Quinta-feira, 28 de Junho de 2007
Lá vai Lisboa... parte III
Um artigo de Sandra Pimentel
 
 
“Delirante, ácido e bem-humorado: eis o psicolaranja!Seguiremos de perto a insanidade que lavra na política nacional, sem esquecer que o Mundo também não anda a tomar os comprimidos…”

Foi assim que começámos. É esta, portanto, a nossa missão.

E por falar em insanidade, nos dias que correm, só podemos falar das eleições intercalares para a CML.
Últimos desenvolvimentos...

Maria José Nogueira Pinto disponibiliza-se a ajudar Telmo Correia na campanha e depois aparece na campanha de António Costa. É convidada em público para trabalhar a partir de dia 16 de Julho com o ex-ministro socialista, com direito ao beijinho da praxe para a fotografia.
Bem, que comentário nos merece?
Costuma dizer-se que a vingança é um prato que se serve frio. Parece que a Zézinha não deixou esfriar grande coisa... Terá este arremesso político consequências nefastas para os resultados do CDS?

Há um cartaz nas ruas do Concelho que diz “Houvessem mais Zés”. Bem, houvessem mais Zés e o buraco financeiro da Câmara seria ainda maior! E imaginem quantos estaleiros espalhados pela cidade com as obras embargadas... O voto em José Sá Fernandes é a maior prova de insanidade desta cidade!

Depois temos Fernando Negrão, que optou pela via cómica para ganhar o riso dos cidadãos. Sim porque com tantas gafes não lhes ganha a confiança de certeza! Basta perceber que quem se candidata à capital do país pelo maior partido da oposição e não sabe o que é o IPPAR, a EPUL e a EPAL, à partida, está condenado.

Quem é que perde? Claramente, Lisboa.
 


uma psicose de Paulo Colaço às 10:43
link directo | psicomentar | psicomentaram (19)

Domingo, 24 de Junho de 2007
Orgulho Gay

Durante todos os anos que ocorreram as marchas do Orgulho Gay, em Lisboa e em outras cidades, sempre me surgiu na mente uma questão que me parece óbvia: Orgulho de quê?

 

 

Atenção, esta pergunta não tem ponta de xenofobia. Mas simplesmente eu que sou heterossexual não tenho qualquer orgulho nisso. Sou e pronto!

 

 

Este ano finalmente ouvi uma resposta inteligente à pergunta, vinda da parte de Sérgio Vitorino, um dos organizadores da marcha:

 

 

"A orientação sexual não é uma coisas que se construa ou que se escolha, é uma característica das pessoas. O orgulho é de estarmos vivos apesar da descriminação, de não nos escondermos apesar da discriminação, e de termos escolhido lutar contra ela. Orgulho disso, de não termos vergonha de quem somos."

 

 

Acho que a resposta estará um pouco confusa, mas retira-se o essencial. O orgulho é da luta contra a descriminação.

 

 

Creio que esta será uma perspectiva muito mais correcta e eficaz do que a habitual atitude "in-your-face" dos participantes desta marcha, cuja vontade de exibir a sua orientação sexual ultrapassa a saudável falta de vergonha/orgulho para chegar mesmo a um certo exibicionismo.

 

 

Apesar de continuar a ter algumas reservas sobre a marcha, por se traduzir numa forma de reivindicação revestida de um certo esquerdismo que (isso sim) me faz confusão, confesso que assim já faz mais sentido.


uma psicose de José Pedro Salgado às 13:30
link directo | psicomentar | psicomentaram (22)

Quinta-feira, 21 de Junho de 2007
A não perder!


uma psicose de Paulo Colaço às 21:37
editado por Essi Silva em 12/12/2012 às 08:29
link directo | psicomentar | psicomentaram (17)

O amuanço do costume

 

 

UE:Blair diz que está preparado para rejeitar hoje o tratado

Sou um grande fã do Reino Unido.

Creio que este país consegue reunir diversos aspectos culturais, sociológicos, políticos, etc., que me fascinam e que podem consubstanciar um exemplo para muitos.

No entanto, desde o primeiro momento da criação da "qualquer coisa" europeia que este país demarcou muito firmemente a sua posição: Ou jogam como eu quero ou não vou a jogo!

De facto, apesar de serem dos fundadores da C.E.C.A., já em 1951 Paul-Henry Spaak (um dos principais impulsionadores do movimento europeu e primeiro Presidente da Assembleia Consultiva do Conselho da Europa) demitiu-se do seu cargo dizendo:
"Para a Europa a escolha é simples: ou se alinha pelo Reino Unido e renuncia à construção da Europa, ou tenta-se construir a Europa sem o Reino Unido. Eu por mim escolhi a segunda hipótese."

Tentaram ainda dominar a Europa com o Plano Eden (vetado) e não quiseram entrar no Euro por dúvidas de sustentabilidade e critérios económicos.

Gentlemen: Europe is no longuer the U.K.'s backyard.


uma psicose de José Pedro Salgado às 14:32
link directo | psicomentar | psicomentaram (2)

Quarta-feira, 20 de Junho de 2007
Lá vai Lisboa... parte II


Um artigo de Sandra Pimentel
 

 

Não sei se foi mau. No cômputo geral, vá lá, foi mais ou menos. Ainda fraquinho, ansiosamente esperamos a energia da campanha pura e dura. Mas, e Lisboa? Poderá esperar o quê?
O primeiro debate entre os sete(!) principais candidatos à CML deu para vislumbrar muito, e não foi bom.
António Costa, que pede uma maioria, mostrou-se menos forte do que se esperava. Afirmando ter só uma cara, poderá sair-lhe caro não a cara, mas a camisola do Governo que insiste em vestir nesta corrida à capital.
Sá Fernandes demonstra, cada vez mais, que não faz falta nenhuma. Arrogante, julga-se o único (vejam só!) conhecedor da situação de Lisboa, desde os prédios devolutos, o nº de trabalhadores, o valor do passivo... ao que parece “o Zé não faz falta a Lisboa” mas Lisboa deve fazer falta ao Zé...
Boas prestações de Helena Roseta e Telmo Correia, também de Carmona Rodrigues, ainda que lhe tenha faltado devolver algumas acusações que lhe foram feitas. Parece que a veia política, astuta e incisiva que os primeiros dois mostraram, não faz parte das “armas” do antigo Presidente da CML.
Ruben de Carvalho teve uma prestação, diria, inqualificável. Não acrescentou nada, utilizou um tom jocoso, e para quem é autarca em Lisboa há tantos anos, já parece querer reformar-se do posto, tanta foi a energia que trouxe ao debate.
E Negrão? Caros psicóticos e visitantes, espero que tenham tempo para virem dar a vossa opinião. No mínimo, terá sido uma enorme desilusão. Já não bastou ter sido uma má escolha do PSD, Fernando Negrão perdeu uma bela oportunidade de tentar virar a contenda a seu favor, mostrou-se mal preparado, mal informado e pouco apetrechado para ganhar uma eleição em Lisboa.


uma psicose de Paulo Colaço às 00:12
link directo | psicomentar | psicomentaram (8)

Segunda-feira, 18 de Junho de 2007
Lápis Rosa
JSD Vence Tentativa de Censura Política das Estradas de Portugal

Como sempre tem procurado fazer ao longo da sua história, a Distrital de Setúbal da JSD lançou uma campanha de outdoors, para demonstrar o sentimento de indignação, de revolta e de defesa dos habitantes honrados da Margem Sul do Tejo, que contribuem (como qualquer outro compatriota) para o crescimento e desenvolvimento do nosso país.

A famosa campanha do Deserto e do Camelo Rosa teve esta semana um episódio "pidesco", quando fomos notificados pelas Estradas de Portugal (EP) para retirar um dos cartazes. Diziam eles, que não tínhamos autorização para colocar um painel publicitário. Dizemos nós: a JSD não fez nenhuma campanha para vender sabonetes, mas desenvolvemos sim uma acção política de defesa dos portugueses da Margem Sul do Tejo.


À Notificação reagimos com a certeza de termos a razão do nosso lado, e com a convicção que não são tentativas de censura política que nos calam.Denunciámos publicamente a situação, e só então, a EP se "lembrou" do equívoco e retirou a notificação. Cometeram 2 erros: politicamente, porque mais uma vez acenderam a polémica, e nos deram visibilidade; civicamente e legalmente, porque agiram como comissários políticos do Governo, e agindo de forma ilegal.


A JSD, mais uma vez, não se vergou e esteve firme a defender aquilo que é, aquilo em que acredita, não se demitindo de representar a população da Terra onde nascemos, onde vivemos, onde trabalhamos e que amamos.


O Portugal Democrático assistiu a mais este desmando de um Governo a que importa dar combate. Em Nome do Futuro das Novas Gerações e de Portugal!


Nuno Matias (nuno-matias@netcabo.pt)


uma psicose de PsicoConvidado às 15:22
link directo | psicomentar | psicomentaram (10)

Segunda-feira, 11 de Junho de 2007
Pedreiros-Livres

A Maçonaria auto denomina-se uma associação de carácter universal de homens livres e de bons costumes, guiando-se pelos princípios da Liberdade, Igualdade e Fraternidade.

 

 

Os Maçons reúnem-se em Loja e em cada Loja Maçónica é eleito o seu Venerável Mestre, com a função de dirigir os trabalhos, por um mandato.

 

 

É uma obediência iniciática (envolve certos rituais para a entrada de um novo membro), filosófica (no sentido de debater, discutir e problematizar sobre formas de ver e pensar o mundo), filantrópica (desenvolvendo actividades de carácter social) e educativa (segundo uma ideia de construção do conhecimento).

 

 

Não se considerando, actualmente, uma sociedade secreta mas sim discreta, são conhecidos e publicados alguns dos símbolos e rituais.

A sua origem encontra-se ligada ao corporativismo obreiro, apresentando-se como a evolução das organizações de mestres-pedreiros da Idade Média e do Renascimento, que já tinham alguns rituais próprios e actividades fora do seu fim principal.

Assim, o nome "Maçonaria" virá da palavra francesa maçonnerie ou da inglêsa masonry (construção). Esta construção será feita pelo maçom nas suas lojas.

Nessas organizações o elemento especulativo tomou o lugar do elemento operativo, através da entrada nessas organizações de elementos de sectores cada vez mais diversos da sociedade.

A Maçonaria utiliza um sistema de graus para transmitir os seus ensinamentos, através de símbolos e diferentes rituais.

No que toca a Portugal, existem de momento, ao que sei, sete diferentes obediências:

Grande Loja Regular de Portugal/Grande Loja Legal de Portugal
Grande Oriente Lusitano
Grande Loja Regular de Portugal
Grande Loja Nacional de Portugal
Casa Real dos Pedreiros Livres da Lusitânia
Direito Humano
Grande Loja Feminina

Várias figuras famosas eram alegadamente maçons:

Egas Moniz
Afonso Costa
Oliveira Marques
Henrique Cardoso
Gago Coutinho
George Washington
Gomes Freire de Andrade
Harry Houdini
Goethe
Bach
José Relvas
Beethoven
Napoleão Bonaparte
Norton de Matos

Só para nomear muito poucos.

Muito mais haveria para dizer sobre esta ordem iniciática, sobre a qual rios de tinta já se escreveram, mas não será aqui, até para deixar espaço para debate. Assim, para quem quiser saber mais:

http://www.maconaria.net/

Termino dizendo que, não sendo maçon, a informação aqui exposta é, ao que consigo aferir, correcta. Sobre qualquer imprecisão, manifestem-se.


uma psicose de José Pedro Salgado às 03:07
link directo | psicomentar | psicomentaram (13)

Domingo, 10 de Junho de 2007
Guitarras de Portugal

Um artigo de Adriana Neves

 

Entendo que nem só de criticas vive este blog, também importante realçar aquilo que de bom se faz por este mundo. Talvez vá parecer demasiado tendenciosa mas este feito dá-me algum orgulho e gostaria de partilhar convosco.

 

O projecto existe em http://www.guitarrasdeportugal.com/ e resume a história de dois homens que de alguma forma tem dedicado a sua vida a música tradicional e ao seu estudo. O site tem a particularidade de ter música gratuita, em quantidade e em boa qualidade.
Passem pelo site, ouçam, comentem, divulguem e acima de tudo ajudem a contribuir para mantermos as nossas raizes culturais.


uma psicose de Paulo Colaço às 17:02
link directo | psicomentar | psicomentaram (5)

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.