Quarta-feira, 30 de Setembro de 2009
Ou um destes é melhor?



uma psicose de jfd às 15:56
link directo | psicomentar | psicomentaram (12)

É mesmo ele que querem?

                                            

Passos Coelho é, tal como Sócrates, uma das criações mais perfeitas da comunicação social. O seu pensamento é pouco conhecido e o seu trunfo limita-se a ser mais jovem do que a maioria dos restantes putativos candidatos a líder (pouco mais novo, refira-se). Surgiu de sopetão na vida política portuguesa recente - e os media, desejosos de novidade (e porque em termos comunicacionais mais vale os soundbytes de Passos Coelho do que o estilo apagado de Ferreira Leite) apresentavam Coelho como o D. Sebastião que, numa noite de nevoeiro, apareceu para salvar o PSD.

 

Deixo aqui algumas questões para todos ponderarmos e reflectirmos, não seguindo a espuma mediática que tem sido tão negativa para o nosso partido:

 

1. - Passos Coelho defende o casamento entre homossexuais. Acham que um partido como o PSD deve assumir como sua bandeira esta causa? Querem que a ILGA, os movimentos gay andema  distribuir bandeiras em frente à sede do partido, como aconteceu no passado domingo, quando se confirmou a vitória do PS? Militantes da JS andarama  distribuir aquelas bandeirinhas...

 

2. - Passos Coelho é um liberal "à portuguesa", como afirmou Manuela Moura Gueses. Diz-se muito liberal, defende a privatização da Caixa Geral de Depósitos, masfica sempre a meio caminho, não tem coragem de expor o seu pensamento, entrando em contradições constrangedoras. Dá a sensação de que esconde algo. De quem tem consciência de que disser o seu verdadeiro plano estratégico para Portugal, não conquista um voto que seja! Não inspira confiança - pelo contrário, suscita muita desconfiança.

 

3 - Passos Coelho representa a renovação do partido. Como? Já olharam para o seu staff de apoio? Afirma-se, inclusive, que o seu mentor político é Ângelo Correia e tem dificuldades em se deslocar deste último. Mas não vou tão longe.  Basta saber que quem está com Passos é Mira Amaral, Miguel Relvas, Hermínio Loureiro, Paulo Teixeira Pinto, ...tudo rostos novos, frescos, cheios de vitalidade política! Haja sensatez na análise.

 

Caros companheiros, o futuro do PSD não pode passar por Passos Coelho. Não tem estatura política para proceder à refundação que alguns desejam - e o rumo que quer traçar para o partido é errado (o casamento gay é um dos pontos que o aproxima perigosamente de Sócrates). Passos Coelhos quer levar o PSD para uma esquerda liberal, que defende que o Estado deve desaparecer da economia, apenas corrigindo algumas desigualdades e a nível de costumes e questões comportamentais, cada um deve fazer auilo que bem quiser,  sugerindo até (vá se lá entender) a despenalização do consumo de drogas. Pequeno pormenor: o PSD não é o BE... 

 

Será isto que querem para o nosso partido? Vivemos num momento decisivo da história do PSD. Só um líder carismático, reconhecido pela sua honestidade e reconhecido pelos portugueses pela sua inteligência excepcional, poder de comunicação e capacidade d liderança poderá revitalizar o partido e lançá-lo par aum novo ciclo de vitórias. E as vitórias do PSD serão vitórias de Portugal. Direi quem é este nosso militante nos próximos dias.  



uma psicose de João Lemos Esteves às 14:36
link directo | psicomentar | psicomentaram (20)

Terça-feira, 29 de Setembro de 2009
Fear of the Dark

 

"I am a man who walks alone
And when I'm walking a dark road
At night or strolling through the park
When the light begins to change
I sometimes feel a little strange
A little anxious when it's dark"



Uma análise dos últimos 3 dias


Perdemos as legislativas. Estou triste e desiludida. Mas cada povo tem o que merece e o nosso vai pagar caro por esta escolha.

Tenho várias coisas a apontar neste post. Vou começar com a que me parece mais óbvia.

Muitos não gostam de vozes críticas. A verdade é que o PSD perdeu estas eleições porque quis. Repudiaram a ideia dos típicos comícios, esquecendo-se que a imagem populista não é a melhor, mas vende. Não quiseram chegar às pessoas e foi com tristeza que vi a comparação entre o encerramento da campanha do PS e o do PSD. Quando a vitória se soube dos socialistas, eles esperaram o seu líder na sede do Partido (e ele carinhosamente, não apareceu). Mas estavam lá a festejar  à espera dele. Nós repudiámos várias vezes as pessoas que nos apoiam e não tivemos atenção a tentar chegar àqueles que nos poderiam apoiar - os indecisos. O partido tem de arrumar a casa, tem de se redefinir e voltar não a meio gás, mas com toda a força que sei que tem!


Estou pessimista em relação ao caminho do meu país. Tenho medo do escuro, do fosso para o qual nos dirigimos. Quem julga que Portugal não está tão mal como parece vive numa ilusão e não conhece a realidade da sociedade portuguesa. A Justiça não funciona, não nos sentimos seguros na rua, empresas estão a falir e o desemprego aumenta a olhos vistos. Os estudantes cada vez mais recorrem às bolsas para poder estudar, isto quando não têm que ir trabalhar para sustentar o resto da família, porque o mercado de trabalho não absorve os pais de 50 anos ,que entretanto estão no desemprego. E outros, vivem às custas de rendimentos sociais de inserção e do subsídio de desemprego, porque compensa mais não trabalhar, que acordar às 7 da manhã para ir para o emprego quando se ganha precisamente o mesmo e não se pode ir para o café beber um fino e ler o desportivo.


E agora eis que nos surge Cavaco Silva a levantar uma questão que já fez correr imensa tinta, que custou sem dúvida votos nas legislativas e que nos demonstra o tipo de Governo com que lidamos. E ainda assim o povo não se enxerga!

Não acredito que Cavaco seja ingénuo. Ele sabia o que fazia e certamente terá muito mais que dizer. Acusações graves foram feitas e foi declarada guerra. Resta saber quem sairá bem. Se o PS que se vitimiza e asfixia tudo e todos, se o PR que merece respeito e que tem sido alvo das mais duras e injustas acusações.


O jogo continua em aberto. Teremos mais um período eleitoral em breve, no qual espero que o PSD calce as botas e parta para a ofensiva a sério. Até porque caso as coisas se mantenham neste rumo, já disse que faço as malas e vou para a Finlândia!

 

 

 


:
: Iron Maiden - Fear of the dark

uma psicose de Essi Silva às 22:50
link directo | psicomentar | psicomentaram (16)

Agora caladinhos e respeitinho que é bonito e todos gostamos.

Que termine agora a falta de respeito por sua Excelência o Presidente da República.

É vergonhoso ter de ler o que se tem escrito sobre o senhor.

Alguns comentários roçam mesmo o mau gosto e me parecem pouco patrióticos.

Haja vergonha na cara.

Agora estão todos no seu lugar.

Estou triste pelo papel a que se prestou hoje o nosso Presidente, mas estou feliz pela sua firmeza e atitude perante o povo Português.

Esclareceu, falou, tá falado.

Agora o PS que engula um SAPO.

Agora o PSD que se cale e peça perdão.

Todos os outros que se resumam aos seus papéis.

Chega de República das Bananas. Palhaçada.



uma psicose de jfd às 20:04
link directo | psicomentar | psicomentaram (38)

Façam as vossas apostas

Presidente da República marca declaração para amanhã às 20h00

 



uma psicose de Paulo Colaço às 00:52
link directo | psicomentar | psicomentaram (18)

Segunda-feira, 28 de Setembro de 2009
Satisfeitos?

Pedro Passos Coelho defendeu esta tarde que “o PSD terá de encontrar um caminho diferente no futuro”, mas afastou para já uma disputa pela liderança, adiando para depois das eleições autárquicas alguma posição mais incisiva. Ainda assim, deixou claro: “Nunca pedi a demissão de nenhum presidente” do PSD e “não irei” fazê-lo.

Passos Coelho considera que é tempo de dar apoio e estabilidade aos que estão em campanha eleitoral e por isso não é tempo para se discutir a liderança do partido. Ferreira Leite deverá ter um curto espaço, de duas semanas, em que a sua liderança não estará na agenda. Já ontem, a presidente do PSD deixou em aberto uma possível demissão após as eleições autárquicas, agendadas para 11 de Outubro.

Respeito todos os autarcas que estão a lutar pelas campanhas eleitorais, o que me obriga a não abrir uma discussão interna no PSD que prejudicasse a campanha eleitoral”, afirmou Pedro Passos Coelho.

Contudo, “não podemos fazer de conta que não tivemos a derrota eleitoral que tivemos”, adiantou, acrescentou que “todos nos sentimos derrotados”.

Passos Coelho adianta que “o PSD vai tirar conclusões” dos resultados eleitorais mas “com elevação”.

Questionado pelos jornalistas se iria pedir a demissão de Manuela Ferreira Leite após as autárquicas, Passos Coelho afirmou: “Nunca pedi a demissão de nenhum presidente e não irei inaugurar hoje
uma nova postura. (!)

É um tipo de cenário não se adequa” à situação actual, salientou.

Passos Coelho defendeu ainda que “o PSD terá de encontrar um caminho diferente no futuro. Não podemos ficar presos ao passado, mas não é altura de ter essa discussão”.

A Dra Manuela Ferreira Leite já o anunciou”: depois das eleições autárquicas haverá uma discussão interna sobre resultados eleitorais e liderança do partido.

Passos Coelho sublinhou que só vai pronunciar-se quando decorrer o conselho nacional do partido, já que “sou conselheiro”.

O conselho nacional do PSD vai reunir ainda em Outubro, depois de serem conhecidos os resultados das eleições autárquicas.

 

Jornal de Negócios

negrito e exclamação encarnada da minha autoria



uma psicose de jfd às 19:55
link directo | psicomentar | psicomentaram (14)

Refundação...

 

 

Este post poderia facilmente chamar-se "A deriva do PSD". Não é recente. Não me refiro a Manuela Ferreira Leite, a Santana Lopes ou a Luís Filipe Menezes. Esta questão ultrapassa em muito qualquer liderança. É neste momento, endémica ao partido.

 

Desde 1995, o PSD apenas governou 2 anos e meio. Façam as contas: em 14 anos, desde as maiorias de Cavaco Silva, o PSD esteve fora do Governo mais de 11 anos. Normalmente este é o argumento utilizado para focar um ponto: a estagnação da última década é consequência de sucessivas governações socialistas. Talvez, mas a verdadeira lição a tirar não é essa, mas sim, porque é que o Povo português insiste em não confiar em nós?

 

Podemos usar os argumentos faceis do costume: "O povo foi estupido ontem", a politica é à base de "pão e circo" ou "cada povo tem o governo que merece". Não concordo com alguns companheiros de blog nesta questão: Se a mensagem não passou, a culpa também recai - e muito - no mensageiro. Esta é uma das lições primordiais da comunicação.

 

Olhemos à nossa direita: o CDS-PP. Tinha uma mensagem, um programa, e tinham também comunicação. Nós ficamo-nos pela mensagem. Mas o problema é ainda mais profundo. Erros de mensagem acontecem... mas não derivam numa década fora do poder. Olhemos bem para os resultados de ontem: iguais a 2005. Dois momentos politicos diferentes, dois estilos de liderança que têm tanto a ver um com o outro como o dia da noite e no entanto... o mesmo resultado! 

 

Ontem, tal como em 2005, tivemos o voto FIEL ao PSD. Aquele que não vota em mais ninguém, sem fazer perguntas. O nosso "nicho". Mas não chega! E escusamos de começar com a guerra "pois, a culpa é de MFL, se fosse ________________ (inserir nome da vossa preferencia) teríamos ganho". O problema é "estrutural" e endémico ao partido.

 

Em primeiro lugar, temos um problema base, de falta de estratégia. Alguém, no PSD, se dignou a perguntar "o que é que o eleitor [o consumidor da 'social democracia'] quer?". Sentem-se asfixiados? Bem, a julgar pelo resultado, não. TGV? Sim ou não? Daqui é que se define em que tocar e não tocar. Quando há uma crise, as pessoas não querem um partido de poder a falar dia e noite de como as sondagens são más com 30 por cento de indecisos, a democracia é asfixiada... ah e não somos Espanha. E foi isto que passou!

 

Mas, mais grave: quando um vendedor não sabe aquilo que está a vender, então como se está à espera que ele convença o comprador?! É que afinal, eu não sou o único a não entender bem o que é isto de "Social Democracia Portuguesa". Há 15 anos que os portugueses também não percebem muito bem! Quem me conhece, sabe que sempre bati nesta tecla: também no pensamento politico temos de nos refundar. A imagem que damos neste momento é de um partido de poder pelo poder. 

 

Falei aqui e aqui disso. Também no conselho distrital de Lisboa, me atrevi a referir este tópico, a uma semana das eleições Europeias. Tal como na altura, tenho a sensação que ninguém vai entender a necessidade de definir o que somos ao eleitorado. O que defendemos. Que se calhar, não somos "social democratas", e não temos medo de o assumir. Que temos um projecto para o país! Um projecto que não é de esquerda. Que somos um partido que se caracteriza por, embora não confessional, partilhar valores da Democracia Cristã Europeia,  que congrega Conservadores e Liberais, que defendemos um Estado mais pequeno e menos "dirigista" e somos fiscalmente conservadores. Que em suma, não estamos aqui para o poder pelo poder. Que não nos encobrimos com o manto duma pertença 'social democracia' [Para quem não entendeu à primeira: Sociais democratas são o burgo ali ao lado que ganhou as eleições!] porque temos medo que o país não vote no projecto que defendemos para o país!

 

Temos de parar para pensar. Limpar o partido. Reformar a sua estrutura, pesada demais, e desadequada aos tempos que correm. Definir o nosso "produto", o nosso "projecto" e depois, no fim, arranjar uma estratégia com pés e cabeça para convencer-mos os eleitores a votarem PPD/PSD.

 

O PP Espanhol esteve uma década fora do poder até se refundar (com Aznar). O Labour inglês teve o periodo Tatchet/Major, quase 14 anos, até aparecer Blair, e refundar o partido. Blair esse que obrigaria os Touries ingleses ao mesmo: 12 anos sem governar, até entenderam, com Ian Duncan Smith e David Cameron, que o problema não eram os eleitores mas sim eles, que tinham uma mensagem má e mal transmitida! Quanto tempo mais vai o PPD/PSD ter de ficar fora dos corredores de S. Bento, até entendermos que temos de parar para pensar e refundar a direita em Portugal?


:

uma psicose de Guilherme Diaz-Bérrio às 15:34
link directo | psicomentar | psicomentaram (13)

Será que o povo é mesmo estúpido?

 

Analisemos os resultados destas legislativas. 

 

Os "estúpidos" acabaram por dar a vitrória a um partido e a um líder que contestaram fortemente durante mais de 4 anos, com quem gozaram por causa de uma licenciatura estranha e de quem não estranharão se se confirmar que recebeu luvas do Freeport.


Mas os "estúpidos" são também aqueles que mostraram ao PSD que não entregam o governo a outros só porque não gostam muito de quem lá está. Mostraram-nos que para sermos alternativa não basta sermos contra.

 

Os "estúpidos" deram ainda indicação que não vão nas falinhas mansas de Louçã e que se calhar alguns "estúpidos" até percebem que o modelo albanês não serve para governar um país como Portugal.

 

Mais: houve uns que disseram que apesar de serem "estúpidos" potencialmente ainda mais estúpuidos por serem jovens, acreditam que dar crédito a quem defende causas importantes para o país (Segurança, Agricultura, Economia) em vez debandeiritas (fumar ganzas, casar com alguém do mesmo sexo, abortar porque sim) é importante.

 

Serão assim tão estúpidos? Talvez até sejam mas lá que os seus recados merecem a nossa atenção, isso eu acho que merecem!



uma psicose de Bruno Ribeiro às 14:46
link directo | psicomentar | psicomentaram (19)

Amizades...

 

"Nós juntamo-nos ao júbilo que há nos socialistas portugueses, nós os socialistas do mundo. Esse é o caminho" 

 

"Diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és." Neste caso, não é preciso dizer mais nada.



uma psicose de Luís Nogueira às 13:13
link directo | psicomentar | psicomentaram (2)

Escolha é escolha

Hoje, os portugueses começam a trabalhar após um acto eleitoral muito intenso. O povo português escolheu. Foi claro na sua escolha. Disse aos partidos que maiorias absolutas agora não. Disse ao povo português que quem dorme à sombra da bananeira arrisca-se a perder votos.

 

Este resultado eleitoral demonstra que a tendência para o bipartidarismo é algo que foi recusado.

 

O PS venceu as eleições mas desapareceram 500 mil eleitores relativamente às eleições anteriores. E para onde foram esses eleitores? O PSD não soube capitalizar, nem aproveitar, fez uma campanha discreta, sem chama, sem alegria. Atrevo-me a dizer que sem muitas ideias. Pecámos na disposição com que nos apresentámos a este acto eleitoral. O balão de oxigénio das Europeias não chegou. Sócrates não é Vital Moreira. E Manuela Ferreira Leite, a nossa líder, respeitada pelos militantes não nasceu para campanhas, para cativar eleitores. É uma pessoa séria, mas é uma pessoa distante do eleitorado. O seu discurso é a ferramenta de trabalho. E as pessoas não votam pelo que pensam que ela irá fazer, mas sim pelo que nos dizia.

 

O CDS é o grande vencedor. E mereceu. Portas, foi e é um sobrevivente. Resiste a tudo o que são más sondagens e luta pelo país, tantas vezes ele e os seus dois assessores. Mas foi recompensado. Ganhou uma franja do eleitorado que o PSD, fruto da sua candidata afastou: os jovens. Como Portas disse no seu discurso, os jovens não são de extrema esquerda. E não são mesmo. Portas hoje tem o poder de entrar no Governo. A meu ver deveria resistir a essa tentação. Tem um grupo de deputados de grande qualidade e sobretudo jovens. O PSD foi uma desilusão na sua lista de deputados.

 

O Bloco de Esquerda foi o partido assim assim. Chegou a sonhar com um resultado de dois digitos, mas Sócrates deu o KO necessário para afastar a classe média que até achava Francisco Louçã um tipo porreiro. A CDU lá anda. Qual clube de futebol, com a sua cassete riscada.

 

O povo decide e ordena mesmo. Uma última palavra para a abstenção. Foi elevada para umas eleições legislativas. Elevada demais, que merece uma reflexão de todos.



uma psicose de Diogo Agostinho às 09:12
link directo | psicomentar | psicomentaram (5)

Política de Verdade

Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão
Porque os outros têm medo mas tu não
Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão
Porque os outros se calam mas tu não

 
Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo
Porque os outros são hábeis mas tu não
 
Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos
Porque os outros calculam mas tu não.
 

Sophia de Mello Breyner Andreson



uma psicose de Paulo Colaço às 03:39
link directo | psicomentar | psicomentaram (24)

Domingo, 27 de Setembro de 2009
Eleitos no meu círculo eleitoral. Identifico-me com 1 pessoa...
Manuela Ferreira Leite
Manuela Ferreira Leite
68 anos
Economista
 
Marques Guedes 2
Luís Marques Guedes
51 anos
Advogado

 
 
Matos Correia 2
José Matos Correia
46 anos
Advogado

 
 
MJ Nogueira Pinto 2
Maria José Nogueira Pinto
57 anos
Consultora

 

 
 
Pedro lynce 2
Pedro Lynce
66 anos
Professor Universitário

 
 
Arménio Santos 2
Arménio Santos
63 anos
Bancário

 
 
Clara Carneiro 2
Clara Carneiro
57 anos
Farmacêutica
António Preto 2
António Preto
50 anos
Advogado

 

 
 
Matos Rosa 2
José Matos Rosa
49 anos
Consultor

 

 
 
Helena Lopes da Costa 2
Helena Lopes da Costa
56 anos
Professora

 
 
Duartes Pacheco 2
Duarte Pacheco
43 anos
Economista

 

 
 
António Amaro 2
António Leitão Amaro
29 anos
Professor Universitário

Celeste Amaro 2

Celeste Maria Amaro
53 anos
Técnica Superior


uma psicose de jfd às 23:48
link directo | psicomentar | psicomentaram (3)

Como será o amanhã?

 

Sócrates, o arrogante vai ter de se entender com alguém. Vai ser uma chatice porque são todos uns demagogos populistas que andam há anos a tentar crescer à custa dele e a cuspir-lhe em cima com as maiores injustiças.

 

Poderá tentar uma Aliança de Esquerda mas para isso terá de se entender exactamente com os dois partidos que costumam dizer que o PS dele é de direita.

 

Poderá virar-se para a direita mas sabe que contará com um Paulo Portas que já tem experiência em ser sanguessuga dos louros de uma coligação. Mas, sinceramente, não vejo o líder do CDS a cometer esse erro estratégico, muito menos agora que parece conseguir atracar o CDS a uma expressão eleitoral significativa.

 

Poderá virar-se para o centrão mas sabe que Manuela Ferreira Leite não compactuará com as suas criancices nem com a forma trauliteira de fazer política da sua entourage.

 

É por isso que o ouvimos há pouco gritar esganiçado pelo nome de António Costa. Porque joga num bom resultado autárquico a grande vitória que poderá c onseguir em termos parlamentares: afastar MFL e provocar uma crise no PSD.

 

Como será o amanhã? Responda quem puder... Eu cá vou começar o dia no Pragal a fazer campanha :D



uma psicose de Bruno Ribeiro às 23:43
link directo | psicomentar | psicomentaram (2)

Faltam os círculos fora de Portugal



uma psicose de jfd às 23:42
link directo | psicomentar | psicomentaram (1)

Definitivamente

O grande vencedor da noite. Contra tudo e contra todos. Espero e desejo que utilize bem os seus deputados no parlamento. Que não os entregue de mão beijada ao PS.

Voltamos à Governação Limiano. Será bom. Para uns...



uma psicose de jfd às 23:25
link directo | psicomentar

Estou ansioso

Pela brilhante análise do anti-Santana, perante o resultado quasi Santanico.

E também conto os minutos para falarem em PPC.



uma psicose de jfd às 23:12
link directo | psicomentar | psicomentaram (7)

Do discurso da líder

Entra a líder.
 

Grita a Jota.
 

Faz-se um v de vitória com a mão.
 

E inicia-se um comunicado.
 

Fala-se na vitória ao Partido Socialista e no telefonema ao vencedor.
Saúda-se a forma serena como decorreu o direito de voto.
Agradece-se de coração o trabalho e entusiasmo de todos militantes que participaram da campanha assim como a coragem de enfrentar todos os obstáculos que se enfrentaram.
Gritos PSD PSD PSD
Fala-se que fez-se aquilo que se entendeu que deveria ter sido feito em consciência; tendo sido apontado com clareza o que seria melhor para Portugal
 
Projecta-se que será o PSD como oposição, responsável e que não se calará no pleno exercício dos seus direitos democráticos.
 
Diz-se ainda que o voto no PSD retirou a maioria absoluta do PS. O PSD estará atento aos problemas do país e sempre disponível para a sua resolução sem abdicar do princípio de ser a alternativa responsável e competente. Continuará o combate político em que muitos Portugueses confiam.

Confirma-se que os resultados não foram os esperados e assume a líder a responsabilidade, embora existam 3 actos ainda só passaram 2, e terá de estar o PSD mobilizado para o 3º acto onde merecerá ser confirmado como o maior partido político no poder autárquico
Recorda-se que inicia amanha esse trabalho.
 

Fica o compromisso que depois do dia 11, o Conselho Nacional analisará o ciclo eleitoral e os seus resultados.
 

Gritos da Jota
 

Sai a líder.
 



uma psicose de jfd às 21:42
link directo | psicomentar | psicomentaram (2)

"Não comento"

O PSD continua no mesmo registo...

Há quem tenha votado PSD e que neste momento de vitória do Socas e subida da esquerda redical aguarde dos seus líderes algumas palavras de conforto e esperança...

Onde está a liderança? Onde está a diferença marcada pela força que é o PSD?

Bah :P



uma psicose de jfd às 21:05
link directo | psicomentar | psicomentaram (2)

Vencedores?!?

Já sabemos...

Há dois vencedores o CDS e o Bloco...



uma psicose de jfd às 20:04
link directo | psicomentar | psicomentaram (11)

Hotel Altis

Obviamente já todos têm as mesmas sondagens...

Pela lei a histeria dos média apenas deixa que pelas 20h se possam revelar. Vai-se falando da abstenção de todos os prismas possíveis e imagináveis...

Ao Altis vão chegando os pesos pesados do partido que desgraçou Portugal e terá mandato para continuar a fazê-lo.

Portugueses masoquistas? Ou saberão de alguma coisa que me terá passado ao lado???

:P



uma psicose de jfd às 19:50
link directo | psicomentar | psicomentaram (3)

2005

PS - 2573869 - 45,05% - 120
PPD/PSD - 1639802 - 28,70% - 72
PCP-PEV - 432009 - 7,56% - 14
CDS-PP - 415043 - 7,26% - 12
B.E. - 364430 - 6,38% - 8
PCTP/MRPP - 47740 - 0,84%
PND - 40008 - 0,70%
PH - 16873 - 0,30%
PNR - 9323 - 0,16%
POUS - 5570 - 0,10%
PDA - 1603 - 0,03%
 

Obrigado ao Rodrigo Saraiva

 



uma psicose de jfd às 19:23
link directo | psicomentar | psicomentaram (1)

CDU + FDP 48% previstos

A Alemanha vira-se para o business friendly, assim espero.

Angela Merkel discursou breve e com um grande sorriso.

O SPD teve o pior resultado desde o fim da II GG e vai para o papel da oposição.

Os FDP com uma grande conquista!

Grande destaque na CNN sobre o assunto, nem uma palavra sobre Portugal (nem em letrinhas de rodapé):P

 Merkel livra-se finalmente do SPD e forma nova coligação com o FDP. Esperemos por desenvolvimentos positivos na locomotiva da Europa!

 

Aproveito para recomendar o especial sobre as eleições Portuguesas nos nossos amigos 31 da Armada com convidados especiais!



uma psicose de jfd às 18:23
link directo | psicomentar

Dia de reflexão; desperdício...

O dia de ontem serviu para quê?

Na era do twitter, das notícias 24h sobre 24h, da Internet de que serve um dia de reflexão?

De que serve a uma sociedade que sofre de abstenção crónica um dia sem política em nenhum meio de comunicação tradicional?

E de que serve à blogosfera e aos novos media seguir aquilo que já não faz sentido?

O dia de ontem ajudou quem e em quê?

:P



uma psicose de jfd às 08:46
link directo | psicomentar | psicomentaram (1)

Sábado, 26 de Setembro de 2009
Foi há 40 anos...

1. Come Together
2. Something
3.  Maxwell's Silver Hammer
4. Oh! Darling
5. Octopus's Garden
6. I Want You (She's So Heavy)
7. Here Comes the Sun
8. Because
9. You Never Give Me Your Money
10. Sun King
11. Mean Mr. Mustard
12. Polythene Pam
13. She Came in Through the Bathroom Window
14. Golden Slumbers
15. Carry That Weight
16. The End
17. Her Majesty



uma psicose de Paulo Colaço às 20:38
link directo | psicomentar | psicomentaram (1)

Um Olhar sobre o Danúbio III

Como alguns já saberão, a parada de orgulho gay acabou por não se realizar no passado Domingo, em Belgrado.

 

Ainda não foi desta que a sociedade civil Sérvia deu este passo em frente.

 

Houve razões várias: desde a intimidação que grupos de extrema-direita como o Obraz ou 1389 fizeram, ao espalharem posters e grafitis com mensagens como "estamos à vossa espera", até ao facto de na semana anterior a polícia não ter conseguido impedir agressões violentas a adeptos do clube de futebol Toulouse depois de este ter vencido o Partizan de Belgrado.

 

Mas que fique claro que as associações LGBT não desistiram da parada até o governo, no dia anterior, ter declarado que não seria capaz de garantir a segurança dos participantes.

Os organizadores ficaram chocados e a questão até foi levantada no Parlamento Europeu.

 

A Sérvia é no entanto um país muito tolerante. Belgrado é uma cidade mais desenvolvida que muitas capitais de actuais estados-membros da UE e com certeza que no futuro a parada terá lugar.

 

Muitos museus, parques e monumentos para ver e visitar e uma metrópole organizada.

Dentro de poucos meses, a Sérvia entrará num acordo com a UE que permitirá aos cidadãos da Sérvia, prescindir de visa quando se deslocarem à UE.

 

Aconselho vivamente a visita a este país fantástico e ainda não colonizado por turistas, como por exemplo a República Checa aonde me parece haver mais turistas que cidadãos Checos...

 

 

Deixo apenas outros tópicos que surgiram em debate na Universidade de Verão:

 

- Foram as adesões de países de leste à NATO estrategicamente benéficas para a Aliança?

- Está a Rússia a tentar condicionar economicamente a UE como a China o faz com os EUA?

- Garante o estado de direito, investimentos e compromissos económicos?

 

 

 

Finalmente, cito o Professor Christopher Coker da London School of Economics:

 

"[the importance of] Geography hasn't changed, even with globalisation"

 

 

Vale muito a pena pensar nisto meus caros!



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 07:46
link directo | psicomentar | psicomentaram (3)

Sexta-feira, 25 de Setembro de 2009
Euro: Sangue frio e Credibilidade

 No dia 9 de Agosto de 2007, os mercados pararam. Lembro-me desse dia especialmente bem pois, além de ser o meu aniversário, foi o dia em que recebi de "prenda de anos" ir trabalhar para um Hedge Fund. 

 

Imaginem o meu começo: primeiro dia no trabalho e aniversário, e quando entro, os mercados estão em "Arritmia cardíaca"! Ninguém sabia o que se estava a passar!

 

O mercado interbancário de Londres e Frankfurt estava parado. Nenhum banco emprestava dinheiro a outro banco na zona euro. Como consequência, a Euribor estava a caminho da Lua! Normalmente este é o dia que se associa com o "começo oficial" da actual crise, o dia em que os problemas se tornaram demasiado evidentes.

 

Foi também o dia em que um homem liderou um Banco Central de uma forma eximia. O mercado parado, todos os bancos em pânico, os investidores a pensar "Os EUA ainda estão fechados, a Reserva Federal o que fará?", e o Banco Central Europeu decide tomar a iniciativa e não esperar! Em poucas horas apagaram o fogo e acalmaram os mercados. Pela primeira vez, a Reserva Federal seguiria outro Banco Central nas suas medidas. Enquanto Bernanke e a Fed estava a garantir ao Congresso que o "problema estava contido", Trichet e o BCE estavam com calma, a fazer a ponte entre bancos, para garantir o bom funcionamento do mercado, sem descer as taxas de juro a zero.

 

Nunca houve uma diferença tão clara de respostas dos dois lados do Atlântico em relação à resposta a uma crise. Nunca o Banco Central Europeu sofreu tantas pressões para seguir a Reserva Federal. Mas Trichet revelou-se o único banqueiro central a manter o sangue frio no meio da crise. Enquanto a Reserva Federal ligava as impressoras, o BCE mantinha um equilibrio delicado entre o seu mandato contra a inflação e a estabilidade do sistema financeiro.

 

Muito se passou: falou-se do fim do Euro, da saída de países, de como Trichet ia "implodir com a Europa" com a sua "teimosia", de como deviamos seguir os americanos na sua política, de que era preciso as famosas "Eurobonds"!

 

Dois anos depois, ainda não saimos da crise. Mas as diferenças de sustentabilidade e credibilidade dos dois lados do Atlântico começam a ser claras. O Japão e a China hoje falam em passar parte das reservas de Dólares para Euros, os bancos europeus estão de muito melhor saúde que os americanos (honrosa excepção para os Espanhois, o "buraco negro" financeiro da Europa!) e a contracção de crédito parou na Zona Euro, segundo os últimos dados.

 

Já vi, nos meus dias de fundo de investimento, quando Trichet e Bernanke falam no mesmo dia, os "mercados" seguem o primeiro e ignoram o segundo. Hoje, já não se fala de fim do euro. O Euro sobreviveu à sua maior crise, e a uma das maiores crises financeiras das últimas décadas. Agradeçam, em primeiro lugar, ao BCE e ao seu "irritante" Governador, Jean Claude Trichet!


:
tags: , , , ,

uma psicose de Guilherme Diaz-Bérrio às 11:45
link directo | psicomentar | psicomentaram (2)

Promoções...

No passado dia 13 de Agosto, pedi à Comissão Nacional de Eleições que analisasse o seguinte caso: a Câmara Municipal de Rio Maior, liderada por Silvino Sequeira, publicara uma revista totalmente nova (que passava a coexistir com o Boletim Municipal) na qual utilizava técnicas de escrita que poderia ferir a imparcialidade a que a CMRM está obrigada.

 

A CNE dá razão ao pedido e é clara: "O Presidente da Câmara Municipal de Rio Maior não deve utilizar a revista municipal para indirectamente promover a sua candidatura à Câmara Municipal".

 

Pessoalmente, acho que muitas destas coisas acontecem (e até acabam por ser "normais") porque são poucos os que denunciam.

 



uma psicose de Paulo Colaço às 01:11
link directo | psicomentar | psicomentaram (8)

Quinta-feira, 24 de Setembro de 2009
É já amanhã

 
Amanhã, pelas 12h30, o Presidente da JSD, Pedro Rodrigues irá debater políticas de juventude com o Secretário-Geral da JS, Duarte Cordeiro.
Será no Bar da Associação de Estudantes do Instituto Superior Técnico.
Lá estarei para ouvir os representantes das duas maiores juventudes partidárias portuguesas, e claro está, para apoiar o meu companheiro e amigo Pedro Rodrigues.

 



uma psicose de Margarida Balseiro Lopes às 21:31
link directo | psicomentar

Pilotos da TAP - Corporação SA

Estamos em crise. A TAP está em crise assim como as suas congéneres.
É um problema mundial. O CEO apelou à calma vezes sem conta. Apresentou os resultados. Mais que demonstrou que não tem onde recorrer aos fundos para as reivindicações pretendidas. Mas suas excelências arriscam a Companhia de Bandeira Nacional porque querem mais dinheiro. E muito mais. Porque já ganham pouco. Muito pouco, coitadinhos.
Mete-me NOJO esta greve. Mete-me nojo esta classe de corporativistas poderosos e gananciosos que pretendem sequestrar uma Administração, trabalhadores, os últimos dias de uma eleição e acima de tudo clientes para uma causa inglória, egoísta e sem sentido.
Não faz sentido não haver ligações Portugal-Brasil durante 48h... Isto apenas abre a janela de oportunidade à concorrência. Prejudica a operação já difícil da TAP. Aumenta o buraco do prejuízo. A TAP é pública. Por imposição da UE o Governo não pode injectar mais dinheiro na companhia. A atender às reivindicações a TAP teria de ir ao mercado captar dinheiro fresco. Isso significaria uma fusão ou algo do género. Da última vez que tal aconteceu foi o desastre de que temos memória com a enterrada Swissair. Ora que quer esta classe? Em quem pensam? Nos funcionários da manutenção que são excelentes? Nos Groundforce que não têm 1/2 das regalias? Nos outros tripulantes?
Façam-nos o favor, a nós Portugueses de terem um pouco de bom senso.
 
Cada piloto da TAP que se reformou em 2007, quando a idade da reforma era 60 anos, recebeu um prémio de jubilação, uma espécie de plano poupança reforma atribuído pela companhia, com o valor médio de 160 mil euros. O prémio, que é atribuído desde o início da década de 80, custou à TAP, nesse ano, mais de 2,2 milhões de euros. Para fazer face à despesa com este benefício a curto prazo, a empresa já constituiu uma provisão de 2,5 milhões de euros. Correio da Manhã

 



uma psicose de jfd às 11:21
link directo | psicomentar | psicomentaram (8)

Parabéns Guida, por Kátia Guerreiro

Querida Margarida,

Como sei que hoje completa 20 anos de vida deixo-lhe um beijinho de Parabéns com o desejo que passe um dia muito feliz.
Katia Guerreiro


uma psicose de Paulo Colaço às 11:01
link directo | psicomentar | psicomentaram (17)

SÓCRATES, O TEU FUTURO NÃO É FIXE!

 

                                    

Independentemente do que vai suceder no domingo, há uma derrota que tenho por adquirida: a derrota de Sócrates. Mesmo que o PS ganhe (e estando o cenário de maioria absoluta já afastado), Sócrates será o grande derrotado da noite eleitoral.  Contraditório? Inverosímil esta minha tese? Não - creio que é apenas realista.

 

Com efeito, Sócrates governou durante pouco mais de quatro anos com maioria absoluta, apoiado por um grupo parlamentar e um partido totalmente domesticados e submissos aos ditames superiores do grande Chefe, Assim Sócrates queria, assim o PS fazia. Até correntes teoricamente divergentes da linha da liderança socrática , personificadas em António José Seguro, Manuel Alegre e os que preservam os "restos mortais" do soarismo, eclipsaram-se durante parte significativa da legislatura. É certo que Alegre fazia algum frisson aqui e ali, mas foi sempre sol de pouca dura - Sócrates sabia que tinha Alegre na mão (o sonho de ser Presidente da República fala mais alto que qualquer divergência ideológica ou questão de princípios). Ora, mesmo que Sócrates ganhe com maioria relativa será um líder fraco, frágil - será a negação do estilo que cultivou nos últimos quatro anos. Será uma sombra do Sòcrates que conhecemos. Alguém imagina o animal feroz a negociar, a ceder, a lidar com a contestação social, a não poder acabar com telejornais incómodos, a pressionar directores de jornais? Sócrates não sabe governar dialogando. Precisa do confronto (precisa de inimigo externo, artífices de campanhas negras que possa acusar para manter o partido coeso). E é precisamente aqui que entra o Bloco de Esquerda.

 

Todos já reparámos na inflexão estratégica (e táctica) de Louçã. Inicialmente, atacava governo e PS - agora já não, aposta na oposição entre esquerda e maioria absoluta. Curiosa esta bipolarização: esquerda (ou seja, BE e ala esquerda do PS) contra a maioria absoluta(isto é, PS com Sócrates). Caso  Sócrates ganhe com maioria relativa, os sinos vão soar no Largo do Rato e despertar aquele partido adormecido. Vítor Ramalho, José Seguro e outros, muitos outros vão logo afirmar que se confirma o desagrado dos portugueses com o governo, como é possível perder maioria absoluta em quatro anos, com condições excepcionais. Entretanto, muitos que estão com Sócrates hoje, vão passar imediatamente, assim que sentirem que Sócrates já não é o futuro, para o lado adversário da actual liderança (não é Augusto Santos Silva? não é Vieira da Silva ?). A verdade é que com esta nova linha seguida pelo BE, já se sabe que vai apoiar, fazer tudo para que os socialistas mudem de líder. Ou a coincidência temporal entre o discurso de Soares apelando a coligação com os bloquistas e a intervenção de hoje de Louçã é pura coincidência? Uma convergência objectiva? Não sejamos ingénuos...

 

Em suma, Sócrates está numa encruzilhada. Não se vai aguentar muito tempo, seja qual for o veredicto dos portugueses no domingo. Curiosamente, será o BE, movimento/ semi-partido que Sócrates ora namorava (com as causas "fracturantes") ora elegia seu principal inimigo político,  que irá puxar-lhe o tapete do poder. Através de um conluio, de uma coligação objectiva de interesses entre os bloquistas e a ala esquerda do PS. Quem diria? As voltas que a vida dá, as voltas que a vida dá!



uma psicose de João Lemos Esteves às 04:24
link directo | psicomentar | psicomentaram (7)

Quarta-feira, 23 de Setembro de 2009
Sobre o "controlo público", "gestão pública", "responsabilidade pública". Ou, simplesmente, "nacionalização".

 


 

 

 

 

 

Tenho uma costela comunista muito grande. Digo sempre que é, de longe, a ideologia mais bonita - mas completamente impraticável, num mundo real.

 

Temos vindo a ouvir falar de privatizações e nacionalizações com mais intensidade nestes últimos tempos, via PCP e BE, que defendem, com maior ou menor intensidade, a nacionalização de quase tudo: da banca, seguros, energia, transportes, comunicações, …

O Expresso publicou, no passado fim-de-semana, uma notícia em que nos diz que “nacionalizar a banca e os sectores estratégicos das telecomunicações, energia e infra-estruturas custaria ao Estado €51 mil milhões, quase um terço da dívida pública (€129,6 mil milhões) e 67% da despesa pública total inscrita no Orçamento do Estado de 2009 (€76,2 mil milhões).” 

 

Eu não defendo a nacionalização de grande parte dos sectores.. a concorrência, apesar de imperfeita, é muito positiva, e não sou muito a favor de monopólios. Mas também não vejo a questão como um qualquer monstro.

 

A questão que ponho é, simplesmente: o que muda com a nacionalização do que quer que seja..? E de que modo é isso positivo..?

 

Fará algum sentido privatizar algo onde não há concorrência..? Não devem os sectores onde não há qualquer alternativa, como a energia (só há uma linha de electricidade), ou a água (a canalização é só uma) estar sobre gestão pública, de modo a imperar o interesse público..?

 

Pagamos mais 23% pela electricidade do que os espanhóis. Facto. A nacionalização do sector energético mudaria alguma coisa..? E nos outros sectores, faz sentido..?

 

 



uma psicose de nunodc às 12:47
link directo | psicomentar | psicomentaram (2)

O teu voto!

No próximo Domingo vai ser a terceira vez que voto. O meu primeiro e segundo voto foi nas Eleições Europeias. Agora terei a minha primeira chance de contribuir em eleições nacionais.


Como qualquer jovem que vai exercer o seu direito (e dever!) pela primeira vez, tenho algumas expectativas e também algumas dúvidas.

Será que devo votar PSD? ou CDS? Porque não BE?

Interrogação que nunca fiz é se devo ir votar.


Decidi não fazer deste post uma explicação exaustiva do porquê que vou votar em A ou B. (Deixo isso para um próximo post)

Decidi sim, apelar-vos ao voto.


"Oh Essi...votar? Para quê?"


Sou daquelas pessoas que acha que uma imagem vale mil palavras. Daí vos deixar três vídeos para reflectirem e difundirem, entre a vossa família, amigos e colegas. Apelem ao voto. Um Portugal com jovens e para jovens!



 





Não fiques à espera que o país chegue até ti, VOTA!

 



uma psicose de Essi Silva às 11:43
link directo | psicomentar | psicomentaram (3)

Os computadores dos miúdos e as eleições

 

Um ano depois do Governo entregar nas escolas os primeiros Magalhães a TSF apurou que o programa está suspenso. Fonte do plano tecnológico da Educação adiantou mesmo não dispor de qualquer informação sobre a continuidade do projecto.

 

Quando o Estado português assume um compromisso perante os seus cidadãos, não pode ficar parado ou voltar atrás. Qual será a verdadeira razão para a suspensão do programa Magalhães em altura de eleições? O que pretende José Sócrates com tudo isto? Será uma espécie de: "se o PS perder as eleições, já não há computadores para os miúdos?" Ou tudo não passará de mais uma trapalhada na gestão do programa?



uma psicose de Luís Nogueira às 10:14
link directo | psicomentar | psicomentaram (13)

Não é só a razão que conta...

 

Mendes pediu aos militantes que “ajudem a presidente ainda com mais força” a ganhar as eleições. Mas também pediu “alegria”. Porque para “depressão já basta o PS”. Porque a política “não é só razão, também são sentimentos”.

 

Ontem entrou na campanha Luis Marques Mendes. Foi o melhor apoio até agora que Manuela Ferreira Leite teve. Solto, livre, Marques Mendes tocou no ponto. É preciso alegria, entusiasmo. Quando se tem a razão do nosso lado, devemos passar a mensagem com uma dose de sentimentos.

 

As pessoas não merecem sonhos irreais, nem promessas de um mundo melhor. Merecem quem realmente as motive, que as puxe para cima. Quem lhes apele aos sentimentos para juntos construirmos passo a passo um mundo melhor. Não existem salvadores, mas existe entrega e paixão nos actos. Marques Mendes tem toda a razão, os sentimentos devem estar presentes na acção política. Não basta ser um excelente especialista em determinada área, é preciso mais, sobretudo para quem lidera, é preciso ouvir e motivar!



uma psicose de Diogo Agostinho às 08:50
link directo | psicomentar | psicomentaram (2)

Terça-feira, 22 de Setembro de 2009
Palavra de Fundador

 

Francisco Pinto Balsemão, fundador do PSD, afirmou esta terça-feira que a “asfixia democrática” existe por causa da “promíscua aliança ente o poder político e económico” e garantiu não estar preocupado com as impicações que o afastamento do assessor de Cavaco Silva poderá ter na campanha dos sociais-democratas.
 

Depois desta afirmação, que mais há a dizer?



uma psicose de Luís Nogueira às 13:16
link directo | psicomentar | psicomentaram (3)

Nós e eles.

Pedro Passos Coelho cumpriu ontem o seu dever como militante. Ouviu o apelo do nosso Diogo Agostinho. Esteve presente na campanha. Foi friamente ignorado. Fez as suas declarações, em nada chocando com qualquer assunto que seja.

Recordo o meu comentário de ontem sobre o assunto:

 

Tendo em conta o que te disse, não vejo que sentido queres dar com esta tua resposta.
Sim, os princípios que estão implícitos na tua resposta são genuinamente altruístas e partilho contigo, como sabes.
Mas tanto eu como tu andamos com os pés no chão.
E até pelo que aqui lês sentes qual é o ambiente do partido no que toca à líder e a quem está com ela e aos "outros".
Por isso meu caro... Sonhar é bom, mas a realidade é dura.
Para o bem ou para o mal o partido é deles. Todos os outros são mal vindos.
Todos os dias me recordam disso.

 

E esta hein?



uma psicose de jfd às 11:54
link directo | psicomentar | psicomentaram (4)

Abruptamente real

O Presidente da República tem certamente coisas graves para dizer ao país e entendeu que se as dissesse interferia no acto eleitoral. Muito bem, compreende-se que o faça, embora também se interfira na campanha por omissão. Mas o Presidente rompeu o seu próprio silêncio e "falou" através da demissão do seu assessor de imprensa e, sendo assim, interferiu de facto na campanha eleitoral. Mais valia agora que dissesse tudo para não acordarmos no dia 28 sabendo coisas que mais valia que fossem conhecidas já. Para contarem para a decisão de voto dos portugueses, com cujo resultado final ele já está inevitavelmente comprometido.

Abrupto



uma psicose de jfd às 11:44
link directo | psicomentar | psicomentaram (4)

Segunda-feira, 21 de Setembro de 2009
Tiro no Porta Aviões

 

Cavaco Silva demite Fernando Lima. Este caso é um erro primário, de aprendiz. E coloca em causa a reeleição de Cavaco Silva.

 

Este caso de brincadeira pode ter efeitos muito muito perigosos...

 



uma psicose de Diogo Agostinho às 16:45
link directo | psicomentar | psicomentaram (41)

Quero mais exemplos

  

 

Inspirado pela presença do Prof. Marcelo e pelas palavras do nosso João Esteves, chegou a hora de aparecerem três senhores do PSD ao lado da Dra. Manuela Ferreira Leite.

 

E quem são? Dois ex-líderes e um aspirante a líder. É agora o tempo de Marques Mendes, Luis Filipe Menezes e Passos Coelho aparecerem e darem a cara, mostrarem que apesar de divergências de estilo ou rumo, o PSD vale mais como um todo do que este PS e este Sócrates.

 

Queremos mais! É agora o tempo de afastar diferendos internos e lutar pelos reais interesses do país.



uma psicose de Diogo Agostinho às 12:31
link directo | psicomentar | psicomentaram (16)

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.