Sexta-feira, 30 de Novembro de 2007
Greve?

Sexta Feira.
Fim do mês.
Natal à porta.
Feriado no Sábado, ergo, ponte!
E lá temos mais uma greve!
Até que ponto a greve é valida como luta social nos tempos que correm?
Até que ponto nós que não fazemos greve, levamos a sério quem a faz?
Afinal de conta, uma greve, como todas as outras antes de um feriado? Pois não se enganem, dá muito jeito a muito boa gente que trabalha aos Sábados.
Não consigo levar a sério Sindicatos que persistem neste tipo de luta.
Não percebem os Sindicatos que assim cada vez menos a sociedade lhes dará cavaco?
Onde anda a consciência da luta social portuguesa? E que forma deverá tomar neste século?

uma psicose de jfd às 09:33
link directo | psicomentar | psicomentaram (22)

2 em 1

Amanhã é feriado, mas muitos não notarão. Calhando a um sábado, haverá quem nem venha a reparar que passam 367 anos sobre a Restauração da Independência do Reino.

Dei ao post este título porque quero lançar duas discussões:
1 – 367 anos volvidos, a opinião dos portugueses face ao poderio espanhol mudou muito. Alguns gostariam de viver sob o jugo dos “hermanos”. E vós? Que achais?

2 – Quando certos feriados cujo sentido vem dizendo cada vez menos aos portugueses (o caso deste, o 15 de Agosto, o 5 de Outubro, o 8 de Dezembro) calham a meio da semana, faria sentido que fossem gozados a uma segunda ou sexta?


uma psicose de Paulo Colaço às 03:04
link directo | psicomentar | psicomentaram (12)

Quinta-feira, 29 de Novembro de 2007
António Costa: Demitir-se-ía?


Pretendendo contrair um empréstimo de 500 milhões de Euros para a CML, António Costa, Ministr... Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, ameaçou demitir-se caso a AML chumbe a proposta do Executivo.


Algumas perguntas:


1- Será que fala sério ou saberá, do PSD, algo que os próprios militantes não sabem?

2- Demitir-se-ía caso o PSD chumbasse?

3- Pelo tempo verbal que uso neste post já se percebe que não acredito na inviabilização da proposta, mas será mesmo assim?

4- E o empréstimo é em boa medida para a capacidade financeira e de endividamento da CML?


Mas a derradeira questão é: Já viram esta CONVERSA em algum lado?


uma psicose de Tiago Sousa Dias às 16:12
link directo | psicomentar | psicomentaram (21)

Adeus, Madredeus


 

Um artigo de Adriana Neves
 
Hoje Teresa Salgueiro comunicou que vai abandonar o grupo Madredeus. Depois de duas décadas juntos, este grupo desfaz-se. A musica portuguesa perdeu uma carta do seu baralho. Espero que a saida seja por espaço curto de tempo.


 

 


 

E os psicoticos que acham desta saida e da divulgação da música portuguesa?


uma psicose de Paulo Colaço às 01:09
link directo | psicomentar | psicomentaram (12)

Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007
Persona non grata

O PCP expulsou ontem Luísa Mesquita.
Todos conhecemos o PCP: lida mal com a individualidade, não aceita “opiniões próprias” dos seus militantes, gosta de controlar a vida dos seus funcionários, considera-se dono dos mandatos dos seus titulares de cargos públicos.
Mesquita sabia em que estava metida, mas diz que se manterá como Deputada e Vereadora. O acto tem legitimidade inatacável mas moralidade dúbia.
Quando todos atacam a vilania do PCP eu julgar seus os mandatos que os eleitores deram aos candidatos das suas listas, eu lanço a pergunta: aceitariam ser deputados nessas condições?


uma psicose de Paulo Colaço às 02:00
link directo | psicomentar | psicomentaram (11)

Terça-feira, 27 de Novembro de 2007
Canibalismo...
Quantos pecados mortais...

Ucraniano de 30 anos terá morto, serrado e comido o sogro de 51 anos. Emigrante ilegal é suspeito de ter morto pelo menos mais duas pessoas, uma delas na Ucrânia. Suspeito foi detido há pouco mais de um ano e está em preventiva. Bombeiros descobriram os ossos do sogro e revelaram dimensão psicopata do assassino. «Canibal» confessa que comeu namorada
Sem comentários...
In Portugaldiário


uma psicose de Tiago Sousa Dias às 14:20
link directo | psicomentar | psicomentaram (21)

Domingo, 25 de Novembro de 2007
O 24 de Novembro
Não, não é engano. Muito se tem escrito na blogosfera acerca do dia de hoje, 25 de Novembro. Mas o dia de ontem foi mais um marco na história deste espaço psicótico.
“25 de Novembro: factos e protagonistas” foi o mote para uma tarde de debate e convívio eborense com personalidades como Zita Seabra e o Coronel Jaime Neves.
No Hotel da Cartuxa, mais de meia centena de pessoas ouviu ao longo de duas horas palavras de congratulação pelo sucesso dos “homens” comandados por Jaime Neves, que evitaram um golpe cuidadosamente engendrado pelo Partido Comunista Português.
Com uma franqueza estonteante, Zita Seabra falou sobre a frustração sentida naquela madrugada, por não ter tido lugar a ansiada “Revolução de Outubro” que instauraria a ditadura do proletariado. De forma muito descontraída, Jaime Neves respondeu “ainda bem, senão um de nós não estaria aqui hoje”.

E desta forma, assinalámos uma data, tantas vezes esquecida, mas que é símbolo de Liberdade e Democracia para o nosso País. Talvez mais do que o 25 de Abril!


uma psicose de Margarida Balseiro Lopes às 21:58
link directo | psicomentar | psicomentaram (21)

Sábado, 24 de Novembro de 2007
Quem fala verdade?

2008 será o ano da tolerância zero no combate à fraude e evasão fiscais mas a Direcção Geral dos Impostos respeitará, como não poderá deixar de ser, os direitos dos contribuintes.
Teixeira dos Santos, AR, 23-11-2007

A administração fiscal converteu-se numa organização cujo principal objectivo é gerir com eficácia um aparato burocrático e legislativo dedicado a extorquir dinheiro aos cidadãos.
Manuel Carvalho, PÚBLICO, 23-11-2007


uma psicose de Paulo Colaço às 03:00
link directo | psicomentar | psicomentaram (10)

Quinta-feira, 22 de Novembro de 2007
PARABÉNS RAPAZES!

E agora, venham os Espanhóis! Até os comemos!!!
Vamos ao título!!!


uma psicose de Bruno Ribeiro às 10:41
link directo | psicomentar | psicomentaram (18)

Obrigado Dragão!

Se todos puxarem para o mesmo lado é tudo mais fácil.
Cristiano Ronaldo, em declarações à RTP





uma psicose de Bruno Ribeiro às 10:34
link directo | psicomentar | psicomentaram (19)

Quarta-feira, 21 de Novembro de 2007
Estaremos seguros?
Hoje salta à vista de todos o resultado do estudo feito pelo Observatório de Segurança das Estradas, que nos dá conta das graves deficiências do último troço da CRIL. O Engenheiro Civil responsável diz mesmo que: "É muito fácil construir estradas com total violação dos critérios de segurança e depois limitar a velocidade para passar a responsabilidade dos acidentes para os condutores". E adianta também que só circulando a 60km/h estão garantidos os índices mínimos de segurança.

Numa altura em que tanto se fala de prevenção rodoviária, tanto se acusa os condutores e tanto se recomendam os cuidados na estrada, parece-me muito mal que situações destas continuem a acontecer.
Existem técnicas, estudos, fórmulas e métodos de cálculo capazes de prevenir e, acima de tudo, capazes de projectar toda e qualquer via respeitando os critérios de segurança. Porque é que, então, em pleno século XXI se dão coisas destas? De quem é a culpa? De quem faz? Ou de quem fiscaliza?

Mais, estamos hoje, também, cada vez mais habituados a ouvir nos blocos informativos problemas associados a estruturas de grande porte, problemas associados a pontes por onde circulam pessoas em ritmos elevados. A última foi em Constância, cujo tabuleiro ferroviário se deslocou 20 centímetros (!!!!!!!!) em direcção à margem Sul. Depois da tragédia de Entre-os-Rios muito se falou. Mas, será que se fez realmente tudo o que havia para fazer?

É certo que quem devia assumir responsabilidades não as assume, é certo que as estradas em Portugal também são culpadas por muitos acidentes, pois não estão em conformidade com os índices de segurança, em grande parte. Juntando a tudo isto temos o caso da Estradas de Portugal, agora S.A., e que não se mostra eficaz em nada que não seja o «desbundar» orçamental.

Urge, portanto, rigor na construção em Portugal. Urge que se respeitem os critérios de segurança. Urge que se responsabilize quem de direito.


uma psicose de Carlos Carvalho às 10:39
link directo | psicomentar | psicomentaram (10)

Terça-feira, 20 de Novembro de 2007
Bloco de Interesses
O Bloco de Esquerda ameaça romper coligação com PS na Câmara de Lisboa, caso não haja renovação dos contratos a termo de trabalhadores precários.
Na reunião camarária ficou já decidido dispensar 120 trabalhadores com vínculo precário, o que motivou esta onda de protestos do BE, protagonizada pelo deputado municipal Heitor de Sousa.
Rescindir avenças, que constituem “contratos de trabalho encapotados” é, de facto, uma decisão que viola o acordo celebrado entre bloquistas e socialistas.
Já Sá Fernandes, que deverá achar que a transparência e idoneidade de honrar compromissos não fazem assim tanta falta à política, catalogou a posição do BE de irresponsável.

Mais uma vez, o "Zé" mostrou ser defensor de outro tipo de bloco.


uma psicose de Margarida Balseiro Lopes às 19:45
link directo | psicomentar | psicomentaram (21)

Mundo cão ou mundo 5 estrelas?
Do lado esquerdo o bairro de lata Alphavela, do lado direito a urbanização de luxo Alphaville.
Esta imagem foi retirada da revista "Única" do fim de semana passado e retrata as assimetrias sociais e económicas em São Paulo, Brasil.
Em Portugal, as diferenças podem não ser tão chocantes, porém continuam a existir bairros degradados, onde a própria polícia não entra de qualquer maneira e cada vez há mais condomínios de luxo com segurança máxima.
É este o mundo que nós estamos a construir?


uma psicose de Inês Rocheta Cassiano às 19:20
link directo | psicomentar | psicomentaram (10)

Desafio
1: Pegue no livro mais próximo, com mais de 161 páginas (aleatoriamente, não tente escolher o livro);
2. Abra o livro na página 161;
3. Na referida página procurar a 5.ª frase completa;
4. Transcreva na íntegra para o seu blogue a frase encontrada;
5. Aumentar, de forma exponencial, a improdutividade, fazendo passar o desafio a mais 5 bloggers à escolha.


Este foi o desafio que me foi lançado pelo nosso Psico-Amigo André Machado do Vox Patriae (http://voxpatriae.blogspot.com/2007/11/buc.html).


Confesso que se perdeu um pouco da aleatoriedade porque estando no escritório o primeiro livro que me saltou à mão foi o Publicitor. O problema é que, na edição que tenho, a pág. 161 só tem 4 frases (é a introdução de um capítulo...)

Por sorte, no armário do meu Pai, estava este, de Pepetela que por acaso nunca li. Mas até gostei da frase que calhou: "Ele chegava ao sítio, era o ultimo mas chegava."
Agora, passando a outro e não ao mesmo, desafio:
- A Dri e o seu novo Mundo Utópico (http://mundoutopicodadri.blogspot.com/)
- A Xana e o seu Other Side (http://theotherside-xana.blogspot.com/)
- A Sara Cristina, Aqui Entre Nós (http://entretantoentrenos.blogspot.com/)
- A Ritinha, que irá A Caminho do Eu (http://acaminhodoeu.blogspot.com/)
- A Tété, no seu Espelho Meu (dela) (http://espelhoquereflecte.blogspot.com/)


uma psicose de Bruno Ribeiro às 15:16
link directo | psicomentar | psicomentaram (28)

NEM POR CIMA DO MEU CADÁVER



O Expresso noticiou em 2004 que a ANACOM estaria a ponderar acabar com a Blogosfera por este espaço ser "difamatório" e facilitar a "injúria". Julgo que, na altura, o facto que motivou a discussão se prendeu com artigos escritos sobre arguidos no processo Casa Pia e particularmente sobre o Deputado Paulo Pedroso.


Hoje parece que volta à agenda esta eventualidade. Curiosamente na sequência da questão da licenciatura de José Sócrates...


Questão:


"Papá... Para que servem os Blogs se não pudermos criticar?"


uma psicose de Tiago Sousa Dias às 14:34
link directo | psicomentar | psicomentaram (11)

Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007
Todos por um


Governo quer um pacto para a segurança interna

Rui Pereira, Ministro da Administração Interna, apelou recentemente para a necessidade de um entendimento de maior latitude em matérias de Segurança Interna.

Concordo plenamente.

Para além do argumento de autoridade de se tratar de alguém com um respeitável currículo na área (foi Director do SIS), mas que ainda assim poderia parecer falacioso, parece-me que este pacto eliminaria um dos grandes entraves ao avanço desta área em Portugal.

Para já esclareçamos que as maiores falhas nas nossas leis de segurança interna têm a ver com medo.

Medo porque um órgão que trabalhe em segurança interna (como a Polícia Judiciária, os Serviços de Informação e Segurança, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras ou, até certo ponto, o Serviço de Informações Estratégicas de Defesa) para funcionar convenientemente necessita de um estatuto especial que se traduz numa diferente valoração "garantias/eficácia".

Não se trata de ressuscitar a PIDE-DGS, nem de passar uma carta branca para qualquer actuação. Trata-se de encarar as especificidades e a importância que aqueles órgãos apresentam.

O problema é que os estigmas acima mencionados ainda estão muito vivos na mente dos nossos governantes. Assim, o medo de que uns serviços de segurança interno sejam uma nova polícia política tem-nos colocado a fechar o cortejo no que toca à Segurança Interna europeia.

E para se resolver isto, concordo com o Ministro. É preciso seriedade de propósito e concordância inter partes.

Será isto possível?



uma psicose de José Pedro Salgado às 15:38
link directo | psicomentar | psicomentaram (8)

Filadélfia à portuguesa...

I- A Relação de Lisboa confirma uma decisão do Tribunal de Trabalho que considerou justificado o despedimento de um cozinheiro infectado com HIV. Dizem os juízes que HIV “existe no sangue, saliva, suor e lágrimas, podendo ser transmitido no caso de haver derrame de alguns destes fluidos sobre alimentos servidos ou consumidos por quem tenha na boca uma ferida”.

II- Os juízes tinham ao seu dispor dois pareceres científicos que desmentem alegados riscos de transmissão de um cozinheiro.

III- Diz um dos pareceres: «É do conhecimento científico que a transmissão do HIV só se efectua através de relações sexuais não protegidas, por via endovenosa, por via materno-fetal e nunca, até ao presente, por ‘manipulação de alimentos’».

Decisão injusta? Prevalência do bom-senso sobre as provas? Ou apenas significa que gritar “sida” numa cozinha é o mesmo que gritar “pedófilo” num infantário?


uma psicose de Paulo Colaço às 02:41
link directo | psicomentar | psicomentaram (122)

Sábado, 17 de Novembro de 2007
RTP ou EP?


 

Um artigo de Adriana Neves
 
Almerindo Marques sai da RTP para ir para a direcção das EP. É uma saida meticulosa e rigorosamente preparada pelo Governo mas antes Almerindo ainda tenta despedir por justa causa Jose Rodrigues dos Santos. Mas a EP tem outro problema: o facto de esta se ter tornado numa SA. Na minha opinião foi uma forma de o Governo discretamente retirar do Orçamento de Estado uma das empresas públicas que mais problemas económicos trazia.
 
E os psicoticos que acham da nova SA e do seu novo Presidente?


uma psicose de Paulo Colaço às 19:51
link directo | psicomentar | psicomentaram (6)

Sexta-feira, 16 de Novembro de 2007
V Psico-Debate

Durante este ano o Psicolaranja organizou 4 debates (Lisboa, Porto, Almada e Caldas da Rainha), uma tertúlia de aniversário, várias refeições plenárias e 1 Psico-Congresso. Com a expectativa de sempre, convidamos amigos e visitantes para o nosso último evento público de 2007.

Tema: “25 de Novembro: factos e protagonistas
Oradores: Deputada Zita Seabra (Vice-Presidente do PSD), Dr. José Luís Cardoso (Ex-Governador Civil de Évora) e Coronel Jaime Neves (Antigo Comandante do Regimento de Comandos)
Moderador: Dr. Sertório Barona (Advogado)
Data: 24 de Novembro (sábado)
Hora: 17 h
Local: Évora, Hotel da Cartuxa
Co-organização: Nuno Leão

25 de Novembro devia ser feriado? A quem se deve a democracia em Portugal? O PCP quis de facto democratizar o País? O que foi o PREC? Estas e outras questões terão resposta no dia 24.


uma psicose de Paulo Colaço às 01:19
editado por Essi Silva em 12/12/2012 às 08:35
link directo | psicomentar | psicomentaram (29)

Quarta-feira, 14 de Novembro de 2007
P+or+tu+ga+l
O presidente do PSD, Luís Filipe Menezes, no Congresso de Torres Vedras destacou no seu discurso o debate em torno da “descentralização administrativa”. Conhecido adepto da regionalização, Menezes defende a realização de um referendo em 2008.
Esta é uma questão que vai muito para além do referendo de 1998: o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento (IED) já em 1982 vaticinava a inevitabilidade da divisão administrativa.
Dois dos principais argumentos do Não são o receio da excessiva interferência do novo poder intermédio no poder local e a criação de mais um patamar de burocracia. A defender o Não temos, por exemplo, o poder local.
A sustentar a regionalização encontramos como argumentos, uma mais eficiente optimização dos recursos, uma imperativa simplificação de procedimentos administrativos e, naturalmente, uma aproximação dos cidadãos à administração. Um dos principais defensores da regionalização é a região do Algarve.

E nós, psicóticos e psico-amigos, em 2008, votaríamos sim ou não?


uma psicose de Margarida Balseiro Lopes às 16:46
link directo | psicomentar | psicomentaram (23)

Terça-feira, 13 de Novembro de 2007
E viva a Cidadania...

“O Cartão de Eleitor vai acabar e os cidadãos maiores de 18 anos vão poder votar apenas com o Bilhete de Identidade (BI) ou Cartão de Cidadão na área onde residam, anunciou hoje o ministro da Administração Interna.”

O Governo conta apresentar no início de 2008 esta proposta de alteração de Lei na Assembleia da República, com a explicação que “não faz sentido que o recenseamento não seja automático, quando as pessoas completam 18 anos de idade. Poder votar decorrerá da "qualidade de cidadão", não dependendo de qualquer inscrição específica”.

O Ministro da Administração interna espera que nas próximas eleições em 2009 já se encontre este sistema em vigor.

Já tinha percebido que muitos jovens deixam o tempo passar e passar porque é “chato ter de ir fazer o cartão de eleitor”, mas afinal isso não é um dever dos cidadãos?

De facto é uma forma prática de recenseamento, mas a questão que coloco é: até que ponto este sistema irá beneficiar a iniciativa ao voto? Será que irá fazer com que muitos jovens comecem a ter iniciativa de ir às urnas, visto que já não têm de se preocupar com o recenseamento? Ou o problema de desmazelo na sociedade portuguesa para com a vida política já não tem cura?


uma psicose de Paulo Colaço às 23:00
link directo | psicomentar | psicomentaram (14)

Medo? Premonição? Estratégia?


 

Um artigo de Adriana Neves

 

Segundo a comunicação social, "Fidel Castro receia que o presidente venezuelano, Hugo Chávez, seja assassinado à ordem do «império» norte-americano ou da «oligarquia», e apoiou o homólogo aliado na altercação que o opôs ao rei de Espanha em Santiago do Chile."

 

Já alguns psicoticos tocaram na "ferida" daquilo que se passou na Cimeira Ibero-Americana mas agora eu questiono: O que ganha um velho moribundo como o Fidel com este tipo de afirmações? Será que ele é que quer finalizar com o império Chavez? Será que o velho Fidel continuar a sonhar com os tempos de guerrilha e que dominará a america latina?


 


 


uma psicose de Paulo Colaço às 21:41
link directo | psicomentar | psicomentaram (5)

Democracia?


Pensemos no seguinte...Hoje em dia é eleito quem diz o que o povão quer ouvir. Isto é demagogia, isto é democracia. Tenho como adquirido que a maior parte do povão não sabe o que quer nem o que é melhor para o médio e longo prazo, sendo "escravos" do imediatismo (estarei correcto? Serei menos democrata?)... Ora, esse imediatismo é largamente explorado por candidatos menos sérios. Posto isto; não caminha a nossa democracia para algo que não será nada recomendável, tendo em conta que apenas serão eleitos os que não têm ideias e que se submetem às necessidades pouco iluminadas da maior parte do povão ? Não estará a democracia podre, a partir do momento em que, apenas tem como resultado uma alternância de poder bi-partidária e esvaziada de verdadeiros ideais caracterizadores e marcantes? Não estaremos num perigoso caminho quando a maior parte do povão nem se digna a exercer o seu direito (deveria ser uma obrigação!) de voto, sendo sempre "os mesmos" a votar?
Não estaremos a diluir as verdadeiras ideias e boas intenções numa mescla de "catch all parties" ?
Será a democracia apenas mais um sistema que será destronado por algo mais evoluído e totalmente diferente?
Serei eu um pessimista?
Serei um "neo-tirano"?
Aguardo comentários;)

o iluminista escocês (alcunha dada pelo meu carinhoso grupo amarelo UV 2005)

publicado por moi em Setembro 2005 em http://grupo-amarelo.blogspot.com, com alterações.
...
Queria escrever algo muito light sobre democracia, e lembrei-me que isto já estava escrito...
Ao reler este post, não deixo de concordar (LOL) com o que escrevi na altura. E não deixo de continuar preocupado com o futuro. Mas também me assusta um pouco esta linha de pensamento. Mas, apenas porque, não vejo qual poderia ser a alternativa!
Aquelas palavras encerram um pouco de ingenuidade e pessimismo, mas no entanto, pouco se tem feito pela formação (se não política ainda que;) cívica das pessoas que são eleitores activos.
Pouco tem alterado no que toca à percepção do que são os Partidos Políticos no que toca ao cidadão comum que activamente contribui para a economia nacional com os seus impostos, mas pouco dela retira (classe média), e que na altura de votar tanto se lhes dá cruz rosa ou cruz laranja.
Será esta observação verdadeira? Ou falta de fé nas pessoas do meio? Aquelas que não estão nos extremos?

Deveríamos ter formação cívica nas escolas? Deveríamos ser obrigados a exercer o direito de voto?
Que pensamentos vos sugere esta mescla de posta?
PS - achei interessante a imagem, não subscrevo o conteúdo que representa :)


uma psicose de jfd às 13:48
link directo | psicomentar | psicomentaram (11)

Segunda-feira, 12 de Novembro de 2007
Praxe violenta
A praxe é tradicionalmente o meio, por excelência, de integração de novos alunos no meio e espirito académicos. Quando feita seguindo a boa tradição podem viver-se momentos inesqueciveis. Quando quem praxa não tem sentido de responsabilidade nem a consciência de que uma má conduta prejudica não só quem directamente teve lugar nestes actos mas a própria credibilidade da instituição "Praxe", deve ter a devida resposta.
6 jovens são agora acusados judicialmente por praxe violenta. Em que consistiu a praxe? Virar uma caloira de pernas para o ar e enfiar a cabeça num penico com excrementos de vaca (entre outros).
"Idiota" será suficiente para classificar esta conduta? Ainda há boa Praxe ou a Praxe nos dias de hoje só é motivo de noticia porque é má?




Noticia disponível em http://www.portugaldiario.iol.pt/noticia.php?id=878285&div_id=291

tags:

uma psicose de Tiago Sousa Dias às 16:27
link directo | psicomentar | psicomentaram (16)

Sábado, 10 de Novembro de 2007
E para nós como é?
Esta Cimeira Ibero-Americana, realmente, está a dar que falar. Mas, e mais do que isso, está a dar que pensar. Tal como o Paulo Colaço, eu também esperava algo mais das declarações dos nosso governantes.

No entanto, o que realmente me levou a «ficar a pensar» e a vir aqui «postar» foi o facto do nosso Presidente da República, Cavaco Silva, ter dito que: "é, na América do Sul, diferente a ideia de democracia e liberdade". Bem, tendo em conta a actuação do nosso Governo em algumas questões e lembro-me, por exemplo, o caso do Professor Charrua, fico realmente intrigado sobre se será mesmo assim.

Apesar disso, decidi procurar no famoso Wikipédia e eis os resultados que obtive para 'democracia' e para 'liberdade':

"Democracia é um regime de governo onde o poder de tomar importantes decisões políticas está com os cidadãos (povo), directa ou indirectamente, por meio de eleitos representantes — forma mais usual.
Numa frase famosa, democracia é o "governo do povo, pelo povo e para o povo".
Democracia opõe-se à
ditadura e ao totalitarismo, onde o poder reside numa elite auto-eleita."

"A liberdade é uma noção que designa, de uma maneira negativa, a ausência de submissão, de servidão e de determinação, isto é, ela qualifica a independência do ser humano.
De maneira positiva, ela designa a
autonomia e a espontaneidade de um sujeito racional. Isto é, ela qualifica e constitui a condição dos comportamentos humanos voluntários."

Segundo Cavaco, estes dois conceitos são diferentes na América do Sul. Mas, e entre nós? Não teremos nós um significado pessoal para cada um? Não pensamos nós de forma diversa em relação a cada um deles? Até porque estamos já numa geração que não viveu uma luta por liberdade, mas vive, sim, num caminho pela globalização...




uma psicose de Carlos Carvalho às 20:18
link directo | psicomentar | psicomentaram (10)

Esperava mais!

Na Cimeira Ibero-Americana, Hugo Chavez chamou fascista a Aznar e magnata petroleiro a Lula, entre outros vitupérios.
Comentando, Sócrates disse: “Esta organização de cimeira entre chefes de Estado e de Governo é assumidamente plural e diversa. (…) Nós não queremos uniformidade política, temos interesses comuns, temos uma história comum, isso não significa que pensemos todos da mesma forma. Ouvimos os outros com respeito, tal como os outros nos ouvem com respeito”. Enquanto falava, tinha Cavaco Silva ao seu lado.

Que Sócrates tenha medo de criticar Chavez, percebe-se. Afinal, trata-se de José Sócrates.
Que Cavaco não tenha dito, pelo menos: “não gostei de ouvir Chavez falar daquela forma do Chefe de Estado de um país irmão e de ter chamado fascista a Aznar”, desilude-me. Esperava mais.


uma psicose de Paulo Colaço às 18:20
link directo | psicomentar | psicomentaram (21)

Às armas!


Forster (autor de, entre outros, Passagem para a Índia) disse uma vez "Se um dia tiver de escolher entre trair o meu amigo ou trair o meu país, espero ter tomates para trair o meu país." (a tradução é minha e vale o que vale).

O nosso hino canta "Pela pátria lutar!", mas até que ponto é este um valor hodierno?

Esta geração (na qual estou incluido) nunca teve um grande conflito (ainda, e ainda bem) que pusesse um preço na sua liberdade, mas será que ele, a surgir, faria que corrêssemos para as armas, para defender a pátria?

Hoje em dia, que tanto se fala de Europa, de globalização, de "escala global", qual é o espaço que reservamos para o amor ao nosso país?

Ainda existe patriotismo em Portugal?



uma psicose de José Pedro Salgado às 14:01
link directo | psicomentar | psicomentaram (12)

Sexta-feira, 9 de Novembro de 2007
Carlos Carreiras vs Helena Lopes da Costa

Carlos Carreiras venceu as eleições para a Comissão Política Distrital de Lisboa do PSD, derrotando a deputada Helena Lopes da Costa.


A votação apurada aponta 2977 votos contra 2512.


Como novo residente em Lisboa e confessando que não conheço particularmente bem o novo Presidente da Distrital de Lisboa, gostaria de saber como vêm as Psicóticas, Psicóticos, Psicoamigos, Psicoparentes e Psicoafins este acto eleitoral e, designadamente, a eleição do mesmo.


uma psicose de Tiago Sousa Dias às 16:53
link directo | psicomentar | psicomentaram (18)

Peão de um grande jogo



Há 18 anos o Mundo suspirava de alívio, em Berlim tombava o “muro da vergonha”. A Alemanha reunificava-se. Terminava a Guerra Fria acabando com a divisão do Mundo em 2 blocos.

Durante estes 18 anos os países do, antigo, bloco de Leste recuperaram a sua autonomia e encetaram processos de transição para regimes democráticos e economias de mercado, conhecendo profundas transformações e desenvolvimento nas suas sociedades.

18 Anos depois, a União Europeia ultrapassou a barreira da Alemanha Ocidental e acolheu o Leste.

E na Europa de hoje, não existirão ainda muros por quebrar e jogos sem fim à vista?

uma psicose de Paulo Colaço às 15:49
link directo | psicomentar | psicomentaram (9)

Os dois lados da mesma moeda.

"Um dos aspectos mais pungentes do mundo moderno consiste no aproveitamento mediático do sofrimento humano".

"O sofrimento em directo na televisão constitui o clímax desta evolução".

"Em muitos países debate-se até onde é que a liberdade editorial deve ir".

"Não escondo que, entre nós, em vários casos, me parece que se ultrapassou esse limite de protecção devida à dignidade humana na forma como a dor e o sofrimento são noticiados e emitidos em imagens pungentes".

"Mas mais censurável que a exploração sensacionalista da dor e do sofrimento é a situação onde um sistema público só se move sob a pressão da explosão comunicacional dessa dor e desse sofrimento", in DN, António Vitorino.

Já tinha pensado escrever sobre este assunto e ao ler hoje no Diário de Notícias este artigo, assinado por António Vitorino, não pude deixar de o aqui deixar à vossa consideração.

O autor reflecte sobre o caso da funcionária de uma Junta de Freguesia do Norte, parcialmente paralisada, e que a Junta Médica a que foi presente, considerou-a apta para exercer as suas funções, ordenando a sua apresentação no local de trabalho.

Este caso é apenas um exemplo de que a exposição pública do sofrimento desta funcionária foi essencial para provocar a intervenção do responsável máximo (leia-se Ministro das Finanças), que determinou de imediato que os respectivos serviços reavaliassem toda a situação.

Se por um lado, este caso me deixou revoltada pela desumanidade e insensibilidade com que os serviços públicos tratam os problemas graves das pessoas e que têm consequências na sua vida quotidiana, por outro lado vejo-me forçada a colocar a seguinte questão: se é censurável a exploração mediática do sofrimento humano para captar audiências, será legítimo recorrer voluntariamente a esta mesma exposição para ver os seus problemas resolvidos? Começo a pensar que sim...



uma psicose de Inês Rocheta Cassiano às 15:27
link directo | psicomentar | psicomentaram (10)

Quinta-feira, 8 de Novembro de 2007
A minha familia é mais ilustre que a tua...


Ao percorrer a página com o corpo docente da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (http://www.fd.uc.pt/docentes.php), deparei-me com laços familiares intermináveis. Tendo em conta que é uma Universidade Pública e a cujos concursos obedecem à estrita legalidade, só posso concluir que a inteligência do Direito Português está concentrada em meia dúzia de familias.
O que vos pergunto é:

Qual delas a mais ilustre?...

Doutor Jorge de Figueiredo Dias
Mestre José Eduardo de Oliveira Figueiredo Dias
Mestre Maria Gabriela de Oliveira Figueiredo Dias

Doutor Guilherme Freire Falcão de Oliveira
Mestre Helena Isabel Gonçalves Moniz Falcão de Oliveira


Mestre Paulo Cardoso Correia da Mota Pinto
Mestre Alexandre Cardoso Correia da Mota Pinto


Doutor Rui Manuel Gens de Moura Ramos
Mestre Vasco Costa Brandão de Moura Ramos

Doutor José Joaquim Marques de Almeida
Mestre Teresa Maria Coelho Marques de Almeida


Mestre Ana Mafalda Castanheira Neves de Miranda Barbosa
Licª. Maria José Leal Castanheira Neves


Doutor Manuel da Costa Andrade
Mestre Margarida Manuel Barroso da Costa Andrade

Doutor João Calvão da Silva
Mestre João Nuno Cruz Matos Calvão da Silva

Doutor José Joaquim Gomes Canotilho
Licª. Mariana Rodrigues Canotilho

Doutor António Joaquim de Matos Pinto Monteiro
Lic. João António Pinto Monteiro

Mestre Anabela Maria Bello da Silveira Baptista de Figueiredo Marcos
Doutor Rui Manuel Figueiredo Marcos


uma psicose de Tiago Sousa Dias às 10:54
link directo | psicomentar | psicomentaram (28)

A nova mocidade portuguesa



uma psicose de Margarida Balseiro Lopes às 01:38
link directo | psicomentar | psicomentaram (42)

Terça-feira, 6 de Novembro de 2007
Duelo

E a montanha pariu um rato...


uma psicose de jfd às 21:50
link directo | psicomentar | psicomentaram (19)

148 dias
Um artigo de Adriana Neves
 
 
A Bélgica encontra-se há 148 dias sem governo. Segundo o Jornal de Noticias, "um recorde desde a independência do país há 177 anos, assinalado ontem pela imprensa belga que aponta o próximo dia 15 como a possível data de acordo sobre o novo executivo."
 
Do ponto de vista sociológico e mesmo politico, estes 148 dias originam uma analise fascinante se pensarmos que é o pais que "alberga" as instituições da União Europeia. Talvez seja a prova que até os países supostamente mais desenvolvidos se envolvem em tricas e dicas que não lhes permite chegar a um consenso.

A questão que deixo no ar é: Será que se estes 148 dias sem governo fossem em Portugal, os portugueses continuariam calmos e serenos no seu dia-a-dia a espera do novo governo?


uma psicose de Paulo Colaço às 12:20
link directo | psicomentar | psicomentaram (22)

Segunda-feira, 5 de Novembro de 2007
Nem sempre temos razão
A novela madeirense sobre a IVG parece não ter terminado.
Depois de Alberto João Jardim ter afirmado (há alguns anos atrás) que até uma “unha encravada” teria prioridade sobre uma IVG, mesmo depois de referendada (e legislada), a questão continua a suscitar controvérsia e indignação qb.

Alguns factos:

- A maioria do PSD-M chumbou a audição do secretário regional dos Assuntos Sociais sobre a Lei da Interrupção Voluntária da Gravidez;
- O PSD-M justificou o chumbo por considerar que a lei é de âmbito nacional e que cabia ao Serviço Nacional de Saúde promover a sua aplicação;
- A solução para as mulheres que optarem pela IVG passa pela Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa;
- O PSD chumbou igualmente a proposta de uma reunião com o director do Centro de Segurança Social da Madeira;

Serão legítimas as razões apresentadas pela maioria social-democrata? Haverá tantas unhas encravadas a entupir o Sistema Regional de Saúde Madeirense?




uma psicose de Margarida Balseiro Lopes às 16:56
link directo | psicomentar | psicomentaram (43)

Sábado, 3 de Novembro de 2007
Quem sou eu?


Liberais, Conservadores, Social-Democratas, Monárquicos, Fascistas, Corporativistas, etc.

Desde que sou militante do P.S.D. e da J.S.D. que encontrei de todos estes géneros e respectivos sub-géneros a partilhar a minha militância.

É, aliás, devido à existência destas franjas alargadas de militância que muitas vezes somos acusados de ser um partido sem identidade.

Não concordo, como é óbvio.

O P.S.D. funda-se nos três grandes valores base de Humanismo Cristão (o que, para evitar confusões, se define como o Homem como elemento central no que o rodeia), de Reformismo e de Liberalismo Político (sim, não estritamente económico).

No que a mim me toca, vejo o P.S.D. como um partido de pendor liberal(social, política e economicamente) que se identifica pela inovação constructiva e responsável na política e na sociedade.

Vejo também o P.S.D. como não sendo um partido de Direita (ou Centro-Direita) mas sim um partido que, já desde a sua fundação, não caiu na necessidade de se auto-catalogar e que, parafraseando Shaw, não se descobriu, criou-se.

E para os que aqui participam? O que é o P.S.D.? E a J.S.D.? E porque se sentem próximos (ou distantes) dos seus valores?



uma psicose de José Pedro Salgado às 14:55
link directo | psicomentar | psicomentaram (36)

Psicanálise

No final de Setembro não divulguei os números da actividade deste nosso espaço. Venho agora fazê-lo em conjunto com os dados de Outubro.

Setembro foi o melhor mês para o Psico. A discussão pautou-se por 34 artigos e 674 comentários. Grande! “A todos os níveis”… As eleições directas para o PSD tiveram muita influência nestes números.

Em Outubro, houve uma natural diminuição. Ainda assim, foi o segundo melhor mês do Psico. Outubro foi também o mês do ingresso dos nossos 4 novos Psicóticos: aquisições de luxo.

Para finalizar as estatísticas, eis o top 5 dos artigos mais comentados:

1. Quem tem medo do lobo mau? (Margarida Lopes) 70 comentários
2. Noite de nevoeiro… (Sandra Pimentel) 60 comentários
3. Igualdade de direitos?! (Margarida Lopes) 50 comentários
4. A diferença (Nelson Faria) 48 comentários
5. Justa imoralidade (Inês Cassiano) 46 comentários


uma psicose de Paulo Colaço às 02:57
link directo | psicomentar | psicomentaram (16)

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.