinesa da era clássica, havia um sistema social não muito diferente das castas Indianas. Não era tão estanque e o governo imperial oferecia a possibilidade de ascenção na sociedade através da burocracia estatal (mandarins) mas ainda assim, a origem social era importantíssima para a vida futura e profissional de um chinês. Isto gerava preconceito pois enquanto que todos aqueles que produzissem algo tangível ou tivessem um vínculo à terra eram moralmente rectos, os outros não. Assim os agricultores, artesãos e claro que a nobreza terratenente e os letrados, eram tidos em grande conta mas os nómadas e os especuladores não. Os artistas e os comerciantes estavam no fundo da hierarquia social por não produzirem nada de visível para a sociedade e eram discriminados apesar de os seus serviços serem utilizados e de eles chegarem a possuir vastas fortunas.

 

Na Europa medieval, o sistema feudal consistia em algo de semelhante e a influência deste sistema ainda se sente hoje. A ênfase dos partidos socialistas e comunistas na defesa dos “trabalhadores” por exemplo, é um resquício deste código moral. Um pouco por todo o mundo, os conservadores mais à direita ainda reflectem uma oposição bastante religiosa à vida urbana e ao liberalismo, enaltecendo em oposição as virtudes da vida e valores rurais.

 

O ódio aos economistas e à finança reflecte em grande parte, este preconceito próprio de sociedades rurais. Em Portugal e nos países latinos, a moralidade (católica) e a ideologia governativa do estado providencial (socialista), alimentam esta mentalidade.

 

 

Esta tensão nas sociedades devia-se na antiguidade, à passagem do nomadismo ao sedentarismo e hoje em dia deve-se à globalização. Um pouco por toda a Europa, os políticos foram obrigados a reconhecer as virtudes do comércio e dos mercados livres. No entanto, na Europa, as profundas divisões ideológicas nas sociedades não foram resolvidas, foram simplesmente adiadas, com a construção de sistemas de segurança social alimentados pelo baby boom e protegidos pela indústria bélica norte-americana.

 

 

As crises financeiras do sul da Europa vêm hoje reclamar uma solução para aquilo que foi adiado durante décadas. Nem a população cresce a um ritmo que permita manter os apoios sociais nem os EUA com a multipolarização do mundo, estão dispostos a defender interesses Europeus.

 

Em Portugal, a mentalidade retrógrada ainda mantém no parlamento 60% de partidos socialistas – apesar de no PS haver uma divisão entre liberais e conservadores. Talvez por isto, a obsessão pelas obras públicas não pareça escandalosa aos Portugueses, numa altura em que medidas de austeridade se deveriam impor. Porque as obras públicas são a construção de algo tangível que, ao contrário de medidas de contenção financeira, podem ser vistas e apreciadas fisicamente. Aos Portugueses talvez interesse mais a renovação da infra-estrutura das escolas que a reforma dos currículos.

 

O desequilíbrio normativo em Portugal é particularmente nocivo à sociedade porque numa era de globalização e crescente individualismo, nenhuma instituição nacional está encarregue da responsabilização do indivíduo. Os governos são eleitos para “dar” beneces (neste sentido Sócrates é um bom aluno do Major Valentim) e a moral católica incute o sentido de culpa pelo sucesso individual (orgulho é pecado).

 

 

Somos um povo obcecado por direitos e não deveres. Se a solução não for autónoma, ela será externa. Se não nos responsabilizarmos, os nossos credores responsabilizar-nos-ão.

 

Assim, resta a pessoas como eu, a vaga esperança de algum dia ver um político com coragem suficiente para gritar “Não perguntem o que o país pode fazer por vós mas sim o que podem fazer pelo país”.

 

Tempus fugit Portugal, tempus fugit ...



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 10:37
link directo | psicomentar

3 comentários:
De Miguel Nunes Silva a 9 de Maio de 2010 às 10:40
Para acederem ao artigo "A Ética Católica e o Desequilíbrio Normativo (I)" = http://psicolaranja.blogs.sapo.pt/527715.html


De Catarina Rocha Ferreira a 9 de Maio de 2010 às 12:23
há políticos com essa coragem, o problema é que os portugueses ainda não aprenderam e na hora da escolha a mão foge e fazem a cruzinha nos políticos das "beneces"... excelente análise, Miguel!


De Miguel Nunes Silva a 9 de Maio de 2010 às 14:16
É verdade Catarina.

Mas já não tenho fôlego para falar da enorme injustiça que foi feita a MFL pelos eleitores.

Já só peço que a visão dele se torne numa escola ou tendência.


Comentar post

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.