Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2008
Regulamentar?

Dados do evento:
Tema: Como lidar com os lobbies?
Oradores: José Pacheco Pereira / Luís Paixão Martins
Data: 31 de Janeiro
Local: Auditório 1 da Universidade Lusíada
Horário: 21H00
Moderador: Pedro Correia
Organização: Blog Psicolaranja, Secção F e Blog Corta-Fitas


uma psicose de PsicoConvidado às 16:45
editado por Essi Silva em 12/12/2012 às 08:40
link directo | psicomentar

46 comentários:
De Paulo Colaço a 23 de Janeiro de 2008 às 16:59
Vai ser um debate memorável!

Um abraço à Secção F do PSD/Lisboa e ao blog Corta-Fitas por esta parceria.

Podemos já começar aqui o debate.

Como sempre, quem não puder estar presente pode remeter via e-mail ou através de comentário as suas perguntas aos oradores.


De Bruno a 23 de Janeiro de 2008 às 17:53
Este é, para mim, um dos debates mais aguardados. Desde os tempos de estudante universitário, quando fiz um trabalho sobre este tema que tenho curiosidade sobre o assunto.

Hoje em dia, por defeito profissional, o interesse mantém-se. Para além disso, os oradores são excelentes, os parceiros de organização idem e os Psico-Debates já começam a ser um hábito agradável!


De Tiago Sousa Dias a 23 de Janeiro de 2008 às 17:55
Este painel promete, é o minimo que se pode dizer. Luis Paixão Martins é talvez a voz mais experiente em Portugal sobre o tema; Pacheco Pereira, goste-se ou não do feitio, da personalidade ou postura, é uma referência politica em Portugal. Admiro-o por ter conquistado esse lugar sem necessidade de uma estrutura politica a apoiar a sua voz.
Será sem dúvida um grande debate.
Lá estarei.


De Tiago Sousa Dias a 23 de Janeiro de 2008 às 17:57
Aliás permitam-me ainda outro comentário.
No dia 24 de Novembro tivemos sem dúvida o melhor painel de todos os debates realizados sobre o 25 de Novembro; sobre este tema não configuro melhor o painel nos moldes em que o realizamos, seria caso para dizer: "Psicolaranja: We Make It Hapen!" ? :)


De Bruno a 23 de Janeiro de 2008 às 18:14
Tiago Sousa Dias disse...
Admiro-o [a Pacheco Pereira] por ter conquistado esse lugar sem necessidade de uma estrutura politica a apoiar a sua voz.

Achas mesmo, Tiago? Onde estava ele antes de ser Deputado e Presidente da Distrital de Lisboa do PSD?


De Kelly junior a 23 de Janeiro de 2008 às 18:24
"Onde estava ele antes de ser Deputado e Presidente da Distrital de Lisboa do PSD?" pergunta o Bruno.

Este tipo de pergunta só mostra ignorância e a tradicional má vontade que a independência do Pacheco Pereira suscita. Pacheco Pereira já era professor universitário, tinha vários livros publicados em áreas da história em que foi pioneiro, e escrevia no Semanário nos tempos aureos do Cunha Rego uma coluna muito conhecida, tinha sido fundador do Clube da Esquerda Liberal e membro muito activo da campanha de Soares. Cavaco Silva que o convidou sabia muito bem que era uma mais valia para o partido. E para os que não tem memória há mais de dez anos que deixara a extrema-esquerda, antes sequer de Barroso lá entrar. Deixem-se de tretas e ressentimentos, o Pacheco Pereira vale por si, e fizeram muito bem em convida-lo. Estivesse o partido mais atento ao que ele diz e não se estava nesta desgraç!


De Rodrigo a 23 de Janeiro de 2008 às 18:46
convite ... http://esquerdadireitavolver.blogspot.com/


De Um ausente a 23 de Janeiro de 2008 às 21:08
Algumas perguntas:

- Os lobbies serão obrigados a publicitar a sua lista de clientes?
- Os deputados serão obrigados a publicitar as suas reuniões com lobbies?

Se sim, sou a favor!


De Tiago Sousa Dias a 23 de Janeiro de 2008 às 21:59
Caro ausente. Essa é uma (2) excelente questão que, se mais ninguém a colocar e tu estiveres...ausente, eu tratarei de colocar.
Eu sou a favor mesmo sem essa obrigatoriedade por um motivo muito simples: o lobby não é feito para decidir mas para convencer a decidir. Da mesma maneira que hoje é possível um deputado ir a convite às instalações de uma fábrica conhecer o ambiente industrial e ninguém tem nada a ver com isso, apartir do momento em que seja institucionalizado o lobbying ninguém tem nada a ver com as iniciativas que levam à tomada de decisão de um deputado, seja por iniciativa dele seja por iniciativa do lobista.
Se me disseres, porém, que estou a ser ingénuo porque os deputados hoje não têm outro processo decisório além da disciplina de voto, não aceito porque sei disso, só digo o que acho que deveria ser... Não sei se fui claro.... mas esta é a minha perspectiva.


De João Marques a 23 de Janeiro de 2008 às 23:00
Se bem que o tema não é este, não posso deixar de sublinhar o que escreve Kelly Júnior.
Quer queiramos quer não o percurso político de JPP, se bem que com as derivas que se conhecem, é claro e certo.
Além disso, aqueles que o criticam violentamente por não dar o corpo às balas, esquecem-se que foi ele que enfrentou Soares nas eleições europeias de 1999. Quantos teriam a coragem de o fazer?!?

Quanto ao tema em si, deixaria uma hipótese de pergunta: Tendo em conta que o modelo americano de "lobby às claras" nem sempre consegue os melhores resultados (e este é um pressuposto meu), qual seria/será na opinião dos oradores o modelo certo, o meio termo entre a possibilidade de identificação fácil dos movimentos para-polítcos que, legitimamente, exercem a sua influência junto do poder e a manutenção do necessário distanciamento entre todos esses intervenientes? Auguram algum tipo de fiscalização? Alguma entidade interlocutora entre o poder político e o lobbying?

Já agora, o que acham de debater as jotas com JPP. Seria, no mínimo, estimulante.


Comentar post

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.