Segunda-feira, 10 de Fevereiro de 2014
Politicamente Correcto - doença (crónica) Portuguesa

Em Portugal é proibido questionar convenções. Quem o faz é imediatamente ostracizado. Se algo ameaça a postura convencional, então é porque é extremista, ou marginal, ou pior.

 

Exemplo: em país católico/socialista (frequentemente os dois vão de mão dada) quem põe em causa que o Estado deve sustentar todos os cidadãos e distribuir benesses até mais não, é alguém que é extremista/neoliberal/insensível. Que nunca ocorra a nenhuma cabecinha que quem vem a público dizer que não há dinheiro para tudo, esteja apenas a constatar a realidade e a chamar governantes e sociedade, à responsabilidade; quais insensíveis, violadores dos valores de Abril, ladrões que de conluio com o 'grande capital' põem o país a saque...

 

Daí que pessoalmente, eu ache vergonhosamente cobarde, que a extrema-esquerda use todos os insultos e mais alguns para atacar a direita no que toca a políticas económicas. Nunca poderia a direita sequer sonhar em chamar as barbaridades à esquerda, de que é chamada por esta. Mas como as Anas Drago e Jerónimos de Sousa estão perfeitamente cientes de que o politicamente correcto e a convenção estão do seu lado - o lado do povo, estão a ver? - nem sequer hesitam em chamar a governantes legítimos 'ladrões', ou de tentar insinuar corrupção e fraude - nunca pagando, claro está, quando se prova estarem errados.

 

Assim, não é de surpreender que - talvez em Portugal mais do que em qualquer outro país - os génios sejam todos póstumos. É biografia recorrente aquela que acaba por concluir que, em vida, a excelsa pessoa nunca foi compreendida ou admirada. Foi preciso morrer na miséria e na amargura para postumamente lhe reconhecerem o devido valor.

 

===================================================

 

Faço esta introdução antes de me lançar no tema: o resultado do recente referendo na Suíça, que foi discutido hoje, no programa 'Opinião Pública' da SIC Notícias.
Eu compreendo quem queira defender a União Europeia e eu próprio não me considero propriamente eurocéptico mas não me conformo com a falta de pensamento crítico ou tolerância de quem o faz. Como já tive oportunidade de escrever, em Portugal o europeísmo é cânone, é dogma, não é juízo lúcido.

A coisa começa logo enviesada: no próprio site da SIC Notícias, a abordagem ao assunto é o ABC de como não fazer jornalismo (eu não me licenciei em Jornalismo mas estudei Sociologia da Informação. Os jornalistas da SICN também?...).

Supostamente o programa tem como objectivo debater temáticas. Para tal tem que dar espaço a opiniões divergentes. Mas veja-se a própria sinopse: 

 

"Queremos saber o que pensa do restabelecimento de quotas para os cidadãos europeus que queiram imigrar para a confederação helvética? "

 

Até aqui tudo bem - salvo a confusão entre afirmação e interrogação - pois estão apenas a solicitar pontos de vista de forma neutral.

 

"Que razões terão levado 50,3 % dos suíços a votarem sim, numa altura em que o desemprego é de apenas de 3,2%

e os empresários dizem que o atual sistema de angariação de mão-de-obra estrangeira beneficia a economia? 
E que reação deverá ter agora a União Europeia,

uma vez que os resultados do referendo vêm pôr em causa os acordos de livre circulação de pessoas e de participação no mercado interno?"

 

Pois é, que tolinhos estes Suíços :D que curioso que tenham sido tão palerminhas...
Ou seja, a coisa descamba completamente. A enunciação é tão claramente parcial que chega a estar perto da desinformação. Um enunciado neutral seria algo que questionasse a decisão dos Suíços e depois desse um argumento a favor da decisão e outro contra. Do género: tendo em conta X esta foi uma boa decisão mas considerando Y não será contra-producente a prazo?

Isto é aliás aquilo que é normalmente feito para espicaçar o debate e pôr as pessoas a falar. Mas não. Aquilo que aqui é feito é 'guiar' o telespectador/internauta: em primeiro lugar solicita-se a opinião mas seguidamente bombardeia-se o leitor com 3 argumentos sucedâneos que fazem a decisão dos Suíços parecer absurda.

 

Pois bem, quem está a ver tem depois o prazer de assistir ao comentário do convidado Miguel Gaspar, Director-Adjunto do Público. Surpresa das surpresas, Miguel Gaspar - como bom intelectual tuga - está ele próprio surpreendido com o resultado!... - ó porque será? - Gaspar interroga-se porque terão os Suíços votado em lei tão irracional e apenas consegue concluir que foi um voto 'emocional'.

 

Estes paladinos da democracia são fabulosos: quando o voto é a seu favor 'o povo é quem mais ordena', quando é contra 'ai coitadinhos, foram iludidos'...

Mas esta cobertura não é exclusiva dos media Portugueses. A Universidade Britânica LSE, conhecida pelas suas simpatias esquerdistas e ultra-europeístas, fazia o mesmo argumento hoje de manhã: se votaram mal, não é porque os Suíços sejam de extrema-direita (já tinham assim classificado o referendo de antemão, de maneira que agora convinha distinguir o partido dos votantes, para não parecer mal) mas sim porque o SVP é muito esperto e é muito bom no marketing........

Mas a cereja no bolo foi quando os telespectadores começaram a telefonar e - ironia das ironias - alguns deles emigrantes Portugueses na Suiça, rapidamente acusam o comentador (Miguel Gaspar) se não fazer ideia do que fala pois a crescente criminalidade e as condições difíceis de empregabilidade amplamente justificam, na opinião deles, a imposição de quotas de imigração.
Ou seja, depois de semanas de cobertura que apelidava a iniciativa de extremista, populista, eurocéptica, com pressão da parte de Bruxelas para que o 'Sim' perdesse, e ainda fazendo passar a imagem de iniciativa danosa para os interesses dos Portugueses que queriam emigrar, vêm depois os Portugueses já na Suíça dar uma visão de perfeita razoabilidade e ainda por cima quebrar a ilusão de que a comunidade Portuguesa é uniforme.

 

Sim, a Suiça não vai ter tantos trabalhadores disponíveis mas agora que quotas são impostas, a via fica aberta para seleccionar aqueles que realmente têm boas hipóteses de ser empregues.

Sim, a iniciativa põe em causa acordos com a UE mas a UE não é a suprema autoridade daquilo que é moral e razoável na Europa. Uma vez que a UE também não ouviu os Suíços quando decidiu abranger a Roménia e a Bulgária com o espaço Schengen, porque não seria aceitável que os Suíços quisessem rever os acordos com a UE - mesmo que seja apenas para negociar meia-dúzia de cláusulas? Será que é eurocéptico discordar da UE ou ter interesses divergentes?

Porque não é concebível para os paladinos do multiculturalismo, que os motins e a violência urbana em Paris, Bruxelas, Roterdão, Londres, Malmo, etc são consequências directas de políticas de acolhimento que se provou deixarem muito a desejar em eficácia?

E sobretudo, porque não é concebível para os jornalistas Portugueses, algo tão simples como a possibilidade de os Suíços estarem a aprender com os maus exemplos de estados-membro da UE?

Não exijo que a cobertura seja favorável ou desfavorável, exijo sim que a cobertura seja imparcial e informada. Mas suponho que é exigir demais de um país que preguiçosamente confia no convencional para a rotina informativa.



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 21:36
link directo | psicomentar | psicomentaram (7)

Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2014
PS - eternamente do lado errado da História?

 

 

"no actual contexto da crise financeira mundial, "há mais razões económicas" para que todas as obras públicas de modernização das infra-estruturas "se façam", uma vez que "não servirão apenas para melhorar a competitividade do país"" (Sócrates 2008)

 

 

"Lembrou a propósito socialistas que passaram pelo poder: um slogan de Guterres - "uma nação não é só números" - e a frase de Jorge Sampaio "há mais vida para além do défice". " do PEC, acrescentou." (Alegre 2010)

 

'Moody's downgrades Portugal's debt'

 

"Portugal não precisa de aderir a nenhum fundo de resgate" (Sócrates 2011)

 

"Portugal needs cash urgently, and with nowhere else to turn,

it finally requested an embarrassing but unavoidable financial bailout

from its European peers and from the IMF"

 

 

"o Governo não passa de um vendedor de ilusões que visa criar a ideia nas pessoas que o nosso país está a sair da crise mas, infelizmente, não é assim". - (Seguro 2014)

 

'Moody's changed outlook on bond rating of Portugal to stable from negative'

"Recent data releases indicate a stabilization of the economy,

with exports continuing to grow and the unemployment rate declining from its very high level.

The broad structural reforms that the Portuguese authorities have undertaken

in the context of the Troika support programme

should support the country's economic growth in the medium term"



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 01:51
link directo | psicomentar

Casa Pia não "enfraquece a sociedade"...

O senhor Braga da Cruz - ex-reitor da Universidade Católica - está muito preocupado que homossexuais possam legalmente adoptar crianças.

Diz ele que:

 

"A questão da co-adopção e adopção por homossexuais vai muito para além de saber quem pode ou não cuidar de uma criança,

tendo implicações civilizacionais"

 

"Nos últimos anos temos vindo a assistir a uma deliberada orientação política que visa debilitar a sociedade, em nome do reforço da liberdade individual.

Isso enfraquece a cidadania, enfraquece a sociedade civil e torna a sociedade facilmente manipulável por objectivos políticos.

Estamos perante uma questão que altera a ordem civilizacional em que temos vivido ao longo de milénios.

Não é coisa pouca, é uma questão muito importante que não pode ser decidida ligeiramente e apressadamente.”

 

 

Pois, realmente, posta desta maneira, trata-se de uma questão gravíssima...

 

Vamos começar por aqui: não o nego, penso que a adopção por uma família homossexual é menos do que perfeita e se possível preferiria que a adopção fosse feita por famílias heterossexuais com ambos os progenitores.

 

MAS

 

Ao contrário do senhor ex-reitor, eu sou capaz de ver o contexto que está mesmo à minha frente:

 

1 - a homossexualidade é prática proibida? Não. Logo é expectável que as novas gerações de crianças entrem em contacto com esta realidade cada vez mais cedo. Se não tiverem pais homossexuais, terão tios, primos, irmãos, etc. Então e estas práticas? Não mudam milénios de tradição?...;

 

2 - é a adopção por famílias homossexuais penalizada por lei? Não? Então o que o senhor ex-reitor está a dizer é que ele não está verdadeiramente contra a co-adopção per se - porque esta já existe - mas sim contra a co-adopção aberta e legislada...;

 

3 - também não percebo que "a ordem civilizacional em que temos vivido ao longo de milénios" tolere famílias monoparentais, avunculoparentais, fratriparentais, aviparentais, etc. mas não tolere famílias com pais homossexuais... É assim um desvio tão grande?...;

 

(e eis que chegamos ao ponto que mais me dana)

 

4 - Para o senhor ex-reitor, a co-adopção terá consequências civilizacionais mas aparentemente, famílias aonde os filhos levam tareia de meia-noite, são molestados, vivem na pobreza e na ignorância, essas não têm consequências civilizacionais... Não devem ter porque isso já ocorre há milénios e ainda estou para ver as tais consequências...

Para o senhor ex-reitor, é preferível um órfão ser educado em Casas Pias e ser sujeito a tudo o que isso acarreta, que ser educado numa família homossexual, porque afinal... as Casas Pias não enfraquecem a sociedade... e isto tudo, ainda por cima, numa altura de crise e austeridade, conjuntura que não se compadece com grandes gastos orçamentais com programas sociais.

 

 

Senhor ex-reitor, tenho uma palavra para si: 'PRIORIDADES' homem! 'PRIORIDADES'!!



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 01:05
link directo | psicomentar | psicomentaram (2)

Sábado, 4 de Janeiro de 2014
5 grandes livros que você não estudou na escola

O presidente do Ordem Livre, Diogo Costa, sugere aqui 5 livros para compreender o mundo actual. Fica a sugestão de leitura:

1. Ensaios de Frédéric Bastiat
2. As Seis Lições
3. A lógica da ação coletiva | (PDF em inglês)
4. Tempos Modernos
5. O Otimista Racional | (vídeos sobre)

A imagem é um fundo de computador feito por mim.
Basta clicar nela para a ter o Bastiat em grande.

 



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 01:23
link directo | psicomentar

Sexta-feira, 3 de Janeiro de 2014
O Saco de Gatos


Aparte o facciosismo caciquista intra-partidário, o PSD como plataforma macro-agregadora de correntes de pensamento de direita, padece também de rivalidades ideológicas. Tentei neste quadro demonstrá-las partindo do único critério da dimensão do estado em meras três esferas de política governamental: economia e finanças, dirigismo de valores, e política externa.

Identifiquei assim 7 grandes correntes ideológicas dentro da direita Portuguesa:



  • Social-Democratas (Social-Dems) - Escola de pensamento antiga centrista mas de tendência esquerdista. Apenas vigorou no PSD num período mais inicial da fundação do partido tendo depois dado lugar sobretudo a Conservadores e Social-Cristãos. Pautam-se pelo dirigismo estatal na economia e pela solidariedade internacionalista.

  • Conservadores (Cons) - A corrente conservadora é a génese agregadora da direita Portuguesa. Tradicionalistas nos costumes mas conservadores fiscais.

  • Liberais (Libs) - Agora no poder, eles são sobretudo a geração dos 30s e 40s, mas ainda baby-boomers. Regem-se por uma atitude permissiva tanto em costumes como na economia. Favorecem o sector privado e o cosmopolitismo libertino da vida moderna nos valores. Por outro lado, são altamente voluntaristas em política externa, defendendo com unhas e dentes o institucionalismo liberal.

  • Social-Cristãos - Definem-se pela sua ortodoxia nos valores. São aqueles que ainda se batem pela penalização do aborto e pela definição stricto sensu do 'casamento' mas são também grandes proponentes da intervenção social do estado.

  • Libertários - Os anarco-capitalistas fazem jus ao nome. Isolacionistas na esfera internacional e minarquistas na economia. 'Estado para que te quero'.

  • Neoconservadores (neocons) - Corrente de Liberais desiludidos, olham com saudosismo para os anos 50 e querem um certo regresso a esse tempo. Querem famílias estruturadas e o Ocidente como fonte de inspiração libertadora para o resto do mundo.

  • Utilitário-Conservadores (Ucons) - Tendência pragmatista e tecnocrática. O interesse nacional é o ponto de partida para a sua perspectiva política. Socialmente liberais, cépticos de internacionalismos e adeptos da austeridade e responsabilidade financeira. Rejeitam tudo o que seja inspirado em utopias e qualquer forma de engenharia social. Definem o interesse público objectiva e empiricamente.



(Deixei de lado os populistas demagógicos porque esses pululam pela tabela fora, consoante a mudança de direcção da manda de vento da opinião pública).



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 15:40
link directo | psicomentar

Segunda-feira, 30 de Dezembro de 2013
Charles Murray sobre as mudanças na família Americana

Uma reflexão interessante:



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 15:28
link directo | psicomentar

Sábado, 30 de Novembro de 2013
Helena Roseta pode dar entrada no mesmo hospício que o Mário Soares...

 

 

A actual situação dos Estaleiros é grave e estes deviam merecer uma atenção especial do governo pela sua importância estratégica. Acho sobretudo vergonhoso que a mesma UE que autoriza excepções para regimes fiscais no Luxemburgo, Holanda e Irlanda, ou que autoriza excepções de subsidiação para a França e Alemanha na Airbus, encontre grande problema nos nossos estaleiros. Há um termo para isto: interdependência assimétrica (Joseph Nye). Já se tinha visto o mesmo no processo da PT.
Acho também grave que as contrapartidas do processo dos submarinos não sejam reivindicadas com coragem por um governo em dificuldades financeiras e economicamente estruturais.
Dito isto, a performance de Helena Roseta é absolutamente patética. Não sabe e não quer saber. É perfeitamente incapaz de aceitar a realidade em que vive. Roseta existe na 5ª dimensão, aonde desejos e ideais não têm que submeter-se aos factos.
PATÉTICO...


uma psicose de Miguel Nunes Silva às 00:02
link directo | psicomentar | psicomentaram (6)

Sexta-feira, 22 de Novembro de 2013
Lunáticos falam mais alto que Irresponsáveis -> Schadenfreude da Direita Bolchevique

Muitos há à direita que revoltados pelas imperfeições da actual conjuntura nacional ainda assim liderada pela direita, buscam soluções puritanas para o status quo. Que se derrube o governo! abaixo o regime! Afinal, aquilo que os neoliberais do governo de coligação estão a fazer vai contra os princípios puros da direita.

 

Assim se explica que democratas-cristãos, monárquicos, o clero, etc se rebelem contra este governo. É afinal TÃO FÁCIL fazê-lo. É afinal politicamente correcto dar-se cacetada no governo, e no Presidente, e nos políticos, etc.

 

Mas tal como a burguesia e a nobreza Moscovitas aplaudiram o derrube de Kerensky, também é perfeitamente absurdo que esta gente aplauda quem apenas iria agir AINDA MAIS contra princípios de direita.

 

Esta atitude cobarde e ridícula não é exclusiva a Portugal. Também no Brasil, muita da direita assiste extasiada à onda de protestos contra o governo Trabalhista. Estes puristas que acham que qualquer infortúnio que o governo de esquerda sofra é algo de intrinsecamente bom, são ideologicamente cegos perante a realidade: os manifestantes nas ruas do Brasil não representam uma alternativa viável a Dilma e ao PT. Muito pelo contrário, representam facções radicais e anarquistas que apenas agravariam os erros da governação esquerdista de Dilma.


O mesmo se pode dizer em Portugal. As manifs e as greves, os protestos mal-criados no Parlamento ou os insultuosos Grândolas Vila Morenas, não vêm de quem oferece uma melhor alternativa ao governo e regime actuais, de acordo com princípios de direita. São sim os gritos da esquerda radical que desespera por saber que não há alternativas esquerdistas ao governo de direita.

Para uma pessoa de direita aderir a esta moda, só com muita cegueira ideológica e irresponsabilidade cívica. Os patetas cá do sítio...



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 10:38
link directo | psicomentar

Segunda-feira, 18 de Novembro de 2013
Interesse Público ≠ interesse do público

Portugal é no mínimo uma democracia muito imperfeita. Poder-se-ia dizer que Portugal é uma democracia acívica.

 

A actual crise económica é prova disso pois revela - de acordo com o paradigma do resultado das eleições legislativas de 2009 - que os cidadãos Portugueses não compreendem a essência do sistema democrático liberal no qual vivem:

 

 

 

1. As eleições não servem em Portugal para eleger quem os cidadãos acreditam ser o melhor partidário do interesse nacional mas sim para eleger quem o cidadão acredita beneficiá-lo pessoalmente, governando a curto-prazo. Sócrates não foi mais do que um Valentim Loureiro a nível nacional. Os seus micro-ondas foram os cheques-bébé, o TGV ou os aumentos (tácticos e dolosos) à função pública.

Em 2009, a maioria dos Portugueses tinha mais fé em Manuela Ferreira Leite para ser honesta do que em José Sócrates mas estes mesmos Portugueses não só elegeram como RE-elegeram Sócrates.

 

2. Na democracia Portuguesa, apenas há direitos e não deveres. Manifestações são o pão nosso de cada dia para reivindicar mais benesses governamentais, quer a economia o permita ou não.

 

3. Votar em eleições, um genérico mas talvez o mais importante DEVER cívico, é visto com absoluta indiferença. Metade dos Portugueses não vota ou vota em branco/nulo. Que justificação dá quem falta ao seu dever cívico? "Eles são todos iguais", "Não me revejo em nenhum destes políticos"...

A população Portuguesa é no fundo Sebastianista. Em vez de votarem no menor dos males, ficam à espera da vinda de Cristo à Terra... Os democratas Portugueses ficam escandalizados quando homens providenciais acabam por tomar o poder mas os Marqueses de Pombal e os Oliveiras Salazar não vêm do nada. A hipocrisia da população - e sim, falo da população, das massas, e não das elites, dos políticos ou de qualquer outro bode expiatório frequentemente oferecido para justificar a NOSSA irresponsabilidade como povo - torna-se pateticamente óbvia quando depois de se desresponsabilizar dos seus deveres cívicos, se queixa que os seus direitos cívicos são atropelados pelo governo.

Vejamos o caso do sistema de pensões: milhares reclamam que os cortes nas pensões são ilegais, inconstitucionais e feitos de má fé, porque são retroactivos. Mas quem estava lá para impedir que o governo se sobreendividasse de forma a pôr em perigo o sistema? Ou já agora, quem lá estava para insistir num sistema de poupanças capitalizadas individuais em vez de um sistema de financiamento corrente? Para isso não houve manifs...


Se as pessoas têm ideias diferentes e preferem outro tipo de governação, então é lá com elas pois todos somos livres para pensar pela nossa própria cabeça. Mas então tenham coragem para defender também, os problemas do sistema que advogam! Não pode ser hoje estarmos contra a capitalização porque dá poder aos porcos capitalistas e porque é injusta para quem não poupou, e amanhã estarmos contra o sistema de gestão corrente insustentável para os direitos adquiridos, que antes se havia defendido...

 

----------------------------------

 

Mas falo nisto tudo porque fiquei abismado com a última emissão do programa do Provedor do Telespectador da RTP.

O tema do último programa era futebol e como tal vários comentadores desportivos - pessoalmente teria vergonha de pôr tal título profissional no meu CV mas enfim - e cidadãos foram entrevistados a fim de perceber os limites exactos do futebol como interesse público.

 

Não fiquei abismado porque os entrevistados não faziam a mais pequena ideia do que significa 'interesse público' - as minhas expectativas em relação à população em geral e aos vultos intelectuais que são os 'comentadores desportivos' ('fofoqueiros da bola' seria um título mais adequado) já são bastante baixas - mas sim porque o próprio Provedor também não compreende algo tão básico para o seu cargo como seja a definição de 'interesse público'.

 

Passo a explicar: as mentes brilhantes que foram opinar - e no caso do Provedor, julgar - o que era interesse público, confundiram 'interesse público' com 'interesse do público'.

Vejamos um exemplo concreto: o serviço de meteorologia é de interesse público porque transmite a 10 milhões de pessoas uma informação importante para poderem gerir as suas vidas nos dias que se seguem. O escrutínio de leis passadas pelo Parlamento serve também o 'interesse público' pois permite aos cidadãos terem acesso a decisões políticas que têm impacto directo nas suas vidas. Todos os telejornais oferecem estes serviços e fazem muito bem.

No entanto, nem a meteorologia nem a política são particularmente do 'interesse do público'. Para isso, os telejornais transformaram-se em programas de entretenimento e transmitem novidades futebolísticas (e não meramente desportivas pois não trazem qualquer utilidade a quem pratica desporto) de cinema ou de música para complementar 'a parte chata' das notícias do dia.


No programa do Provedor, várias pessoas interrogavam-se que tipo de jogos de futebol era digno de ser transmitido pela TV pública: se apenas os jogos da selecção, se apenas os jogos mais importantes das equipas nacionais, etc.


Eu ajudo: NENHUM JOGO É DO INTERESSE PÚBLICO.

Porquê? É muito simples: nenhum cidadão Português tem necessidade de saber seja o que for sobre futebol para levar uma vida absolutamente normal. Nenhum cidadão tem qualquer necessidade de ouvir notícias de futebol para o poder jogar, ele próprio.

O futebol é apenas e somente ENTRETENIMENTO. Nem mais, nem menos.

 

Poderíamos discutir se vale a pena a TV pública transmitir entretenimento mas seria depois complicado justificar que tipo a ser escolhido para exibição.

 

E aqui está uma das causas da esclerose da democracia Portuguesa: os Portugueses não são democratas.

Se interesse público é sinónimo de popularidade, então deveríamos eleger Cristiano Ronaldo nas próximas eleições. Não tenho a menor dúvida de que terá uma muito maior popularidade que Cavaco Silva.

 

Se o Provedor da TV pública não é capaz de discernir entre 'interesse público' e capricho de massas, então porque o haveriam de fazer os políticos?

A função de um estadista não é dar às pessoas o que eles gostam mas sim o que necessitam.

 

Claro que enquanto estádios de futebol forem mais importantes que uma gestão eficaz do sistema de pensões, não sairemos da cepa torta...



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 12:10
link directo | psicomentar | psicomentaram (2)

Sexta-feira, 1 de Novembro de 2013
Tribunal Constitucional: Responsável ou Irresponsável?

Cardoso da Costa – ex-presidente do órgão – dá hoje uma entrevista ao Sol em que dá a sua perspectiva sobre o assunto. Interessante.

fotografia



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 11:25
link directo | psicomentar | psicomentaram (2)

Segunda-feira, 28 de Outubro de 2013
3 verdades sobre a Austeridade

O Povo e os Sábios, por João César das Neves no DN:

Um dos grandes mistérios da situação portuguesa é que inúmeros dirigentes e intelectuais antecipam e incitam à revolta e ao tumulto social enquanto o País permanece sereno e ordeiro. Ambos os factos são estranhos. Como os analistas mostram razões ponderosas, o povo deve saber algo que eles ignoram. Três aspectos saltam à vista.

Primeiro, ao longo de duas décadas, especialistas e organizações avisaram que Portugal seguia uma trajectória insustentável que iria acabar mal. Banco de Portugal, OCDE, Comissão europeia, FMI e muitos cientistas anunciavam crescentemente a tempestade iminente. Ninguém podia dizer a data, a sequência ou os contornos, mas a linha geral era irredutível. Por isso soam a oco as acusações que se dirigem aos governantes actuais. Eles são a comissão liquidatária dos erros dos antecessores. Espanta que entre os críticos mais activos estejam alguns desses.

Embebedado 20 anos pelo dinheiro fácil do Tratado de Maastrich, Portugal chegou à borda do abismo e precisa de inverter hábitos recentes para cortar despesas e repor o equilíbrio. Isto todos entendem. A falácia básica de inúmeros comentadores, dos cafés à televisão é: "Quem viveu acima das posses foram ricos e poderosos, por que razão devo eu suportar os custos do esbanjamento alheio?" Felizmente, o povo, que não esqueceu como vivia antes e como a vida mudou com a dívida, entende a mentira por detrás da queixa.

Dinheiro fácil não foi só de ricosNão havia senão endinheirados entre os utentes dos inúmeros serviços públicos com défice operacional, dos transportes e saneamento à saúde e educação? Seriam os múltiplos centros comerciais, onde prosperavam lojas inacreditáveis, apenas frequentados por abastados? Eram só poderosos a encher os inúmeros restaurantes, pastelarias e cafés que substituíam os antigos farnéis? Os pavilhões polidesportivos, auto-estradas, casas da cultura, parques industriais e tantas infra-estruturas novinhas, que brotaram por todo o lado, só se destinavam às elites?

Apesar das atoardas dos sábios, os portugueses entendem bem o longo delírio colectivo, onde todos obtivemos ganhos excelentes, pagos com dívida externa que agora temos de liquidar. O processo é difícil porque, depois de as termos, essas exigências ficam indispensáveis e inalienáveis. Mas vivemos felizes sem elas durante gerações.

É verdade que também houve erros e crimes, que devem ser punidos, e nem sempre são. Muitas vergonhas, como o BPN, continuam isentas. Também agora, neste difícil ajustamento, ocorrem novos lapsos e abusos. Mas é importante entender que tudo isso não chega para explicar um problema deste tamanho, só atingível com a participação de todo o País. Dizê-lo gera sempre a acusação injusta de desculpar os corruptos e incompetentes que nos meteram no buraco. Mas isso é tolice. Não se deseja aliviar culpados mas promover a indispensável solidariedade social no sofrimento. Não só porque realmente todos aproveitámos da longa festa, mas também porque a raiva é sempre má conselheira.

A terceira coisa que a população entende bem e tantos sábios teimam em ocultar é que revolta e repúdio da troika e dívida aumentariam a austeridade, não a reduziriam. É preciso equilibrar as contas e os milhões da ajuda permitem aliviar e adiar esses cortes que, mesmo assim, são pesadíssimos. Seriam bem piores sem apoio. Além disso, a única hipótese de o País voltar ao normal é reganhar a credibilidade e a honestidade de bom pagador.

Nem as alternativas míticas de crescimento que tantos inventam nem a revolta que levianamente insistem em antecipar resolveriam a questão. A escolha actual é entre um caminho duro e exigente, com aperto e mudança de vida, para voltarmos ao desafogo, ou o estatuto de pária internacional, aparentemente aliviado da dívida, mas deixando de ser país respeitável. Além de continuar a apertar o cinto porque, afinal, até esquecendo os juros, o Estado ainda gasta mais do que tem.

É espantoso que o povo entenda isto suportando serenamente os cortes. Mas ainda mais do que os sábios, não.



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 09:21
link directo | psicomentar | psicomentaram (1)

Segunda-feira, 21 de Outubro de 2013
O 'falhanço' da austeridade...

Parece que as agências de notação que faziam parte da conspiração financeira internacional contra Portugal estão a mudar de táctica. Deve ser para tentar salvar o governo de direita... nada a ver com o que foi feito pelo governo até agora...

 

A Morgan Stanley's ainda avisa para o risco político de Portugal; trocado por miúdos, o Tribunal Constitucional defendendo leis de esquerda, ou a Esquerda Parlamentar ainda podem deitar tudo por água abaixo se os Portugueses deixarem.
E quem vos avisa...


uma psicose de Miguel Nunes Silva às 20:32
link directo | psicomentar | psicomentaram (2)

Sábado, 19 de Outubro de 2013
Guerra dos Tronos (Portugueses)

Casa Stark - CDS/PP

 

 

No CDS tal como na Casa Stark, a honra é algo de importante e as antigas tradições e religião ainda valem muito. É um partido conservador e paternalista que põe valores acima de facilitismo político. Podia provavelmente ter ocupado o Trono Férreo mas ainda que seja um partido de poder, está confortável numa posição secundária. No entanto, ser-se bonzinho paga-se caro e graças ao seu idealismo, tal como a Casa Stark, o CDS passa por dias difíceis, tendo os seus líderes históricos sido afastados e uma geração sedenta de poder traído alguns valores para ter um lugar na corte.

 

 

Casa Lannister - PSD

 

O PSD é como os Lannister, um partido de poder, paciente e altamente pragmático mas também um saco de gatos. Nesta casa nunca há dias monótonos: todos têm uma opinião e nenhum líder é incontestado. Também nunca estão muito afastados das rédeas do poder e quer no governo ou na oposição, estão preparados para lutar pelo seu território. O partido do meio termo, estão próximos da elite mas também procuram o apoio das massas, aderem a modas mas nunca com grande entusiasmo. Ocupam de momento o Trono Férreo mas quem se senta nele não tem grande mão na família...

 

 

Casa Targaryen - PS

 

Ambos vêm do exílio e com ideias revolucionárias mas infelizmente nem sempre estas se adaptam bem à realidade. Obtêm facilmente o apoio das massas mas têm medo de as contrariar. Afirmam-se próximos do mais humildes mas têm fortes raízes aristocráticas. Fãs de obras faraónicas, são fortes em visão mas dependem de outros mais capazes para concretização...

 

 

Casa Baratheon - PCP

 

Os Baratheon são impetuosos e irredutíveis. As suas convicções fortes dão-lhes valor aos olhos do povo, mas a convicção anda perto do fanatismo e por isso ninguém lhes confia o poder. Iconoclastas, são fãs de novas religiões e mitos mas tardam sempre em provar a vantagem de destruir o antigo. Resistentes e perseverantes, há que sempre contar com eles ...desde que a uma certa distância.

 

 

Casa Greyjoy - BE

 

Contra tudo e contra todos, de derrota em derrota, é a luta que é importante e não o resultado. Prosperam em alturas de crise do mesmo modo que o paranóico-esquizofrénico faz um bom teórico da conspiração. É a irreverência que lhes dá cor mas no fundo gostam da vitimização que vem com o ostracismo. Sonhadores e alternativos, têm pouca influência no processo político mas são frequentemente uma chatice de meia-noite.


 

Irmandade sem Estandartes - CGTP

 

Uma mutação genética deixada para trás pelos Baratheon, a irmandade é a 5ª coluna da Casa Baratheon no território inimigo da concertação social. Todos sabem de onde eles vêm mas o véu apartidário permite-lhes agradar aos muitos desiludidos com a guerra.

Nada do que defendem pode ser concretizado mas para já o projecto apenas necessita de 'ser do contra'.

 

 

Rei Alenmuralha - Geração à Rasca

 

O povo livre também pretende ser apartidário mas a verdade é que nunca conseguiram construir fosse o que fosse. A liberdade que defendem anda perto da anarquia e por isso afirmam-se mais pelo que querem, do que por aquilo que oferecem como alternativa. Um zeitgeist que não ficará para a história, são uma pequena voz ingénua de indignação no meio de um turbilhão ensurdecedor de lutas de poder.

 

 

Patrulha da Noite - Troika

 

Batem-se contra os caminhantes brancos, a dívida que apenas a muralha da austeridade consegue manter à distância. Ninguém se quer associar a eles, mas todos reconhecem a sua necessidade. Quando são necessários têm mais influência que o Trono Férreo, quando não são, todos os injuriam. Lá estarão na próxima crise a dizer 'bem vos avisámos'...

 

 



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 19:06
link directo | psicomentar | psicomentaram (1)

Novela Machete: Angola tem razão

A novela continua mas desta vez com consequências mais graves.

 

O aproveitamento político de uma simples gafe começa a prejudicar as relações entre Portugal e Angola numa altura em que os mercados dos países em desenvolvimento são cruciais para o nosso país - mais uma política de esquerda que se revela desastrosa.

 

É certo que eleitoralismo e demagogia não são apanágio exclusivo dos Portugueses e o Jornal de Angola como megafone governamental é tudo menos insuspeito de aproveitamento político.

 

O que está verdadeiramente em causa no entanto é a razoabilidade de ambas as partes e aí Portugal foi menos razoável. Luanda sabe perfeitamente que em Portugal a Justiça é independente do poder político - enfim, pelo menos mais independente do que é em Angola - e ninguém em Angola tem ilusões de que o governo possa influenciar a PGR a abandonar as suas investigações.

 

Mas se as pessoas em Portugal esperam que Angola leve em conta o facto de não partilharmos o mesmo tipo de regime, e evite pressionar o governo ou levar a cabo represálias por algo que não está ao seu alcance controlar, então Portugal também tem que fazer a sua parte.

 

As tensões com Angola começam com o aproveitamento cobarde, demagógico e irresponsável que a oposição faz do caso mas o próprio caso começa com as violações do segredo de justiça.

 

Se Portugal se quer queixar que tem um tipo de regime diferente do de Angola, então não pode ter o melhor dos dois mundos. Se a PGR tem a independência e o poder para investigar quem lhe aprouver, também tem responsabilidade por evitar violações do segredo de justiça - as quais se têm tornado uma constante vergonha em todos os casos mediáticos das últimas décadas.

 

Não havia razão para embaraçar altas personalidades do regime Angolano sem que isso fosse absolutamente necessário. A violação do segredo de justiça foi o primeiro acto de falta de razoabilidade. O cancelamento por parte de Luanda da parceria estratégica foi apenas o segundo.



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 16:07
link directo | psicomentar | psicomentaram (1)

Segunda-feira, 14 de Outubro de 2013
Fremdschämen


uma psicose de Miguel Nunes Silva às 08:44
link directo | psicomentar | psicomentaram (12)

Quarta-feira, 9 de Outubro de 2013
A CGTP não é como a mulher de César

Para a CGTP não é preciso parecer, basta mesmo ser.

 

A PSP emitiu um parecer negativo à manifestação da CGTP na ponte 25 de Abril, mas, pelo que parece, não é suficiente para a intersindical desistir da ideia de se manifestar naquele local.

 

 

 

 

Enquanto cidadão não sindicalizado, e por muitas vezes avesso à forma como os sindicatos têm funcionado no nosso país, questiono-me se a questão de se fazer uma manif na 25 de Abril não estará a jogar tanto com o efeito mediático que as verdadeiras razões do protesto se afundem no rio.

 

Enquanto social-democrata, feliz habitante de um país onde a liberdade existe, aceito toda e qualquer manifestação, mas não posso aceitar que, aquele que foi o maior relato de desobediência às autoridades, corria o ano de 1994, se repita.

 

E não, não é por ter medo da queda...da ponte ou do governo.

 



uma psicose de Pedro Miguel Carvalho às 16:18
link directo | psicomentar | psicomentaram (3)

Terça-feira, 8 de Outubro de 2013
Bloco do Ridículo

Mais uma vez a esquerda, sem soluções para o país, recorre à manipulação de preconceitos, faz uso da ignorância dos Portugueses e limita-se ao assassínio de carácter, culpa por associação e presunção de culpabilidade.

 

Não há vergonha ou honestidade do lado da gentalha que vive para o 'deita-abaixo' e que se recusa a assumir qualquer responsabilidade governativa.

 

 



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 20:17
link directo | psicomentar | psicomentaram (22)

Resumo...
 

...do que deveria ser um formulário de pré-candidatura a nomeação para o Governo.

 

 

 

 



uma psicose de Essi Silva às 18:22
link directo | psicomentar | psicomentaram (1)

Sábado, 5 de Outubro de 2013
Demissão para António José Seguro!

Seguro é um execrável líder da oposição.

 

O seu único trunfo até hoje foi ter vencido umas eleições aonde nem sequer a política do partido que lidera ia a votos.
Mas analisemos a sua performance:

 

- Sempre que a imprensa sensacionalista inventa uma novela, Seguro está lá para fazer o reles aproveitamento político oportunista e cobarde;

 

- Faz aproveitamento mesmo quando é paradoxal fazê-lo: não Zézito, o PS não pode criticar o governo por não cumprir o programa da Troika quando a oposição defende incumpri-lo ainda mais;

 

- Seguro é incompetente na oposição que faz pois não só não colabora com o governo mas é hipócrita ao criticar o governo por cumprir o mesmo programa da Troika que o PS havia co-negociado;

 

- Seguro é um embaraço e uma vergonha para o PS em episódios como este em que a sua demagogia choca contra a própria aritmética. Citando: "Proponho que a UE estabeleça como objetivo para o ano 2020 que nenhum país possa ter uma taxa de desemprego superior à média europeia"

(estas barbaridades não fazem a novela da semana mas o MNE ser diplomático já é interessante...)


LOLOLOLOLOLOLOLOL É esta criatura que vai governar um país com uma situação económica delicada? ; 

 

- Seguro fundamenta as suas políticas de 'alternativa' (mais despesismo) na disponibilidade de fundos que ele não controla - assim burlando os Portugueses.

 

 

Esta conduta vergonhosa e medíocre so merece uma palavra dos Portugueses: "DEMITA-SE!"

 

Vai-te embora toino, fazias melhor figura se não abrisses a boca...

 



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 21:57
link directo | psicomentar | psicomentaram (16)

Corja

Esta corja nojenta nem durante o hino nacional se calou.

 

Interessa que tanto o governo como o Presidente sejam líderes legítimos? Não.

 

Interessa que havia Portugueses orgulhosos dos seus líderes que queriam ver uma cerimónia respeitável? Não.

 

Interessa que ninguém desta corja tem alternativas de governação? Claro que não. 

 



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 20:39
link directo | psicomentar

Novela Machete: Diplomacia = Arrogância...

A vergonhosa falta de sentido de estado esquerdazóide revela-se em todas as oportunidades.

Para a moralista esquerda, a diplomacia é sempre negativa se respeitar regimes diferentes do nosso.

 

O MNE tentou pôr água na fervura numa causa de tensão nas relações entre Portugal e Angola mas o que a esquerda queria era ver o Ministro ser arrogante e dizer aos Angolanos para baterem a bolinha baixinha porque o nosso sistema de justiça é melhor que o deles.

 

Afinal, porquê manter boas relações com um dos nossos principais investidores e mercados de exportação, em altura de crise financeira e económica?...

Ou porquê pôr o interesse nacional à frente do aproveitamento político oportunista e cobarde?

 

 



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 20:34
link directo | psicomentar | psicomentaram (6)

Sexta-feira, 4 de Outubro de 2013
Nas autárquicas, a Culpa, não é a Tia solteirona - I
Em 2009 fui eleita pela primeira-vez para a - quase extinta - freguesia do Alto do Pina. Foi a minha quarta campanha autárquica, terceira a sério, sendo que já me metia nisto antes de ser militante de coisa alguma.

Há quatro anos, apoiei Pedro Santana Lopes e não me arrependo disso. A campanha foi, por vezes, caótica. Mas tínhamos um bom candidato e na altura, mesmo com uma agenda de campanha confusa, fizemos boas acções de campanha, com um candidato sério e seguro. Seguro que era, o melhor para Lisboa.

Os resultados para a minha área de Secção - extinta em Fevereiro 11' - foram positivos em 2009: Alto do Pina com clara maioria do PSD, o mesmo em S. João de Brito, S. João de Deus, Nossa Senhora de Fátima, Alvalade e vitória, à tangente, no Campo Grande. Era o nosso oásis laranja e tirando um caso, sei que os presidentes dessas freguesias fizeram (um bom) trabalho.

Hoje a realidade é diferente. A freguesia do Areeiro - Alto do Pina e S. João de Deus - é do PSD por uma unha negra. Nossa Senhora de Fátima (que se fundiu com S. Sebastião da Pedreira) também - não sei bem como. Mas perdemos Alvalade para o PS. E Alvalade foi sempre um bastião social-democrata. Um forte do PSD.

Já sabíamos que estas eleições nos iam correr mal. Começando pelo factor de penalização nas eleições autárquicas pelas medidas tomadas pelo Governo de Pedro Passos Coelho. Com isso já contávamos. Especialmente em freguesias habitadas por uma maioria idosa, afectada com as alterações nas pensões e mais do que isso, a nova lei das rendas.

Igualmente grave, foi a escolha de alguns candidatos por Lisboa. Impostos pelo partido por questões de força e poder e nem tanto pelo factor de mérito e credibilidade. Pelas Avenidas Novas, a facção que durante dois anos andou a criticar duramente a presidente, eleita pelo PSD, pelas atenções que concentrou à volta do candidato, deveria ter levado a uma vitória mais soberba sobre o PS. No Areeiro, se calhar teria sido igualmente boa ideia não colocar em destaque o nome de um ex-presidente (não me refiro obviamente ao cabeça de lista, nem à "família" do Alto do Pina - cujo património é, no mínimo, simpático) que, segundo consta, desfalcou o património da freguesia, pela má gestão que fez.

uma psicose de Essi Silva às 09:08
link directo | psicomentar

Nas autárquicas, a Culpa, não é a Tia solteirona - II
Um outro factor, consistiu no processo de formação da Concelhia + Núcleos de Lisboa. A minha família filiou-se numa secção na qual existia discussão política. Iniciativas. Jantares ocasionais, que ajudavam a fomentar essa mesma discussão. Ninguém num partido para o qual paga quotas, gosta de receber chamadas e missivas, só em período eleitoral interno. Os militantes de Lisboa não servem só para pagar e votar. E a iniciativa que um grupo proveniente, salvo erro, da ex-secção G, tem promovido através de discussões semanais de política, deveria partir da Concelhia. Promovendo igualmente sessões de esclarecimento com membros do Governo, autarquias, etc.

Na secção B, lembro-me de ver Paula Teixeira da Cruz argumentando a favor da EMEL. Lembro-me dos jantares de militantes na Ti Lurdes. A minha avó sabia quem era o António Prôa ou o Gonçalo Sampaio. Porra, até sabia quem era o Carlos Carreiras antes de saber que era autarca! Se eu lhe falar num Mauro Xavier ou num Miguel Pinto Luz, ela vai olhar para mim como se eu falasse chinês. E qualquer dia, não vai perceber o chinês, quando lhe implorar que vá exercer o seu direito e dever enquanto militante. Ela tem 80 anos e não é estúpida.

Não tratem os militantes como se fossem estúpidos.

Mas no final, a outra coisa que fez igual diferença e pegando nas minhas palavras iniciais, foi o candidato. Depois de um processo tortuoso para se assegurar que a candidatura de Fernando Seara era possível, mesmo tendo noção que era para perder, ao menos que se fizesse uma campanha séria, como a de Santana - Santana Lopes, volta! Estás perdoado!

Vi a campanha em Alvalade e no Areeiro, ainda que de alguma distância. Ouvi relatos. E nunca vi uma coisa tão MÁ. O candidato parecia confiante numa vitória, parecendo que nos fazia um favor. Os percursos de campanha não faziam sentido nenhum. Uma arruada de 400m às 11.30 da manhã, ou às 20h, em zonas de idosos, não resulta! Em especial com esta conjuntura!

Nem o cancelamento de arruadas quando chove. Nem tampouco o modo arruada express, com uma cara - e atitude - de TIREM-ME DAQUI!!!. (Se maior parte dos militantes já está em modo Offline, os poucos, que não estão cá pelo tacho, se ainda não estavam, já passaram para o outro lado.) E o programa? Que pânico. Se as cores de campanha não ajudavam a distinguir Seara e Costa, as ideias muito menos.

Investi o meu escasso tempo por amor à camisola e ideia de serviço público. Mas caramba, amor à camisola não deveria significar falta de amor próprio!

No fim, tenho de dar razão à minha afilhada de 18 anos, quando diz que o PS não ganhou por mérito, ganhou sim pelo nosso demérito. E isso, só nos torna ridículos.
: Com vontade de espancar o Seara e outros que tais

uma psicose de Essi Silva às 07:00
link directo | psicomentar

Segunda-feira, 30 de Setembro de 2013
Autárquicas: as 'leituras nacionais'

Muito se tem dito sobre o que significam estas autárquicas e em especial do lado da oposição, a narrativa é consensual em fazer leituras anti-governo dos maus resultados locais do PSD.

 

O problema é que como sempre, estas leituras não passam de aproveitamento político e demagogia do mais baixo nível:

 

 

Os Palhaços

 

Veja-se os palhaços do Bloco, que saltam todos contentes para celebrar a derrota do PSD reclamando que os 'eleitores puniram a política de austeridade'.

Mas então e ilações NACIONAIS das derrotas do Bloco de Esquerda? Não há?...

Se não votar no PSD é um voto contra a austeridade, então seguramente e pela mesma lógica não votar no Bloco é um voto a favor da política de austeridade...

Resumindo e concluindo, o Bloco é demagógico e hipócrita, desinforma e burla os Portugueses.

 

 

Os Burlões

 

Depois temos o PS que diz mais ou menos a mesma coisa. Os socialistas sempre têm alguma coerência porque pelo menos podem reclamar uma vitória contra o partido do governo. Mais ainda, no PS há precedentes para a retirada de ilações com base em derrotas autárquicas, como foi o caso do 2º governo Guterres.

Mas se os Portugueses votaram contra a política de austeridade, porque não penalizaram também o CDS-PP, o partido cujo líder está pessoalmente encarregado de negociar com a Troika?...

 

A verdade é um pouco mais complicada.

O PSD perdeu porque foi a eleições dividido. Isto aconteceu no Porto, Gaia, Oeiras e em vários outros municípios. Pior um pouco para a narrativa popularucha do PS, vários dos vencedores ditos 'independentes' eram de direita. Pior ainda é que a eleição de Rui Moreira é precisamente um voto contra o tipo de política de subsídios e despesismo, que Menezes teria trazido para o Porto, e como tal claramente tudo menos uma rejeição da austeridade...

 

Porque ganhou o PS Gaia, Sintra e poderia ter ganho Matosinhos?

Simplesmente porque as cidades dormitório de Lisboa e Porto são precisamente as zonas aonde se acumula a população pendular de trabalhadores das grandes áreas metropolitanas e é o tipo de autarquia que responde bem a promessas de despesismo público. É nestes municípios que o desemprego tem mais impacto e é por consequência aqui que uma política despesista governamental mais seria benéfica.

Claro está que as dificuldades destas cidades são as dificuldades nacionais e que as autarquias podem fazer pouco para dinamizar zonas que estão dependentes do crescimento do país e das áreas metropolitanas aonde se encontram. MAS isto nunca será dito aos eleitores.

 

Aliás, uma das primeiras comunicações do PS Gaia foi bem clara:  a primeira medida será começar a reivindicar mais fundos do governo...
O PS faz a nível local o que faz a nível nacional, fazer promessas com o dinheiro dos outros. Mérito próprio e planos de desenvolvimento local = Zero. 



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 15:00
link directo | psicomentar | psicomentaram (26)

Segunda-feira, 23 de Setembro de 2013
Seguro, o brutal hipócrita!

 

Vem hoje falar a criatura a que chamam líder do PS. Diz a criatura que a razão para o país ainda não ter voltado aos mercados como previsto, se deve ao governo e à sua ineficiência. O PS avisou para tal ineficiência governativa e reclama agora 'razão antes de tempo'.

 

Como sempre, Seguro e o PS são culpados da pior espécie de hipocrisia. Então o partido que queria ter poupado menos e gasto mais, o partido que queria renegociar a dívida - com isso agravando a credibilidade do país nos mercados internacionais - este partido teve razão antes de tempo?!!

 

Se com o PSD/CDS o país está atrasado no regresso aos mercados e o 2º resgate é uma possibilidade, então com o PS o regresso aos mercados já nem estaria na mesa e o país estaria certamente já a negociar um 2º resgate - resgate tal que atrasará durante anos a saída da Troika do país.

 

Mas será que este nível de cara-de-pau existe?! 

Mas será que não há um pingo de vergonha ou seriedade à esquerda?!

 

A pouca-vergonha nunca acaba pelos lados do Partido dos Burlões...



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 14:57
link directo | psicomentar

Wir bleiben Kanzlerin

A vitória de Angela Merkel é uma vitória para Portugal mas a esquerda Portuguesa inquieta-se. Porquê?

1 - Porque é chato para a retórica das promessas de 'políticas de crescimento' que a Chanceler da Austeridade permaneça no cargo.

2 - Porque é inconveniente para quem tem de agradar a sindicatos de interesses dependentes do despesismo governamental, ver quem exige mais responsabilidade dos Portugueses ganhar influência.

 

Uma vitória de Merkel significa uma permanência mais curta da Troika em Portugal. Mas o país ganha também em autonomia no sentido em que ao continuarmos a ser NÓS os responsáveis pelas reformas, deixamos também de estar dependentes de 'resgates' externos e dinheiro estrangeiro.

 

É nestas alturas que se torna muito interessante ver quem se bate pelo interesse nacional e quem põe partidos e lobbies à frente da nação...



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 09:55
link directo | psicomentar

Domingo, 22 de Setembro de 2013
Paradoxos do Bloco...



O Bloco traz sempre um sorriso a quem saiba pensar duas vezes.


Já desde há meses que o partido do contra anda a divulgar uma campanha de propaganda baseada no slogan acima mencionado.

Ora, não deixa de ser curioso que o Partido que tanto argumenta contra a propriedade privada (veja-se o caso dos 'latifúndios Alentejanos'), venha depois falar em indemnizações por 'roubo'. Pior um pouco se considerarmos que o Bloco de Esquerda - juntamente com o PCP - é o Partido que acha que o governo gastou 'pouco' em despesas sociais; isto é, com os gastos que nos levaram à bancarrota!!!...

Dirão que o Bloco como partido responsável defende o património nacional acima de tudo, e assim se justifica esta campanha. Mas então que dizer da retórica internacionalista do Bloco? Sendo o Bloco pacifista e humanitarista, e desprezando a defesa do interesse nacional através da manutenção das suas forças armadas e fronteiras soberanas, como pode depois argumentar em prol do mesmo interesse nacional?

Haja pachorra...


uma psicose de Miguel Nunes Silva às 19:45
link directo | psicomentar

Quinta-feira, 19 de Setembro de 2013
Toma que já almoçaste!

 

Um ministro responde assim a um membro do partido da coligação governamental.
Porque é isto significativo? Porque com as eleições autárquicas no horizonte, a máquina do PSD começa a preocupar-se com a popularidade dos seus candidatos.
Venho escrevendo desde há meses que há uma tensão inerente à composição do governo uma vez que PPC tentou equilibrar a influência dos aparatchiks do PSD (e do CDS) com a influência tecnocrática da Troika.
Em períodos de eleições, a máquina do partido preocupa-se com os efeitos das políticas governamentais porque a máquina está habituada a apregoar seja o que for necessário para iludir os cidadãos.
Tal como Menezes ou Jardim são capazes de adoptar uma face esquerdista auto-proclamando-se como "esquerda radical" ou contrapondo-se ao "grande capital", também a máquina do partido pretende fazer pressão para que na substância ou na aparência, o governo abandone o discurso da austeridade.
Tal como eu avisei durante o verão: 



 

Meu dito, meu feito. Pergunto-me apenas que lado escolherá PPC quando for obrigado a optar por um dos lados; os quais são afinal, fundamentalmente incompatíveis...


uma psicose de Miguel Nunes Silva às 14:50
link directo | psicomentar | psicomentaram (2)

Quarta-feira, 18 de Setembro de 2013
Factos

Ranking de Portugal em sistemas de saúde na escala da Organização Mundial de Saúde: 12º

 

 

Ranking de Portugal em produto interno bruto na escala do Banco Mundial: 44º





uma psicose de Miguel Nunes Silva às 13:26
link directo | psicomentar

Domingo, 15 de Setembro de 2013
Pela defesa dos especialistas
Estão sempre a dizer que Portugal precisa de mais inovação. Eis que me surgiu uma boa ideia para começarmos: criar uma nova Ordem Profissional para os Políticos.

É que tendo em conta que em Portugal muita gente está convencida e faz da política e dos cargos políticos profissão, seria uma boa forma de justificar os "Especialistas".

Assim, aqueles gajos que com um canudo e um trabalhito ou outro numa empresa, fazem parte das nossas estruturas governamentais e que ao fim de uns tempos já são promovidos a Especialistas; teriam um grau legítimo, seria mais fácil defender as pretensões dos políticos profissionais, escravos do servico publico e ainda podiam ter um título pomposo junto ao grau de especialidade, tipo Especialista/Técnico em Obediência, especialista/técnico em Cacique...

Era muito mais bonito e assim as pessoas não perguntavam porque é que, aparentemente, há tipos que ao fim de dois anos no Governo são promovidos a especialistas para ganhar mais 300€.

uma psicose de Essi Silva às 15:54
link directo | psicomentar

PS - O Partido dos Fundos Europeus...
Chegámos a este absurdo: um partido que faz promessas eleitorais com dinheiro alheio.
O PS e as políticas socialistas (nem sempre implementadas apenas pelo PS) esgotam o país, arruínam o seu sentido de responsabilidade com uma endoutrinação em direitos sem deveres, mandam para as urtigas a razoabilidade de se poupar para um dia mau e incutir nos investidores um sentimento de previsibilidade e confiança no sector público.
Seja para fazer política externa, para lidar com a crise da dívida soberana ou para gerir os problemas locais, o PS tem apenas uma solução: Europa.
Europa, Europa, Europa; é pouco relevante que já tenhamos gasto fundos Europeus anteriormente, que o resto da Europa também esteja em dificuldades ou o simples facto de que não se podem fazer promessas políticas dando como garantia o dinheiro dos outros!!!
Mas o PS e a Esquerda são isto: o partido do esquema de pirâmide, dos vigaristas e dos burlões.
Já não há dinheiro nos nossos cofres para gastar? Não faz mal, o importante não é NÓS corrigirmos os nossos erros. Gaste-se o dinheiro dos outros. E se os outros não quiserem dar dinheiro?... SAFADOS, os mauzões que enfraquecem a Europa, que não acreditam na solidariedade!!
Claro que nada tenho contra que o PS apele a incentivos fiscais para ajudar ao Investimento Directo Estrangeiro no interior. O problema é que tal política está directamente oposta ao que o PS tem praticado e proposto para o país: então mas que aconteceu a não despedir funcionários públicos? Para isto é necessário aumentar impostos... 
Que aconteceu à política neo-keynesiana de investimento público para relançar a economia? Para isso é necessário aumentar impostos...

Em breves palavras, o PS é favorável a tudo que pareça bom aos olhos dos Portugueses, o PS é POPULISTA; desta atitude saem propostas contraditórias. Mais gastos com menos impostos, a Troika e a dependência do estrangeiro são más mas que se prolonguem se Portugal conseguir mais dinheiro...
Já Thatcher dizia:
“The problem with socialism is that you eventually run out of other people's money.” 


uma psicose de Miguel Nunes Silva às 14:28
link directo | psicomentar

Sábado, 14 de Setembro de 2013
Sobre a recolha de lixo em Lisboa

Graças a António Costa, o meu prédio parece Nápoles, por Henrique Raposo:

Já não sei o que dizer sobre a recolha de lixo criada pela gestão de António Costa. Nunca vi a cidade tão suja como nestes dois anos. Nunca vi as entradas dos prédios com tão mau aspecto. Nunca senti tantos cheiros. Nunca vi tanta bicheza. Certas zonas da cidade parecem um pesadelo siciliano.  Aliás, o meu prédio começa a parecer Nápoles durante aqueles meses de greve organizada pela máfia.

António Costa e os seus génios inventaram uma recolha de lixo que ignora a própria estrutura dos prédios. Ou seja, conceberam um "Lisboeta" abstracto e desprezaram os lisboetas concretos que vivem em prédios reais e não em utopias arquitectónicas. O novo sistema implicou a retirada dos ecopontos da rua (uma estupidez) e a colocação de três contentores (normal, azul e amarelo) em cada prédio, num esquema que contempla a recolha de lixo normal apenas três vezes por semana. Sucede que boa parte dos prédios só tem espaço para um contentor, que naturalmente é destinado ao lixo orgânico. Isto forçou a população a comprar sacos amarelos e azuis destinados ao plástico e ao papel. Mas, atenção, o problema não está nessa despesa adicional. A questão irritante é outra: o que fazer com os sacos quando ficam cheios? É que só podemos colocar os sacos amarelos na rua às segundas e sextas, e os azuis às quartas. Resultado? Temos de empilhar sacos de lixo em casa ou nas escadas do prédio. Eu, por exemplo, tenho um acordo com a minha vizinha do lado para ocuparmos o espaço entre as nossas duas portas com os sacos azuis e amarelos que têm de esperar o seu dia. Em casa já não cabe mais nada. Chegam a estar seis e sete sacos à espera. É a minha Nápoles, ali entre o 4.º esquerdo e o 4.º direito.

Sabem o que é pior? O pesadelo não acaba aqui. Como só há um contentor, o lixo orgânico também começa a desenhar pirâmides nas paredes. Como é óbvio, um único contentor não suporta o lixo normal de 10 famílias. Para mal dos meus pecados, o Dr. Costa não conhece o potencial bélico de um saco de fraldas usadas depois de 48 horas ao sol. E agora multipliquem esta imagem com outros ingredientes. Imaginem o cheiro e o aspecto da entrada do vosso prédio depois de dois dias de calor a bombardear um contendor cheio de restos de peixe ou melão. Sim, estou um bocadinho farto de viver na minha pequena e intransmissível Nápoles.



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 11:30
link directo | psicomentar

Domingo, 8 de Setembro de 2013
Ponto final
.

Artigo 308.º do Código Penal - Traição à Pátria


Aquele que, por meio de usurpação ou abuso de funções de soberania: 
a) Tentar separar da Mãe-Pátria ou entregar a país estrangeiro

ou submeter à soberania estrangeira todo o território português ou parte dele;

ou b) Ofender ou puser em perigo a independência do País; 
é punido com pena de prisão de dez a vinte anos.



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 14:57
link directo | psicomentar | psicomentaram (9)

Sábado, 7 de Setembro de 2013
'Sim' à intervenção unilateral!

O que está em causa:um bombardeamento aéreo limitado contra o regime Sírio.

 

Porquê: como represália ao uso de armas químicas na guerra civil Síria.

 

Com que objectivo: dissuadir futuro uso de tais armas.

 

 

Uma intervenção limitada e racional na Síria não é o mesmo que uma aventura militar ideológica no Iraque. Fui contra a guerra no Iraque e contra a intervenção na Líbia e tenho consciência de que o está em causa não é uma guerra voluntarista mas sim uma necessidade geopolítica de provar que o uso de armas de destruição em massa não pode passar incólume.

 

Todos temos a ganhar com a manutenção do tabu de uso de ADMs.

 

Não estou com este post a defender que Portugal ou a NATO participem mas sim a justificar uma eventual intervenção unilateral Americana.

 

Se tal intervenção dissuadir ou fizer hesitar o uso de tais armas no futuro, então terá atingido o seu objectivo racional e pragmático.



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 18:47
link directo | psicomentar

Na nossa 'Guerra dos Tronos', Portas é a melhor coisa que podia ter acontecido a Rui Rio

Os principais partidos do arco do poder estão divididos em facções.

 

No CDS e no PSD, a divisão é entre centristas populistas que defendem posições moderadas na esperança de obter mais votos dos indecisos ao centro, e conservadores ideólogos que preferem pôr valores políticos à frente de considerações eleitoralistas.

Enquanto que tanto no PSD e no CDS os centristas demagógicos são próximos da máquina partidária, no PS a divisão aparenta ser diferente pois António José Seguro mantém-se no poder com a influência dos sindicatos e apesar de António Costa com as Socranettes poderem obter mais votos de popularidade em eleições nacionais.


Enquanto que no PS os lobbies eleitoralistas internos definem de momento a liderança do partido, à direita o lobby eleitoralista externo é mais preponderante.

 

Por conseguinte, se à direita os centristas populistas estão no poder, à esquerda os sindicatos de voto internos empurraram para as margens estes mesmos centristas populistas.

Mas a própria natureza dos constituintes destas facções gera também outras dinâmicas. Aqueles que estão na política pelo amor aos cargos e sem alternativas profissionais que não a política, são por natureza menos dados a levar em conta o interesse nacional e valores ideológicos. O objectivo derradeiro é a progressão na escada do poder e não tanto os interesses do país ou a concretização dos ideais que professam.

 

Devido a esta dinâmica, e contrariamente ao que seria de esperar de radicais, as alas menos centristas são também mais responsáveis na gestão do poder pois as ideologias são concebidas para alcançar objectivos colectivos a longo prazo.

Paulo Portas é um excelente populista mas este é também o seu ponto fraco. A sua recente manobra pode ter trazido mais poder mas trouxe também menos confiança política por parte do PSD. A médio e longo prazo, isto poderá condenar a coligação PSD-CDS à instabilidade e aos golpes de poder. Pela sua natureza, o poder político é um jogo de soma zero pois um dado cargo apenas pode ser ocupado por uma pessoa.

 

Não é claro o que a máquina do PSD pensa da manobra de Portas mas certamente que não estará satisfeita. Quaisquer futuras manobras enfraquecerão ainda mais a imagem dos dois partidos e a credibilidade da liderança do PM.

 

Quem tem a ganhar com tudo isto? O Presidente, a facção mais ideológica do PS e finalmente as alas mais ideológicas da direita: Ribeiro e Castro e Rui Rio.



uma psicose de Miguel Nunes Silva às 18:35
link directo | psicomentar

Sexta-feira, 6 de Setembro de 2013
By the way
Preferia que o Tribunal Constitucional desse razão ao Governo e não às candidaturas do Menezes e do Seara. O PSD Lisboa e os meus amigos lá de cima que me perdoem mas: o Seara em Lisboa não ganha. É triste, mas é verdade. O Menezes até é provável que ganhe, mas não deixa de ser um (deixa-cá-ver-se-encontro-um-adjectivo-que-não-seja-demasiado-ofensivo) mau candidato.

Portanto, desta decisão não vem uma grande vitória. Vitória era darmos a volta à crise sem que o Estado viesse buscar mais dinheiro à minha carteira, ganho à custa do meu trabalho - que não foi o Estado que me garantiu - para sustentar os seus vícios e os de quem à custa dele vivem.

Desculpem lá o desabafo.

uma psicose de Essi Silva às 16:42
link directo | psicomentar | psicomentaram (1)

Sábado, 31 de Agosto de 2013
Miúdo lê demais e não permite o acesso de outros a Campeão de Leitura

Garoto de 9 anos lê 373 livros em cinco anos e é criticado por diretora de biblioteca:Kid

Um garoto de nove anos, estudante do ensino fundamental em uma cidade do estado de Nova York, foi criticado pela diretora de uma biblioteca pública por… ler demais.

Tyler Weaver, que já foi cinco vezes campeão em um concurso de leituras da biblioteca pública de Hudson Falls, foi alvo de comentários por parte de Marie Grandon, a diretora do estabelecimento. Segundo informações do portal Huffington Post, ela contou a um jornal local que achava ser hora de o menino abdicar de seu trono e dar chance a algum outro.

A biblioteca organiza um concurso anual de leitura, no verão. Nele, as crianças que leram pelo menos dez livros são convidados para uma festa no final da estação. O participante que ler o maior número de livros é o vencedor. Nos últimos cinco anos, Tyler leu um total de 373 livros para o concurso, segundo a publicação local Post-Star.

O jornal procurou a biblioteca para, originalmente, produzir uma reportagem sobre o garoto e seu índice impressionante de leituras. Porém, para a diretora, a dedicação do menino não é motivo para comemorações.

Para Marie, Tyler “contamina” o concurso. Por isso, ela quer mudar as regras, de modo que o vencedor seja sorteado, e não mais conquiste o prêmio pelo total de livros que leu.

Faz sentido: viola o princípio da igualdade no acesso a Campeão de Leituras da biblioteca. Só um Sorteio permitirá que todos os meninos que entrem no sorteio tenham Igualdade no acesso ao título, que há 5 anos é monopolizado pelo maníaco das leituras.

Neste sentido, nos próximos Jogos Olímpicos, Dilma deverá também determinar que o campeão olímpico de cada modalidade deverá ser sorteado. Igualdade para todos já! Pelo fim das vitórias dos privilegiados, unidos lutaremos!



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 16:18
link directo | psicomentar | psicomentaram (5)

Sexta-feira, 30 de Agosto de 2013
Sobre responsabilidade: Prof. José António Salcedo


Só acho um pouco exagerado todo o conceito de "lá fora é que é bom", mas de resto, está uma excelente aula no 2º dia de UV.

uma psicose de Essi Silva às 17:30
link directo | psicomentar

Quinta-feira, 29 de Agosto de 2013
Um governo, um presidente, uma maioria…

 

 

Sá Carneiro não viu bem as coisas.

 

Neste momento, o PSD tem um governo, uma maioria e um presidente.

De que lhe serve?

Para governar basta um Tribunal Constitucional!



uma psicose de Ricardo Campelo de Magalhães às 23:12
link directo | psicomentar | psicomentaram (7)

Terça-feira, 27 de Agosto de 2013
Triagem: 10 anos depois é de quem?
 
Enfermeira - Então o que se passa?
Paciente - Dói-me a cara toda, os dentes do maxilar superior no lado direito e estou a escorrer muco das narinas. 
Enfermeira - Tem dores na cara. Ora isso deveria ser de Maxilofacial. Ou então de Otorrinolaringologia. O que acha melhor?

Esta conversa passou-se há um ano no Hospital S. José. Não teria corrido tão bem se eu não tivesse o mínimo conhecimento de Saúde e percebesse que tinha uma sinusite. 

A verdade é que não é suposto ser o paciente a saber o que tem e qual o serviço que melhor o ajudará a resolver o seu problema de saúde. 
Mas também duvido que os médicos - a não ser os mais jovens - se queiram submeter a prestar este serviço, o que pode dar no mesmo. 

Para além disso, haverá staff suficiente para assegurar esse serviço? E o que acontecerá aos enfermeiros "a mais"?


uma psicose de Essi Silva às 16:04
link directo | psicomentar

Notícias
Psico-Social

Psico-Destaques
Psicóticos
Arquivo

Leituras
tags
Subscrever feeds
Disclaimer
1- As declarações aqui pres-tadas são da exclusiva respon-sabilidade do respectivo autor.
2 - O Psicolaranja não se responsabiliza pelas declarações de terceiros produzidas neste espaço de debate.
3 - Quaisquer declarações produzidas que constituam ou possam constituir crime de qualquer natureza ou que, por qualquer motivo, possam ser consideradas ofensivas ao bom nome ou integridade de alguém pertencente ou não a este Blog são da exclusiva responsabilida-de de quem as produz, reser-vando-se o Conselho Editorial do Psicolaranja o direito de eliminar o comentário no caso de tais declarações se traduzirem por si só ou por indiciação, na prática de um ilícito criminal ou de outra natureza.